Ministra reformula comando do Instituto Chico Mendes

Além do presidente, dois diretores também deixam órgão responsável por unidades de conservação. Izabella Teixeira acumulou atritos com direção da autarquia

No momento em que a política ambiental da presidenta Dilma Rousseff sofre maior questionamento por parte dos ambientalistas, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, reformula o comando do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão com o qual acumulou atritos desde sua posse.

Leia outros destaques do Congresso em Foco

A edição de hoje (6) do Diário Oficial da União trouxe a exoneração de mais um diretor da autarquia, responsável pelas unidades de conservação do país. O oceonógrafo Ricardo Soavinski deixou a diretoria de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do instituto.

É a terceira baixa anunciada no órgão nos últimos 30 dias. No mês passado, Paulo Maier foi exonerado da diretoria de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação. De acordo com o Diário Oficial, as duas exonerações foram solicitadas pelos próprios diretores.

A saída deles, no entanto, está relacionada à do presidente do Instituto Chico Mendes, Rômulo Mello. Na véspera do Carnaval, Rômulo entregou uma carta de demissão à ministra Izabella, alegando estresse e problemas de saúde. Os jornais noticiaram, na semana passada, que a ministra havia decidido, por conta própria, demiti-lo do cargo, em mais um capítulo do longo histórico de divergências com o subordinado.

A assessoria de imprensa do instituto confirma a entrega da carta, mas nega a demissão do presidente. De acordo com a assessoria, Rômulo está de férias e só terá seu futuro decidido quando retornar, no final do mês. Só, então, a exoneração de Rômulo deverá ser publicada no Diário Oficial. Nesse período, responde interinamente pela presidência do instituto a diretora de Planejamento, Administração e Logística, Silvana Canuto.

Além de Silvana, permanece no cargo o diretor de Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade, Marcelo Marcelino de Oliveira. Ricardo Soavinski será substituído por Pedro de Castro da Cunha e Menezes. No lugar de Paulo Maier, exonerado em fevereiro, assume interinamente Daniel Penteado.

“171 ambiental”

Em 2010, Izabella chegou a chamar Rômulo de “171 ambiental”, ao contestar números apresentados pelo presidente do ICMBio durante as comemorações pelos dez anos do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. A criação de unidades de conservação gera divisões dentro do governo. No ano passado, por exemplo, a presidenta Dilma assinou uma medida provisória que reduziu sete unidades na Amazônia para a construção de hidrelétricas. A MP, aprovada pelo Congresso, sofre questionamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão de criar o Instituto Chico Mendes, como desmembramento do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), partiu da ex-ministra Marina Silva, que tem criticado duramente os rumos da política ambiental no governo Dilma Rousseff. Izabella sempre teve restrições à existência da autarquia.

O Congresso em Foco procurou a assessoria do Ministério do Meio Ambiente, mas não houve retorno até o momento.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (vídeo de dois minutos)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!