Nos jornais: onda de protestos leva governos à negociação

De acordo com o Correio Braziliense, prefeitos, governadores e até o Palácio do Planalto abrem a semana em busca de solução negociada para a crise. Folha de S. Paulo informa que Dilma cortou discurso após receber vaias de torcedores

Correio Braziliense

Onda de protestos leva governos à negociação

A onda de protestos que começou há duas semanas em São Paulo, contra o aumento das tarifas de transporte público, se estendeu agora ao calendário de jogos da Copa das Confederações. Além da manifestação que ocorreu em Brasília, na estreia da Seleção Brasileira na competição, ontem foi a vez do Rio de Janeiro, no jogo da Itália contra o México. Ao atrelar os atos ao evento internacional, o movimento, que avançou por, pelo menos, 10 municípios  e que  já tem adesão de brasileiros em outros países, ganha ainda mais visibilidade. Pelo menos 30 cidades no Brasil e no exterior têm protestos marcados para esta semana. Para evitar que haja descontrole e uso da força policial, autoridades em São Paulo e em Brasília querem negociar com os participantes.

Governos municipais, estaduais e o federal abrem a semana em busca de uma solução negociada para a crise. O ministro Gilberto Carvalho recebe, hoje, no Planalto, representantes dos grupos que participaram do movimento de sábado no Mané Garrincha. Em São Paulo, o governador, Geraldo Alckmin, aceitou dialogar. Os atos ganharam a solidariedade de brasileiros em Dublin, na Irlanda.

Sonoro desfecho de uma semana difícil

Depois da primeira grande vaia de seu mandato, a presidente Dilma Rousseff tomará mais cuidado com exposições públicas. Não que vá deixar de lado eventos de multidões, como a final da Copa das Confederações, por exemplo. Mas o momento requer cuidado e monitoramento. Em conversas reservadas, ministros avaliaram que as vaias no Estádio Mané Garrincha, no último sábado, serviram de fecho para uma semana em que o governo e a presidente experimentaram dissabores, como a queda nas pesquisas sobre avaliação de desempenho e, também, nas intenções de voto, pontos que os palacianos consideram mais graves do que as vaias em si.

Cautela na avaliação das vaias

As vaias no Mané Garrincha à presidente Dilma Rousseff inflaram ainda mais o discurso oposicionista. Do lado governista, o episódio foi encarado com cautela e como indicador de que é preciso tomar cuidado para evitar tropeços nas urnas daqui a um ano. Na oposição e entre cientistas políticos, a maioria das análises também vai no caminho da prudência, mas há quem tire conclusões definitivas sobre o nível de insatisfação com o governo e suas consequências em 2014.

Habitação: casa própria mais longe da classe C

Realizar o sonho da casa própria voltou a ficar difícil no Brasil, principalmente para a nova classe média. Endividadas e com o poder de compra corroído pela inflação, famílias não estão conseguindo arcar com os financiamentos, mesmo com a ainda abundante oferta de crédito imobiliário. Quando simulam formas de pagamento, compradores têm se deparado com valores de entrada impraticáveis e prestações que não mais se encaixam no orçamento já bastante comprometido.

Cidades têm tarifa zero

A reivindicação do Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento das passagens e pela implantação da tarifa zero na capital paulistana pode parecer uma utopia, mas, em pelo menos, quatro cidades do interior do Brasil ela já é realidade. E, em alguns casos, há mais de uma década. Em Agudos e Potirendaba, no interior de São Paulo, em Porto Real, no Rio de Janeiro, e, em Ivaporã, no Paraná, ninguém paga para andar de ônibus.

Tribunal cobra rapidez do MP

O Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) cobrou do procurador-geral de Justiça do estado, Lauro Machado Nogueira, celeridade no andamento do inquérito criminal em que o ex-senador Demóstenes Torres é acusado de corrupção passiva — por receber vantagens indevidas de terceiros em função do cargo. Em ofício dirigido a Nogueira, na semana passada, o desembargador Amaral Wilson de Oliveira solicita ao Ministério Público (MP) goiano um posicionamento sobre o caso, que já está há mais de seis meses no órgão.

Bem na foto

Depois da vitória sobre o Japão por 3 x 0, a pressão pela estreia na Copa das Confederações deu Lugar à descontração. Ontem, foi dia de treino leve para a Seleção Brasileira no CT do Corpo de Bombeiros, com tempo até para fotografias da delegação.

