Lúcio Vieira Lima é indicado do PMDB à vice-presidência da Câmara

Indicado é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, um dos alvos da operação Cui Bono, deflagrada em 13 de janeiro

 

Em nota divulgada na tarde desta quarta-feira (1º), o líder do PMDB da Câmara, Baleia Rossi (SP), confirmou que a legenda vai indicar o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) para disputar o cargo de primeiro vice-presidente da Casa. Por definição, o bloco liderado pela sigla – composto ainda por PSDB, PP, PR, PSD, PSB, DEM, PRB, PTN, PPS, PHS, PV e PTdoB, com 358 deputados – tem a prerrogativa de fazer as seis primeiras escolhas de cargos da Mesa Diretora.

A decisão é fruto de uma reunião realizada na última terça-feira (31), quando membros do PMDB deliberaram sobre os nomes da bancada que poderia ser indicados. Em votação, Lúcio Vieira Lima ficou empatado com o deputado José Priante (PA). Cada um recebeu 28 votos. No entanto, como Vieira Lima é mais idoso que Priante, acabou levando vantagem. "Os dois são dignos de representar nossa bancada. Contudo, apenas um pode ser indicado oficialmente", destacou Baleia Rossi.

Cui Bono?

Lúcio Vieira Lima é irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, afastado do cargo após denúncias feitas pelo também ex-ministro Marcelo Calero. À época, Calero afirmou que Geddel o pressionou para produzir um parecer técnico ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para favorecer a aprovação de um projeto imobiliário nos arredores de uma área tombada em Salvador – o residencial La Vue, onde Geddel adquiriu uma unidade.

O deputado que concorre à primeira vice-presidência da Câmara chegou a ter pedido de busca e apreensão de mídias e documentos expedido pela Polícia Federal (PF) em janeiro deste ano, quando a Operação Cui Bono? foi deflagrada. O foco do mandado era o apartamento funcional de Lúcio Vieira Lima. Entretanto, por ter foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF), o juiz federal responsável pelas apurações não autorizou o pedido da PF. Já afastado da Secretaria de Governo, Geddel não teve a mesma sorte que o irmão e teve o pedido de busca e apreensão contra ele autorizado.

Distribuição

Em reunião de líderes realizada hoje (quarta, 1º), ficou definido, também, que o PSDB indicará o nome para assumir a segunda secretaria; o PP, o deputado que pode ocupar a segunda vice-presidência; o PR a primeira secretaria; o PSB, a terceira e o PSD vai indicar o deputado para a quarta secretaria. Além destes, três partidos ficarão responsáveis pelas escolhas dos três suplentes. São eles: PT – com duas escolhas; PRB e Solidariedade. As candidaturas poderão ser formalizadas até às 23h de hoje (quarta, 1º).

Mais sobre eleições da Mesa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!