Nos jornais: com PMDB, Planalto articula troca de ministros

PMDB, informa O Estado de S. Paulo, entrou na briga pela Secretaria de Aviação Civil. Jornais destacam anúncio da presidenta Dilma Rousseff em desonerar a cesta básica para alavancar consumo. Correio Braziliense traz nova polêmica envolvendo Marco Feliciano

O Estado de S. Paulo

Com PMDB, Planalto articula troca de ministros

A presidente Dilma Rousseff pretende transferir o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Wellington Moreira Franco, para a Secretaria de Aviação Civil da Presidência. O PMDB já foi avisado que não terá o Ministério dos Transportes e, além disso, Dilma deixou clara a impossibilidade de abrigar na equipe, com a reforma a ser promovida neste mês, o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP), alvo de denúncias.

Depois de saber que não tem chance de ir para a pasta dos Transportes, hoje ocupada por Paulo Sérgio Passos - filiado ao PR, mas visto como da "cota pessoal" de Dilma, o PMDB entrou na briga pela Aviação Civil, de grande prestígio em tempos de concessão de aeroportos e obras para a Copa de 2014.

Dilma antecipa isenção de impostos da cesta básica

Em clima de pré-campanha, a presidente Dilma Rousseff fez ontem o segundo pronunciamento em pouco mais de 40 dias em cadeia nacional. Ela anunciou isenção de impostos federais para produtos da cesta básica já neste ano. Os alimentos pressionaram a inflação oficial de fevereiro. O índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado ontem, passou de 0,86% em janeiro para 0,60% no mês passado. Os alimentos foram responsáveis por mais de 50% do índice. A medida anunciada por Dilma deve reduzir em até 0,6 ponto porcentual o IPCA do ano, segundo a equipe econômica. Ela seria divulgada em 1.° de maio, mas foi antecipada para contrabalançar a alta nos preços. Dilma também anunciou que, na sexta-feira, o governo vai divulgar um pacote de medidas de defesa do consumidor. E ainda reforçou prováveis bandeiras eleitorais, como a redução dos juros e da conta de luz.

"Eduardo é candidatíssimo. E para ganhar", diz senador

Se ainda pairava sobre a cabeça dos incrédulos alguma nuvem de dúvida sobre a solidez da reconciliação entre o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), ela foi dissipada ontem. Em visita à Prefeitura do Recife, o senador não só voltou a elogiar o antigo desafeto como lançou sua candidatura ao Palácio do Planalto em 2014, contra o palanque da reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).

"Eu acho que ele (Eduardo) é candidato, poderia dizer mais, eu acho que é candidatíssimo. Estou engajado nesse projeto e, inclusive, disposto a trabalhar dentro do meu partido, nas bases e dentro do Senado da República, com alguns senadores, para promover alguns encontros", afirmou Jarbas, em entrevista após encontro de uma hora com o prefeito Geraldo Julio (PSB).

"Candidatura será discutida na hora certa"

Durante visita da Comissão Externa do Senado para acompanhar a Revitalização do Rio São Francisco, com passagem por vários trechos das obras do projeto de integração do Rio na Paraíba, Ceará e Pernambuco, ontem, o ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional), ao lado de cinco senadores, incluindo o petista Humberto Costa (PT), amenizou a temperatura das especulações em torno de sua possível saída do PSB para aportar no partido da presidente Dilma Roussef (PT). O socialista se disse envolvido em um debate desnecessário para o momento em torno de 2014, ressaltando que tudo não passa de "um atropelo" de quem tem interesse em "bagunçar" o processo de crescimento do País e do Estado de Pernambuco.

Conclave começa na terça-feira e deve durar 4 dias

Após cinco dias de debates do Colégio Cardinalício, foi marcado para terça-feira, dia 12, o início do conclave que elegerá o sucessor de Bento XVI, relata o enviado especial José Maria Mayrink. De manhã, será celebrada uma missa e, à tarde, ocorrerá a primeira votação. Serão dois escrutínios por dia, até que se atinja o mínimo de dois terços dos votos, 77, para a eleição do papa. Segundo analistas, é pouco provável que o conclave seja demorado, pois os cardeais eleitores - são 115 - já tiveram tempo para debater o perfil do próximo pontífice, além dos desafios que ele enfrentará, como casos de abusos sexuais e escândalos financeiros do Vaticano. Aexpectativa é de que a eleição dure de três a quatro dias, ou seja, que o novo papa seja anunciado entre quinta e sexta-feira da próxima semana.

