Ligação com bancos faz Dilma e Marina trocarem acusações

Dilma diz que a adversária vai dar poder político aos bancos. Marina rebate afirmando que a petista foi responsável pela criação da "bolsa empresário". Veja o comercial que gerou troca de acusações

As duas principais candidatas à presidência da República – Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) – são destaque nos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo nesta quarta-feira (10) após trocarem farpas sobre a condução econômica do país. Dilma subiu o tom das críticas à adversária ao sugerir  submissão da representante do PSB aos bancos, numa referência à parceria da pessebista com a herdeira do Banco Itaú, Maria Alice Setúbal, coordenadora de seu programa de governo, que tem a autonomia do Banco Central (BC) entre as propostas.

Em comercial veiculado na TV, Dilma diz que a autonomia do BC proposta por Marina entregaria o poder político do país aos bancos.  "Ou seja, os bancos assumem um poder que é do presidente e do Congresso, eleitos pelo povo. Você quer dar a eles esse poder?", questiona o locutor do comercial, que a seguir mostra uma família que fica sem ter o que comer.

Marina Silva rebateu afirmando que o governo petista foi responsável pela criação do que chamou de “bolsa empresário”, “bolsa juros altos” e “bolsa banqueiro”. A ex-senadora avaliou a acusação da concorrente como injusta.

“Nunca os banqueiros ganharam tanto como em seu governo [na gestão petista]. Eles fizeram a ‘bolsa empresário’, a ‘bolsa banqueiro’, a ‘bolsa juros altos’ e agora estão querendo nos acusar de forma injusta em seus programas eleitorais”, rebateu a candidata do PSB.

A troca de acusações entre as duas presidenciáveis durou toda a terça-feira. A petista disse ainda não ser sustentada por banqueiro, também em referencia à ligação de Marina Silva com Maria Alice Setúbal. “Não adianta querer falar que eu fiz ‘bolsa banqueiro’. Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro me sustentando”, contra-atacou Dilma. Marina respondeu que a autonomia do Banco Central “sempre existiu, mas está corroída pela contabilidade criativa do governo”.

Os jornais mostram que, apesar de Dilma Rousseff ter afirmado que não está sendo apoiada por banqueiros, instituições financeiras como os bancos BTG Pactual e Bradesco fizeram doações de R$ 9,5 milhões até agora para a campanha petista.

Marina Silva também recebeu R$ 4,5 milhões dos bancos. Seu maior doador foi o Itaú, com R$ 2 milhões, além da própria Maria Alice, que doou R$ 200 mil.

Veja abaixo o comercial que deu origem ao bate-boca entre as duas candidatas:

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!