Lei Seca: 3,9 mil vão acertar contas com a Justiça

Dirigir alcoolizado é um hábito proibido por lei há 72 anos no Brasil. Em sete décadas, a legislação passou por diversas mudanças, mas nenhuma delas livrou o condutor de punições por pegar o volante após ingerir bebida alcoólica. Ao contrário, progressivamente, as regras ficam mais rigorosas com os infratores, levando-os, inclusive, ao banco dos réus. No Distrito Federal, a cada três dias, oito motoristas são denunciados pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) pelo crime de dirigir sob o efeito do álcool.

Folha de S. Paulo

Dilma cortou discurso após receber vaias de torcedores

A presidente Dilma Rousseff se recusou a pisar no gramado do Mané Garrincha durante a cerimônia de abertura da Copa das Confederações, anteontem, em Brasília, e foi obrigada a abreviar o seu discurso por causa das vaias vindas das arquibancadas.

Antes de ser hostilizada pelo público, que lotou o estádio para assistir a Brasil x Japão, Dilma fez os organizadores da cerimônia alterarem o roteiro da festa.

Inicialmente, a presidente faria o discurso do campo, depois da fala do presidente da Fifa, Joseph Blatter. Logo em seguida, ela e o cartola suíço cumprimentariam os jogadores das duas seleções.

Governo de SP pede e terá reunião com manifestantes hoje

O governo de São Paulo convidou os líderes do MPL (Movimento Passe Livre) para uma reunião às 10h de hoje, horas antes de um novo protesto pela redução das passagens do transporte público de São Paulo.

A intenção, disse ontem o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, é evitar novas cenas de violência na manifestação, programada para as 17h, no largo da Batata, zona oeste da capital paulista.

O governo quer também definir o trajeto da manifestação, um modo de saber por onde os manifestantes irão passar para planejar a operação policial e manter o protesto sob controle --o que não ocorreu em atos anteriores. O MPL aceita conversar, mas não concorda em definir o caminho previamente.

Hackers criticam presidente em ataques a páginas públicas

As página da Assembleia Legislativa da Bahia, do Procon de Rio Verde (GO) e da Secretaria de Transportes de São Paulo foram alvo de um grupo de hackers ontem.

No lugar do site institucional do Legislativo baiano, foram publicadas fotos da presidente Dilma Rousseff durante a cerimônia de abertura da Copa das Confederações, no último sábado, em Brasília, e dos protestos contra o aumento das tarifas do transporte público em São Paulo e no Piauí.

Áreas do governo têm baixa capacitação

As áreas econômica, diplomática e jurídica contam com as burocracias mais estruturadas e profissionalizadas do Executivo federal, segundo estudo que mapeou capacidade e autonomia na administração pública.

Nas piores colocações, pelos critérios adotados, estão o setor de infraestrutura --em tese, uma prioridade do governo-- e o bloco que reúne os ministérios do Esporte, do Turismo e da Cultura.

Assinado por dois pesquisadores americanos, Katherine Bersch e Matthew Taylor, e pelo cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getulio Vargas, o trabalho desenvolveu indicadores para avaliar cem órgãos públicos.

Artista cria objetos com ouro e prata para missas do papa

Apesar de ter adotado o nome de um santo reconhecido pela humildade, o papa Francisco vai utilizar objetos pouco franciscanos nas missas que rezará no Brasil durante a Jornada Mundial da Juventude, em julho.

Por encomenda da igreja, o artista sacro Cláudio Pastro está confeccionando mais de 20 peças --feitas de latão, mas banhadas em ouro e prata-- para a celebração final do evento, no Rio, e para a visita a Aparecida (SP).

Ministro fez uso eleitoral de atos em SP, diz líder tucano

O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), acusa o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo de "ultrajante e constrangedor oportunismo" ao, na sua opinião, explorar "com sofreguidão eleitoral" a crise provocada pelo aumento das passagens em São Paulo.

Na quinta, Cardozo disse o governo estava "à disposição" para cooperar "no que for necessário" na contenção dos protestos. Na sexta, condenou a "extrema violência policial" em São Paulo.

Campo de batalha

Um grupo de cerca de 800 manifestantes que tentou se aproximar dos arredores do Maracanã foi reprimido com bombas de efeito moral e gás de pimenta. Seis foram detidos e liberados ainda ontem.

A reportagem viu duas pessoas feridas. Segundo a PM, foram apreendidos artefatos como coquetéis molotov.

Para evitar a aproximação dos manifestantes, a PM formou cordões de isolamento. No primeiro deles, na saída do metrô, começou o confronto. Os PMs jogaram bombas de gás lacrimogêneo e de pimenta. Houve correria.