D. Odilo ainda em alta

Os cardeais de São Paulo, d. Odilo Scherer, e de Milão, Angelo Scola, se mantêm como os nomes mais cotados para a sucessão. O italiano seria a escolha da ala reformista e o brasileiro, da Cúria. Há, ainda, apostas de uma “terceira via".

Com PMDB, Planalto articula troca de ministros

A presidente Dilma Rousseff deverá transferir o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Wellington Moreira Franco, para a Aviação Civil. O deputado Antônio Andrade, presidente do PMDB de Minas, foi indicado pelo partido para ocupar a Agricultura. O ministro do Trabalho, Brizola Neto (PDT), pode ser substituído por um no- medo mesmo partido.

Maduro assume oficialmente poder na Venezuela

O Tribunal Supremo de Justiça nomeou Nicolás Maduro presidente interino da Venezuela e o autorizou a concorrer nas eleições sem deixar o cargo, informa o enviado especial Roberto Lameirinhas. A oposição diz que Maduro não poderia assumir. (Págs. 1 e Internacional A12 e A16)

Correio Braziliense

Mandato em causa própria

O deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que esta semana assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) em meio a uma saraivada de críticas, usou o mandato parlamentar em benefício de suas empresas e das atividades de sua igreja. Além de destinar verbas públicas para seus negócios particulares, ele paga salário a um funcionário fantasma, que na verdade trabalha em um escritório de advocacia de Guarulhos. Essa firma recebeu R$ 35 mil da cota parlamentar do deputado desde que ele tomou posse.

Feliciano também repassou recursos públicos ao escritório de outro advogado, que o defendeu em um processo eleitoral às vésperas do pleito. O gabinete 254, no Anexo 4 da Câmara, é quase uma filial da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento: o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias emprega cinco pastores da congregação que ele preside, e ainda cantores de música gospel que trabalharam na gravação de seu CD. Além de deputado, pastor e empresário, Feliciano também é músico.

Verbas para educação estão ameaçadas

Depois da derrubada do veto presidencial à lei de distribuição dos royalties, a presidente Dilma Rousseff tem agora outra preocupação: garantir que os recursos sejam usados integralmente em educação. Motivados por bandeiras pessoais ou por compromissos com os municípios, parlamentares já começam a se movimentar para alterar a medida provisória que, além de regulamentar a destinação do dinheiro, preenchia lacunas deixadas pela votação anterior.

Ciente dessa movimentação, o relator do texto, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), convidou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, porta-voz da presidente na briga pelos royalties, para uma audiência no dia 19 de março. “Existe uma posição do governo, mas não existe consenso entre os parlamentares”, explica Zarattini. Segundo o parlamentar, as posições são conflitantes e vão desde os que defendem a destinação para a saúde aos que, mais ligados aos prefeitos de suas regiões, argumentam que deve haver liberdade para os gastos.

Cortes não divulgam salários de servidores

Oito meses depois da publicação da resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga a divulgação nominal dos salários de servidores e magistrados do Judiciário na internet, 12 tribunais, dos 93 espalhados por todos os estados do país, ainda desobedecem a norma. Não há punições para os que desrespeitam a medida, pois a determinação não tem força de lei. Alguns magistrados alegam que a divulgação invade a privacidade dos servidores.

Há ainda leis estaduais que se sobrepõem à norma do CNJ e liminares judiciais conquistadas por sindicatos contrários à transparência. No Judiciário, o Supremo Tribunal Federal (STF) foi um dos primeiros a publicar na internet a remuneração de ministros, magistrados e funcionários, antes mesmo da resolução do CNJ. Executivo e Legislativo também fazem o mesmo com os vencimentos de seus servidores desde pelo menos junho do ano passado.

