Vídeo: Lindbergh e Janaína Paschoal trocam acusações na comissão do impeachment

Senador lembrou que juiz que determinou prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann, é orientando de Janaína na USP. A advogada não gostou do que classificou como "ilações" e pediu a palavra para "defender a honra"

O clima esquentou na comissão do impeachment no Senado em mais uma rodada para ouvir testemunhas de defesa da presidente Dilma Rousseff. Na sessão desta segunda-feira (27), o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e a advogada de acusação no processo contra a petista, Janaína Paschoal, trocaram palavras ásperas em razão de um comentário feito por Lindbergh na última sexta-feira (24). Mencionando o noticiário daquele dia, o senador lembrou que o juiz que determinou a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), é orientando de Janaína na Universidade de São Paulo (USP). A advogada, que não estava no colegiado no momento em que o parlamentar fez menção ao caso, não gostou do que classificou como "ilações" e pediu a palavra para "defender a honra".

Veja toda a discussão no vídeo abaixo:

O bate-boca aconteceu durante a arguição do ex-ministro do Desenvolvimento Agrário Patrus Ananias. Lindbergh recorreu ao artigo 14 do Regimento Interno do Senado, que assegura a palavra ao parlamentar citado de forma desfavorável, e disse que a advogada é "useira e vezeira" em fazer ilações sobre os defensores de Dilma na comissão do impeachment.

"O que eu falei é verdade. O orientando é dela, só foi isso. A senhora não está aqui por idealismo. A senhora começou esse processo por R$ 45 mil reais, contratada pelo PSDB, sim. Agora é idealista? Não venha com essa", disse. Nesse ponto da discussão, Janaína rebateu a acusação do senador dizendo que ele é acusado de ter recebido propina do petrolão, segundo delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, um dos primeiros condenados por envolvimento no esquema de corrupção descoberto pela Polícia Federal na estatal.

"E os dois milhões?", replicou a advogada, intensificando ainda mais o bate-boca.

Perícia

A conclusão da junta pericial causou divergências entre os senadores da comissão. Enquanto parlamentares governistas entendem que a conclusão da junta reforça o pedido de impeachment, os congressistas ligados à presidente afastada, Dilma Rousseff, caminham na direção oposta. Para a junta, três decretos de abertura de créditos suplementares baixados em 2015 pela presidente Dilma Rousseff promoveram alterações na programação orçamentária incompatíveis com a obtenção da meta de resultado primário vigente à época.

Os peritos concluíram também que os atrasos nos pagamentos devidos pelo Tesouro Nacional ao Banco do Brasil, por conta de subvenções do Plano Safra, constituem operação de crédito, tendo a União como devedora, "o que afronta ao disposto no art. 36 da LRF" [Lei de Responsabilidade Fiscal]. Entretanto, a junta não identificou ato comissivo da presidente "que tenha contribuído direta ou imediatamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos".

Nesta segunda-feira (27), estava prevista a oitiva de três testemunhas de defesa da presidente Dilma. Mas apenas Patrus Ananias foi ouvido pelos senadores da comissão, que suspendeu os trabalhos depois de uma queda de luz generalizada na Esplanada dos Ministérios, decorrente de incêndio na subestação Brasília Centro, da Companhia Energética de Brasília, que fica próxima da Praça dos Três Poderes. Devido ao incidente, o depoimento da ex-secretária executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário Maria Fernanda Ramos Coelho foi interrompido.

Além de Maria Fernando, deveria ter falado ao colegiado o diretor do Departamento de Financiamento e Proteção da Produção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, João Luiz Guadagnin. Ambos voltarão ao Senado amanhã (28) para falar à comissão do impeachment.

* Com informações da Agência Senado

Mais sobre impeachment

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!