Educação explica 100% da desigualdade de renda

Atrasos educacionais explicam 100% das desigualdades de renda entre diferentes regiões do Brasil. A conclusão é do economista Alexandre Rands, pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco, que tem uma vasta produção acadêmica sobre esse tema.

Seu diagnóstico, se correto, significa que o país investe em políticas equivocadas há décadas. Segundo Rands, foi o caso de incentivos para o desenvolvimento da indústria de regiões mais pobres e continua sendo o caso de subsídios públicos a setores empresariais específicos.

Alckmin e prefeitos terão reforço de R$ 17 bi no caixa

Num ano em que o fraco desempenho da economia tornou-se o centro do embate político, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), conseguiu um súbito aumento de arrecadação renegociando dívidas de inadimplentes e sonegadores com o Estado. Além de reforçar seus cofres, a medida injeta dinheiro extra no caixa dos 645 prefeitos paulistas.

Lançado em março deste ano, o PEP (Programa Especial de Parcelamento) permitiu a renegociação de dívidas de 45.572 empresários com a Fazenda. Os débitos eram relativos ao pagamento de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), alguns atrasados há 10 anos.

O Globo

Maracanã renasce à italiana

Com aplausos da torcida brasileira para Pirlo, que completava cem jogos por sua seleção, e Balotelli, cujo nome chegou a ser entoado pelo público da Itália venceu o México por 2 a 1 na estreia do Maracanã na Copa das Confederações. O estádio passou no teste, apesar do som ruim, da mobilidade dificultada pelo pequeno espaço entre os assentos e da falta de sinalização. Do lado de fora, a PM reagiu com bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha a um protesto pacífico da cerra de mil jovens contra os gastos com a Copa. No outro jogo de ontem, a Espanha, muito vaiada pelos pernambucanos, derrotou o Uruguai por 2 a l em Recife.

O Brasil e o mundo de olho em São Paulo

Protestos contra o aumento das tarifas de ônibus estão marcados para hoje em quatro capitais. Em São Paulo, desta vez, o governo promete não usar a Tropa de Choque. Atos de apoio aconteceram ontem na Europa e nos EUA.

Presídios fora da lei: Apenas 10% dos presos estudam

Dos quase 540 mil presidiários hoje no Brasil, 88% não têm o ensino básico completo. Mesmo diante desse cenário, apenas 54 mil presos estão frequentando salas de aula dentro das unidades prisionais. Em vigor há dois anos, a lei que dá aos detentos o direito de reduzir a pena frequentando salas de aula esbarra na falta de infraestrutura. Levantamento feito pelo Ministério da Justiça, a pedido do GLOBO, mostra que, das 1.410 prisões do país, 40% (565) não oferecem acesso à educação. O Departamento Penitenciário Nacional reconhece a baixa oferta de ensino.

Retratos do Rio: A força das mulheres cariocas

Quase metade dos domicílios do Rio (46,5%) é chefiada por mulheres, mostra um estudo do Instituto Pereira Passos que teve como base os Censos Demográficos de 2000 e 2010. Os números também mostram que um quinto das chefes de família cariocas ganha menos de um salário mínimo e que a taxa de fecundidade na cidade diminuiu.

Grupo X: O Globo errou sobre empresas de Eike

Em reportagem na última sexta-feira sobre o Grupo X, O GLOBO errou ao afirmar que as empresas de Eike Batista já deviam mais do que valiam. Na verdade, o patrimônio líquido de R$ 18 bilhões das empresas que compõem o grupo já desconta o valor das dívidas.

Privacidade em foco: ‘Guardian’: Reino Unido vigiou G-20

Reportagem revela que delegados tiveram ligações e e-mails espionados pela inteligência britânica em 2009. Informação é do ex-técnico que vazou programa similar dos EUA.

Efeitos do câmbio: eletroportátil com sotaque chinês

Sem condições de concorrer com os importados da China e sem incentivo do governo, o Brasil quase deixa de produzir ferros de passar, aspiradores e secadores. Nos eletrodomésticos, o dólar alto ainda deve elevar os preços neste ano.

O Estado de S. Paulo

Protesto ganha apoio e governo descarta Choque

O  governo do Estado de São Paulo mudou sua estratégia e afirmou que não pretende que a Polícia Militar use a Tropa de Choque ou balas de borracha na manifestação contra o aumento das tarifas do transporte público marcada para hoje, às 17 horas, no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste da capital. Apostando no diálogo, o secretário da Segurança Pública, Fernando Grelia Vieira, convidou o Movimento Passe Livre (MPL) para reunião às 10h.