Operação põe delegados e doleiro do DF na cadeia

Integrantes da alta cúpula da Polícia Civil do Distrito Federal, os dois delegados presos são Paulo César Barongeno e Sandra Maria da Silveira. Eles são acusados de coagir agentes para que não investigassem o doleiro Fayed Antoine Trabousli, suspeito de usar conta bancária do Ceilândia Esporte Clube para lavar dinheiro. Também conhecido como Turco, Fayed é um personagem recorrente em investigações da Polícia Civil do DF: está ligado a escândalos que vão do mensalão do PT à Caixa de Pandora e à ação de peculato envolvendo o ex-governador Joaquim Roriz. A casa do ex-presidente do Ceilândia Sérgio Luís Lisboa de Almeida, o Serjão, também foi vasculhada ontem pela polícia.

Chávez: com um beijo do amigo Ahmadinejad

Presidente iraniano recebe aplausos durante o velório. Enviado especial a Caracas, o repórter Rodrigo Craveiro descreve a comoção de populares nas ruas e relata o temor que ouviu de um taxista apreensivo comum possível racha entre Maduro e Cabello, dois dos principais herdeiros políticos do líder morto. “Será o fim do chavismo”, disse o motorista.

Dia da mulher: menos impostos e um duro aviso

A presidente Dilma mandou dois recados ontem pela TV. O primeiro, ao setor produtivo, com a isenção fiscal a vários setores. O segundo, aos homens: “A maior autoridade deste país é uma mulher, que não tem medo de enfrentar os injustos nem a injustiça”.

O novo papa vem aí
Conclave que elegerá o substituto de Bento XVI começa na terça-feira. O cardeal brasileiro Odilo Scherer e o arcebispo de Milão, Angelo Scola, seriam os favoritos.

Dilma dará Aviação Civil ao PMDB, mas Transportes segue sob comando do PR

A presidente Dilma Rousseff pretende transferir o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Wellington Moreira Franco, para a Secretaria de Aviação Civil da Presidência. O PMDB jáfoi avisado que não terá o Ministério dos Transportes e, além disso, Dilma deixou clara a impossibilidade de abrigar na equipe, com a reforma a ser promovida neste mês, o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP), alvo de denúncias.

Depois de saber que não tem chance de ir para a pasta dos Transportes, hoje ocupada por Paulo Sérgio Passos - filiado ao PR, mas visto como da "cota pessoal" de Dilma, o PMDB entrou na briga pela Aviação Civil, de grande prestígio em tempos de concessão de aeroportos e obras para a Copa de 2014.

"Duas ou três pessoas do meu partido criam essa instabilidade"

Sob fortes rumores de que será trocado por outro pedetista na minirreforma ministerial, em ação orquestrada por membros de seu próprio PDT, o ministro do Trabalho, Brizola Neto, de 34 anos, afirma não ter recebido qualquer indicação da presidente Dilma Rousseff sobre sua substituição. Caso chegue este dia, ele afirma que não haverá espanto. "Surpresa nenhuma, porque eu não "sou" ministro, "estou" ministro."

O Globo

Comissão não pode aceitar intolerância

A indicação do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara se deu a partir da articulação política, tradicional no Legislativo, por meio da qual são distribuídos os cargos de presidente e vice-presidente, bem como os participantes de cada comissão. Tal indicação, que em outras circunstâncias seria corriqueira, ganhou relevância por duas razões. A primeira, de natureza política, está relacionada ao fato de que o PT, que tradicionalmente considerava esta uma comissão prioritária, abriu mão de seu comando.

A segunda, de natureza substantiva, relaciona-se ao fato de o deputado Feliciano ter defendido publicamente e através de propostas legislativas restrições aos direitos da população LGBT, ter se expressado publicamente de forma racista e ter formulado propostas de restrição à liberdade de culto das religiões afro-brasileiras.

A lei da compensação: Rio prepara taxação de petrolíferas contra perdas

A partir da semana que vem, pelo menos cinco projetos de lei começam a ser discutidos na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) para compensar as perdas que o estado pode ter com o fim dos royalties, de R$ 38,5 bilhões até 2020. A primeira medida dos deputados será derrubar veto ao projeto que cria uma taxa de fiscalização das petroleiras. Com isso, seria possível levantar até R$ 6,9 bilhões por ano. Estão em estudo também tributar o gás queimado nas plataformas e cancelar benefícios fiscais concedidos ao setor. O projeto mais polêmico do ponto de vista da legalidade é o que fixa a cobrança de ICMS na origem, o que beneficiaria estados produtores de petróleo, como o Rio.

