Mulher de Cunha “ostentou” no Facebook viagens bancadas, segundo o MPF, pelo petrolão

Cruzamento feito pelo jornal O Globo mostra que a jornalista Cláudia Cruz publicou fotos de viagens em que fez compras, de acordo com denúncia, com dinheiro de corrupção da Petrobras. Entre os destinos, Nova York, Barcelona, Paris, Lisboa, Roma, São Petersburgo e Dubai

Cruzamento feito pelo jornal O Globo mostra que a jornalista Cláudia Cruz, mulher do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), divulgou em seu Facebook fotos de viagem em que fez compras, segundo o Ministério Público Federal, com dinheiro de corrupção da Petrobras. No roteiro aparecem alguns dos principais destinos turísticos internacionais, como Nova York, Miami, Orlando, Barcelona, Zurique, Paris, Roma, Lisboa, São Petersburgo e Dubai.

De acordo com os investigadores, a família viajou nove vezes ao exterior entre 2012 e 2013 e gastou, nesses passeios, US$ 526.760 com cartões de crédito cujas faturas eram pagas com recursos da conta suíça Köpek, abastecida, segundo a denúncia que tornou Cláudia Cruz ré, com dinheiro do petrolão.

A reportagem de Guilherme Amado relata que as primeiras fotos da jornalista que coincidem com os pagamentos identificados pela Lava Jato foram tiradas na Espanha, para onde o casal viajou em 2013 para a formatura da filha do peemedebista em um curso de MBA. O curso, no valor de US$ 119 mil, foi pago pela conta utilizada e não declarada por Cláudia, segundo O Globo. Imagens da formatura, de pratos com lagosta e ostras e selfies na praia de Barcelona e na piscina do hotel foram publicadas pela jornalista em sua página.

Naquele mesmo mês, ela viajou com a enteada para Paris, onde também fizeram compras com o cartão e tiraram fotos na Torre Eiffel e às margens do rio Sena. Em setembro daquele ano, observa o jornal, Cláudia foi a Nova York, onde comprou em lojas de departamento de luxo e na famosa joalheria Tiffany. O passeio foi novamente registrado na rede social.

Cláudia voltou a Paris no começo de 2014. “Comprou € 5.540 na Chanel, € 1.900 na Christian Dior, € 3.005 novamente na Charvet Place Vendôme e outros € 2.115 na Balenciaga. Só no dia 11 de janeiro, foram € 9.600 gastos. E dá-lhe selfie e frases do tipo ‘Paris será sempre Paris’”, relata o Globo.

A jornalista voltou à capital francesa logo após a eleição do marido como presidente da Câmara, no início de 2015. Gastou com o cartão abastecido com dinheiro ilegal, segundo os investigadores, € 842 na camisaria Charvet. E mais fotos no Facebook.

 

 

 

O jornal ressalta que, na denúncia apresentada à Justiça, o Ministério Público Federal sustenta que Cláudia tinha “consciência dos crimes que praticava” quando ia às compras. Os valores são considerados pelos procuradores incompatíveis com os rendimentos declarados pelo casal à Receita Federal. Em sete anos, foram gastos mais de US$ 1 milhão com cartões de crédito. Em 2015 Cláudia declarou ter recebido R$ 76.711,20 por serviços prestados para pessoas físicas e ser dona de um patrimônio de R$ 3,7 milhões. A defesa da jornalista disse ao Globo que o dinheiro “não era de corrupção e que isso ficará provado no processo”.

Em mensagens publicadas em seu Twitter esta tarde, Cunha disse que vai à Justiça pedir direito de resposta no jornal para que sua família possa dar a própria versão. O deputado afastado escreveu que Cláudia tem recursos mais que suficientes para bancar suas viagens com o dinheiro que recebeu de ação trabalhista que venceu contra a TV Globo, após deixar a emissora, onde apresentou telejornais como o Jornal Hoje. O peemedebista atribui a publicação a perseguição. "Derrotar a Globo em processo judicial tem um custo caro e isso serve de exemplo para quem ousar enfrentá-la.Essa e a mensagem da campanha", publicou. Ele alega que não foi procurado para comentar o assunto.

Veja a íntegra da matéria do Globo

Esposa de Cunha vira ré na Lava Jato

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!