A quinta manifestação contra o reajuste de R$3 para R$3,20 das passagens de ônibus, metrô e trens tinha 208 mil confirmações no Facebook até as 21h de ontem. A organização espera 30 mil pessoas. Apesar da multidão esperada, o secretário afirmou: "Nãovai haver necessidae de usar setores como esse (a Tropa de Choque), temos certeza, convicção de que a manifestação ocorrerá de maneira pacífica". Segundo ele, "os paulistanos, mesmo os que não participam do movimento, não querem que se repitam os fatos" da semana passada.

Atos na Europa e nos EUA

Manifestações lideradas por brasileiros reuniram centenas de pessoas em Berlim, Dublin e Washington contra a violência policial no BrasiL Haverá eventos em mais 27 cidades.

Governo vai anunciar pacote para mineração

A presidente Dilma Rousseff vai anunciar nesta semana o 20° pacote de medidas de estímulo à economia de seu governo. O pacote da vez será o novo Código de Mineração  que deve na visão do governo, impulsionar os investimentos das mineradoras no Brasil já a partir do segundo semestre. O anúncio do novo código está previsto para amanhã, no Palácio do Planalto.

O governo vai enviar um projeto de lei ao Congresso Nacional. A ideia é evitar o expediente das medidas provisórias, e, com isso, obter uma tramitação suave. Ao sinalizar para os parlamentares que o pacote não exige a mesma pressa para ser aprovado que os demais 19 tiveram, o governo aposta numa nova estratégia.

Parceria

A ministra da Casa Civil, Glelsi Hoffmann, diz que o governo precisa “da contrapartida do setor privado".

Senado amplia máquina de divulgação

Numa cruzada para expandir a exposição do trabalho dos parlamentares pelo País, especialmente nos seus Estados, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMOB-AL), acelerou o ritmo de implantação de veículos oficiais de comunicação da Casa.

Ao custo de mais de R$ 15 milhões somente neste ano, Renan quer montar uma máquina de comunicação com o aumento da presença da TV e da Rádio Senado. Essa operação ocorre no momento em que o presidente alardeia que enxuga custos, com previsão de economia de R$ 316 milhões em dois anos.

A previsão é que, com a compra de equipamentos para a instalação de novos canais de televisão em dez capitais, todos dotados de tecnologia digital, o Senado gaste R$7 milhões em 2013. A Casa também custeará, por mais de R$ 2,5 milhões até o final do ano, a aquisição de transmissores de rádio em nove Estados. Nos dois casos, o Senado terá de firmar parcerias com órgãos públicos locais para veicular a sua programação.

Propostas e projetos de lei colocam MP em xeque

Enquanto a PEC 37 - que alija o Ministério Público das investigações criminais - é alvo de uma batalha no Congresso e até mobilizou o governo em busca do consenso, multiplicam-se em quase todo o País iniciativas legislativas que atormentam promotores e procuradores. São projetos de deputados estaduais e federais, também de senadores, que integram agremiações diversas e seguem tendências opostas. Em alguns Estados, antigos rivais deixam de lado as diferenças de ideais e interesses e se unem contra os promotores.

Deputados citam direitos ameaçados e negam perseguição

Autor de dois projetos que miram o Ministério Público, o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) afirma que “defende o cidadão para evitar excessos, ilegalidades e abusos cometidos principalmente na primeira instância por jovens e afoitos promotores”.

Em 2008, ele propôs, no projeto 3771/08, que os investigados sejam informados logo que  um inquérito for aberto pelo MP. Depois, Andrada apresentou o projeto 5078/09, com possibilidade de recurso ao Conselho Nacional do MP contra decisões da Procuradoria.

O deputado João Campos (PSDB-GO) propôs, em 2006, controle externo, pela Justiça, nos inquéritos do Ministério Público.

Embrapa nega estar em conflito com a Funai

Apontada como autora de análises que teriam levado o governo a suspender a demarcação  de terras indígenas no Paraná, a  Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) nega  ter elaborado um relatório contestando os estudos da Fundação Nacional do índio (Funai).

“A Embrapa não tem por atribuição opinar sobre aspectos antropológicos, étnicos ou de  mérito envolvendo a identificação, declaração ou demarcação  de terras indígenas no Brasil”, afirmou ao Estado o presidente  da empresa, Maurício Lopes. "Essa é uma atribuição da Funai.”

EUA vê ‘oportunidade’ no Irã após eleição de Rohani

Um dia após a surpreendente vitória do moderado Hassan Rohani na eleição presidencial do Ira, os principais Inimigos da república islâmica -EUA e Israel - reagiram de modo oposto. Autoridades da Casa Branca deram sinais de otimismo, falando numa "oportunidade" de renovação do diálogo. Israel, do outro lado, orientou a comunidade internacional a wnão se iludir" e a ampliar o cerco ao programa nuclear iraniano.