Líder do PMDB nega acordo de evangélicos com bancada ruralista

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), negou que tenha intermediado acordo entre ruralistas e evangélicos para garantir ao pastor Marco Feliciano (PSC-SP) a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Casa e evitar o avanço de projetos que tratam de quilombolas e de reservas indígenas, como afirmou o deputado Domingos Dutra (PT-MA), ex-presidente do colegiado. Cunha disse que não há restrição a nenhum projeto, mas que a comissão não pode ser "monotemática" e tratar só das causas dos homossexuais. "E uma comissão de defesa dos direitos humanos ou de defesa do movimento gay?", questionou o deputado, que é evangélico.

Herdeiro de Chávez toma posse sem à presença da oposição

Escolhido por Hugo Chávez como seu sucessor, o vice Nicolás Maduro tomou posse ontem como presidente em exercício da Venezuela. O ato oficial foi possível por uma decisão da Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça derrubando a contestação da oposição, que acusou Maduro de fraude e boicotou a cerimônia. Nas ruas de vários bairros da capital, Caracas, houve panelaços contra o novo líder, que, sob pressão, voltou atrás e decidiu tomar posse na Assembleia Nacional, e não no quartel onde o corpo de Chávez está sendo velado.

Constrangimento e protestos

Com protestos país afora contra sua eleição para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, a situação do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) gera preocupação em um grupo de deputados, que cobra um exame da questão pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (RN). Para líderes e deputados, a reação da sociedade, os novos fatos que vieram à tona envolvendo Feliciano e a articulação da bancada evangélica para garantir a maioria de deputados ligados à Igreja na comissão exigem uma reflexão sobre o caso. Feliciano não é o único nome polêmico que irá presidir uma importante comissão na Câmara. O deputado João Magalhães (PMDB-MG), que responde a três inquéritos no Supremo Tribunal Federal - por peculato, tráfico de influência e crime contra o sistema financeiro - e tem os bens bloqueados, foi eleito presidente da Comissão de Finanças e Tributação.

A última da Câmara: na Comissão de Finanças, com bens bloqueados

Com protestos país afora contra sua eleição para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, a situação do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) gera preocupação em um grupo de deputados, que cobra um exame da questão pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (RN). Para líderes e deputados, a reação da sociedade, os novos fatos que vieram à tona envolvendo Feliciano e a articulação da bancada evangélica para garantir a maioria de deputados ligados à Igreja na comissão exigem uma reflexão sobre o caso. Feliciano não é o único nome polêmico que irá presidir uma importante comissão na Câmara. O deputado João Magalhães (PMDB-MG), que responde a três inquéritos no Supremo Tribunal Federal - por peculato, tráfico de influência e crime contra o sistema financeiro - e tem os bens bloqueados, foi eleito presidente da Comissão de Finanças e Tributação.

Castração e aula cívica, projetos do pastor

A crença religiosa e as posições conservadoras do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) também orientam os projetos de lei de sua autoria. O deputado, agora presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, defende a castração química como medida alternativa para estupradores. Se aprovada, entraria no rol de penas, como prestação de serviço à comunidade ou distribuição de cestas básicas. A castração se dá com medicação e inibe a libido da pessoa. Pode ser temporária ou definitiva.

"O portador desse desvio sabe que poderá vir a reincidir e podendo optar pela troca da pena de prisão, se submetendo a tratamento médico que provoque a chamada castração química, poderá livrar a sociedade de novamente estar exposta aos riscos de seus ataques", justifica Feliciano no seu projeto.

O deputado também quer proibir anúncios de prostitutas em classificados de jornais. Argumenta que esse tipo de propaganda deixa crianças e adolescentes expostos a conteúdos impróprios. "Nossos jovens são estimulados a fazer a leitura desses veículos de informação nas escolas e nas suas famílias, para adquirir conhecimento e o hábito da leitura. Colocar essas propagandas de comércio do sexo em jornais e revistas é um risco para a formação desses jovens", acredita.

Especialistas: Congresso revela 'descompromiso terminal'

As últimas nomeações para as comissões temáticas do Congresso Nacional, como a do deputado federal evangélico Marco Feliciano (PSC-SP) para a de Direitos Humanos, desmoralizam ainda mais a imagem do Poder Legislativo e demostram um "descompromisso terminal" da Câmara dos Deputados com a sua função institucional. A avaliação é de especialistas políticos entrevistados pelo GLOBO, segundo os quais, nos episódios recentes, o Congresso Nacional revelou um "cinismo institucional" e um "desrespeito à cidadania". Para eles, a prática do Poder Executivo de formar a base aliada do governo federal por meio da distribuição de cargos é a principal responsável pelas recentes nomeações no Congresso Nacional.

Brasil apresenta Vannuchi para vaga na OEA

O Brasil reapresentou na última quarta-feira à Organização dos Estados Americanos (OEA) a candidatura do ex-secretário de Direitos Humanos da Presidência da Republica Paulo Vannuchi para a Comissão lnteramericana de Direitos Humanos (CIDH). A iniciativa, revelada ontem na coluna Panorama Político, foi bem recebida por entidades da sociedade civil e observadores do processo de reforma do organismo, como um gesto de compromisso do Brasil com a comissão, sob ataque dos países bolivarianos e prestes a passar por uma reforma.

Violência em alta: homicídios voltam a subir no Rio

O longo histórico de queda de assassinatos no estado teve ontem uma má notícia. Dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) revelaram que o estado registrou, em janeiro, o maior aumento mensal do número de homicídios dolosos desde maio de 2009. O total de casos teve, em janeiro, um aumento de 20,7% em relação ao mesmo período de 2012, passando de 324 casos para 391. O ritmo de queda desse tipo de crime, que se acentuou nos últimos três anos, é um dos principais resultados atribuídos à atual política de segurança.

No final do ano passado, os números já tinham surpreendido. Em dezembro, a taxa de homicídios já havia crescido 13,3% na comparação com o mesmo mês em 2011 (345 casos para 391).

TSE suspende programa do PMDB com Pezão na TV

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou ontem que o PMDB suspenda a exibição das inserções do partido, no rádio e na televisão. No entendimento da ministra Nancy Andrighi, os programas partidários da legenda promovem a pré-candidatura do vice-governador Luiz Fernando Pezão, que aparece como estrela, ao governo do Rio, em 2014. A ministra também proibiu que a mídia do PMDB de caráter nacional, mas exibida regionalmente no Rio no último dia 5, voltasse a ser veiculada hoje e terça-feira que vem, ou em qualquer outra data.

PMs envolvidos com o tráfico

Operação contra o tráfico de drogas no Morro da Providência, no Centro, prendeu 21 PMs que recebiam propina dos bandidos.

No Dia da Mulher: Bruno pode deixar a cadeia em 2016

Condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte de Eliza Samúdio, o ex-goleiro Bruno pode ser beneficiado pela progressão da pena e passar ao regime semiaberto em 2016.

O recado da presidente

A presidente Dilma Rousseff encerrou ontem o pronunciamento em homenagem ao Dia Internacional da Mulher em tom duro, falando diretamente para os homens que agridem as mulheres. Dilma disse que, se esses homens agem dessa forma por falta de respeito ou medo, devem saber que o Brasil é governado por uma mulher que não tem medo de enfrentar a injustiça nem os injustos.

Rumo à Copa: mais 1.000 para acelerar Maracanã

O Consórcio Maracanã contratou mais mil operários para apressar a conclusão das obras do estádio, adiada de 15 para 27 de abril. Agora, são 6.500 trabalhadores em três turnos.

Papa à vista: conclave começa terça-feira

Habemus data. Desde o anúncio da renúncia de Bento XVI, especulava-se quando seria a eleição de seu sucessor. Ontem, o Colégio dos Cardeais enfim decidiu: na tarde da próxima terça-feira, dia 12, os clérigos vão se reunir na Capela Sistina para o primeiro escrutínio.