Dilma deve ter participação discreta na final

A vaia recebida no Estádio Mané Garrincha, em Brasília antes da partida entre Brasil e Japão, não afastará a presidente Dilma Rousseff da final da Copa das Confederações, no Maracanã, no dia 30 de junho. A assessoria do Palácio do Planalto confirmou ontem que ela estará no Rio para acompanhar a decisão. Aliados e integrantes do governo avaliam que Dilma não deveria aceitar eventual convite para discurso ou até pedir para não aparecer no telão para evitar novos apupos. A manifestação do público foi avaliada por petistas e assessores como um ato desvinculado de motivações políticas.

"É um jeito moleque do torcedor brasileiro. Qualquer político que fosse ao estádio e anunciassem o nome seria recebido da mesma forma", resumiu o líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE). A previsão já era de a presidente comparecer a apenas dois jogos, a abertura e a final Ela não deverá estar presente nesta semana nas paitidas do Brasil em Fortaleza, na quarta-feira, e em Salvador, no sábado, nem nas semifinais. Dilma fará, inclusive, uma viagem ao Japão na próxima semana e chegará de volta ao País já 110 dia da decisão do torneio no Maracanã.

PM reage a protesto no Rio

A PM reprimiu manifestação de cerca de mil pessoas nas imediações do Maracanã antes e durante o jogo.

A falência dos políticos

O apagão de lideranças no Brasil é mais contundente do que os cassetetes da PM paulista. Unanimidade, só a do vinagre.

O Globo

Maracanã renasce à italiana

Com aplausos da torcida brasileira para Pirlo, que completava cem jogos por sua seleção, e Balotelli, cujo nome chegou a ser entoado pelo público da Itália venceu o México por 2 a 1 na estreia do Maracanã na Copa das Confederações. O estádio passou no teste, apesar do som ruim, da mobilidade dificultada pelo pequeno espaço entre os assentos e da falta de sinalização. Do lado de fora, a PM reagiu com bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha a um protesto pacífico da cerra de mil jovens contra os gastos com a Copa. No outro jogo de ontem, a Espanha, muito vaiada pelos pernambucanos, derrotou o Uruguai por 2 a l em Recife.

O Brasil e o mundo de olho em São Paulo

Protestos contra o aumento das tarifas de ônibus estão marcados para hoje em quatro capitais. Em São Paulo, desta vez, o governo promete não usar a Tropa de Choque. Atos de apoio aconteceram ontem na Europa e nos EUA.

Presídios fora da lei: apenas 10% dos presos estudam

Dos quase 540 mil presidiários hoje no Brasil, 88% não têm o ensino básico completo. Mesmo diante desse cenário, apenas 54 mil presos estão frequentando salas de aula dentro das unidades prisionais. Em vigor há dois anos, a lei que dá aos detentos o direito de reduzir a pena frequentando salas de aula esbarra na falta de infraestrutura. Levantamento feito pelo Ministério da Justiça, a pedido do GLOBO, mostra que, das 1.410 prisões do país, 40% (565) não oferecem acesso à educação. O Departamento Penitenciário Nacional reconhece a baixa oferta de ensino.

A força das mulheres cariocas

Quase metade dos domicílios do Rio (46,5%) é chefiada por mulheres, mostra um estudo do Instituto Pereira Passos que teve como base os Censos Demográficos de 2000 e 2010. Os números também mostram que um quinto das chefes de família cariocas ganha menos de um salário mínimo e que a taxa de fecundidade na cidade diminuiu.

Grupo X: O Globo errou sobre empresas de Eike

Em reportagem na última sexta-feira sobre o Grupo X, O GLOBO errou ao afirmar que as empresas de Eike Batista já deviam mais do que valiam. Na verdade, o patrimônio líquido de R$ 18 bilhões das empresas que compõem o grupo já desconta o valor das dívidas.

‘Guardian’: Reino Unido vigiou G-20

Reportagem revela que delegados tiveram ligações e e-mails espionados pela inteligência britânica em 2009. Informação é do ex-técnico que vazou programa similar dos EUA.

Efeitos do câmbio: eletroportátil com sotaque chinês

Sem condições de concorrer com os importados da China e sem incentivo do governo, o Brasil quase deixa de produzir ferros de passar, aspiradores e secadores. Nos eletrodomésticos, o dólar alto ainda deve elevar os preços neste ano.


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!