O cardeal Joseph Ratzinger foi eleito em apenas 24 horas em 2005, numa das votações mais rápidas da História da Igreja. Agora, porém, é quase um consenso que esta velocidade não deve se repetir. Enquanto o religioso alemão era profundamente identificado com a figura de João Paulo II, hoje nenhum dos papáveis gostaria de ser a imagem e semelhança de Bento XVI.

Folha de S. Paulo

Dilma vai à TV e corta impostos da cesta básica

Com a inflação em alta e a possibilidade de o BC voltar a subir os juros, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo zerou os tributos federais que incidiam sobre a cesta básica de alimentos.

Em discurso de 11 minutos em cadeia nacional de rádio e TV, disse ainda que reformulou a cesta básica e incluiu produtos de higiene pessoal, limpeza e, segundo ela, "de maior valor nutritivo".

A mudança foi publicada em edição extra do "Diário Oficial da União" e entrou ontem em vigor -medida provisória corta a cobrança de PIS/Cofins e um decreto zera o IPI de todos os produtos que ainda sofriam tributação.

A desoneração de tributos inclui carnes (bovina, suína, aves, peixes, ovinos e caprinos), café, óleo, manteiga, açúcar, papel higiênico, pasta de dente e sabonete.

Campos divide base tucana ao buscar apoio na oposição

Em busca de aliados para entrar na corrida presidencial, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), acabou dividindo a base do provável candidato do PSDB, o senador Aécio Neves (MG).

Integrantes dos dois partidos que deram sustentação aos tucanos nas duas últimas campanhas presidenciais, o DEM e o PPS, começaram a manifestar abertamente preferência pelo governador.

Num encontro recente da cúpula do DEM, a maioria dos deputados que integram sua bancada na Câmara disse que acha melhor embarcar no projeto político de Campos do que continuar com o PSDB.

Rio cogita até criar taxa para compensar perda com royalties

Enquanto tenta derrubar no STF (Supremo Tribunal Federal) a aplicação da nova lei de divisão dos royalties, o governo do Rio busca alternativas para compensar as perdas dos recursos do petróleo.

Entre as hipóteses discutidas estão aumentar as compensações ambientais para empreendimentos do setor e reduzir as renúncias fiscais. Deputados estaduais prometem até mesmo a criação de uma nova taxa e de leis que permitam a cobrança de ICMS sobre a atividade.

Segundo a Secretaria da Fazenda do Rio, o Estado perderá R$ 28,4 bilhões até 2020 (sendo R$ 1,6 bilhão este ano) devido à derrubada dos vetos da presidente Dilma Rousseff à lei que muda a distribuição dos recursos do petróleo.

Casa Civil entrega documentos da ditadura ao Arquivo Nacional

O governo entregou na tarde de ontem 412 caixas com documentos e 150 livros com exposições de motivos e leis produzidos na ditadura militar (1964-1985) ao Arquivo Nacional. Os papéis foram produzidos pela Casa Civil.

Os mesmos documentos haviam sido negados à Folha por meio da Lei de Acesso à Informação e foram liberados após reportagem do último domingo, revelando que o governo retém milhares de documentos do período.

Criadora de cadastro social ironiza tentativa de 'reescrever a história'

Wanda Engel está achando "ótima" a disputa entre tucanos e petistas pela paternidade do Cadastro Único de programas sociais federais, criado por ela quando ministra da Secretaria de Assistência Social na segunda gestão de Fernando Henrique Cardoso.

"É ótima. Há um tempo essa não era nem uma questão no centro das atenções políticas", disse ela sobre o cadastro, lembrando que, no início do governo Lula, a prioridade era o Fome Zero, e não as transferências de renda alavancadas pelo cadastro.

Nele estão reunidas hoje informações de mais de 23 milhões de famílias de baixa renda (algo em torno de 40% da população brasileira). Uma ferramenta de gestão de políticas públicas, ele veio à superfície do debate sobre o fim da miséria após uma nova expansão do Bolsa Família realizada em fevereiro.

Senador tucano é processado por dar calote

O líder da oposição no Senado, Mário Couto (PSDB-PA), está sendo processado na Justiça do Pará por ter passado três cheques sem fundo para adquirir uma lancha usada, no valor de R$ 80 mil. Segundo o vendedor - um médico de Belém que diz ter comprado a embarcação em junho de 2011 no Rio -, a transação foi acertada com o senador no fim do mesmo ano.

Ambos gostam de pescar e se conheceram em Salinópolis (PA) por meio de amigos em comum. Segundo Albedy Bastos, vendedor da lancha, em meados de 2011 o senador lhe pediu a embarcação emprestada sob o argumento de que gostaria de comprá-la.

Maduro é empossado presidente interino

Horas depois da principal cerimônia fúnebre para Hugo Chávez, Nicolás Maduro tomou posse ontem como presidente interino da Venezuela ante a Assembleia Nacional e nomeou como seu vice Jorge Arreaza, genro do mandatário morto.

A sessão foi boicotada por parte da oposição que julga a posse inconstitucional. "Queridos compatriotas, perdoem a dor e as lágrimas, mas essa faixa pertence a Hugo Chávez", disse Maduro, com voz embargada, antes de seguir para a Academia Militar de Caracas, onde fez "o juramento do coração" diante do caixão do esquerdista.

Maduro disse ter pedido ao CNE (Conselho Nacional Eleitoral) que convoque eleições "imediatamente" -a Constituição prevê novas eleições em 30 dias por causa da morte- e disse estar preparado. "Que decida o povo."

Chuva no meio do dia causa a 4ª maior lentidão da cidade

O paulistano que está acostumado às fortes chuvas do fim da tarde e início da noite durante o verão foi surpreendido ontem com um temporal bem no meio do dia.

Houve queda de granizo no bairro da Consolação (centro), 39 árvores caídas, 43 pontos de alagamento, 194 semáforos com problemas e o quarto maior índice de congestionamento da história da cidade -261 km às 18h30. O aeroporto de Congonhas ficou fechado quase uma hora e meia.

Em seis horas, choveu 22 milímetros -13% do esperado para todo o mês de março, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências).

Após impasse, conclave começa no dia 12

Ao final de uma semana marcada pelo impasse sobre a data do conclave, o Colégio de Cardeais decidiu ontem, após duas reuniões, que começará na terça-feira à tarde o processo formal de escolha do próximo papa.

Os cardeais estariam divididos sobre o ritmo do processo para escolher o substituto do papa emérito, Bento 16, que renunciou no mês passado. De um lado, os italianos gostariam de ter começado a eleição ainda nesta semana, o que beneficiaria um cardeal próximo à Cúria Romana (gabinete do papa), naturalmente mais conhecido entre os 115 eleitores.

Mas um grupo de cardeais estrangeiros encabeçados pelos norte-americanos não aceitavam apressar o processo antes de discutir, durante reuniões pré-conclave, todos os atuais problemas do Vaticano, como escândalos sexuais e suspeitas de corrupção.

Bruno poderá deixar a prisão em 2018

O ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, 28, condenado ontem a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato de Eliza Samudio, sua ex-amante, poderá voltar às ruas no primeiro semestre de 2018. É quando ele terá direito a pedir à Justiça para passar a cumprir pena em regime semiaberto, no qual pode deixar a prisão durante o dia para trabalhar ou estudar.

O benefício é dado a quem cumpre ao menos 40% da pena, no caso de condenações por homicídio qualificado. Pelo assassinato, Bruno foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão em regime fechado. O restante da pena, em regime aberto, foi aplicada pelo sequestro, cárcere e ocultação de cadáver de Eliza.

Dirigente diz que pagou por convocação

O presidente do Sport, Luciano Bivar, afirmou ontem ter contratado os serviços de um lobista para "empurrar" Leomar à seleção brasileira em 2001, quando Emerson Leão era o técnico. Pelo time nacional, o volante participou de seis jogos: um pelas Eliminatórias da Copa-2002, um amistoso e outros quatro pela Copa das Confederações de 2001.

"O jogador pertencia ao Sport, e nós pagamos um lobista para que ele fosse convocado. Se deu certo? Não sei. Se alguém da CBF levou esse dinheiro? Não sei. Mas ele jogou na seleção", declarou Bivar à Folha, por telefone.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!