Jornais: grupo ‘black bloc’ espanca comandante da PM em SP

Mascarados atacam coronel no terminal D. Pedro; protesto, que começou pacífico, teve 78 detidos

FOLHA DE S.PAULO

Grupo 'black bloc' espanca comandante da PM em SP

Mascarados atacam coronel no terminal D. Pedro; protesto, que começou pacífico, teve 78 detidos

Até 2017, metade dos imóveis de SP terá 4 altas seguidas de IPTU

A gestão Haddad (PT) calcula que 1,5 milhão de contribuintes do IPTU, ou 49,7% do total, pagarão aumentos seguidos do imposto até 2017

Brasil não ajuda, e Suíça arquiva investigações do caso Alstom

O Ministério Público da Suíça arquivou investigações sobre três suspeitos de intermediarem subornos pagos pela Alstom a políticos e servidores de São Paulo

Demétrio Magnoli

PT é a concha que protege uma elite patrimonialista

Preços defasados e câmbio derrubam lucro da Petrobras

O lucro da Petrobras teve queda no terceiro trimestre. O valor, de R$ 3,4 bilhões, é 39% menor do que o do mesmo período de 2012

Espionagem dos EUA prejudica guerra ao terror, diz Europa

Reunidos na Bélgica, governantes da União Europeia disseram que as denúncias de que os EUA espionaram aliados afetam ações conjuntas de combate ao terrorismo

Só um ponto

Raphael Alemão, Wesley, Ananias e Juninho brincam em treino do Palmeiras; equipe precisa de empate hoje para voltar à Série A

 

O GLOBO

Governo eleva fatia de estrangeiros no BB a 30%

O governo Dilma elevou de 20% para 30% o limite da participação estrangeira no Banco do Brasil. Esta é a terceira elevação da fatia de investidores do exterior no capital do banco nos últimos anos. Em 2006, o percentual saiu de 5,6% para 12,5% e, em 2009, passou a 20%. O mercado reagiu bem: as ações do BB subiram 1,16%. O vice-presidente do banco Ivan Monteiro disse que o investidor estrangeiro é "muito bem-vindo" ao país.

PT critica leilão de Libra

Os cinco candidatos que disputam a presidência do PT com Rui Falcão criticaram a privatização do Campo de Libra por Dilma.

Fim da greve: rede municipal volta às aulas terça

Em assembleia tumultuada, professores da rede municipal decidiram ontem suspender a greve que durou mais de dois meses. A decisão foi apertada, tomada em encontro que teve brigas e bate-boca Segundo o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), havia cinco mil presentes. A categoria estava tão dividida que teve de fazer três votações, a última com contagem individual dos votos. O resultado foi 1.085 pelo fim da greve e 888 a favor. Em troca da volta às aulas na próxima terça-feira — segunda é dia do servidor público —, os professores não terão os dias descontados e vão repor o conteúdo perdido, podendo ter de dar aula aos sábados e até janeiro, dependendo da escola e dos dias parados em cada uma delas.

Pressão nas bombas: Lucro da Petrobras cai 39% no 3º trimestre

A Petrobras lucrou R$ 3,395 bilhões de julho a setembro, queda de 39% sobre o mesmo período de 2012. O resultado, bem abaixo das previsões, é consequência da defasagem nos preços, de 6,5% no caso da gasolina e de 19% no do diesel. A Petrobras importa combustíveis e sofre com a alta do dólar. Em novembro, a estatal vai elaborar novo modelo de reajustes.

Quem usar rede social durante Enem será excluído

 

O ESTADO DE S. PAULO

Alemanha e Brasil unem forças contra espionagem

O Brasil obteve apoio da Alemanha para tentar aprovar na ONU resolução a favor da privacidade na internet. A proposta, inicialmente brasileira, será agora dividida com o governo alemão, também atingido diretamente pela espionagem da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA). O Itamaraty confirmou que deverá reescrever, com os alemães, o primeiro rascunho de uma resolução a ser apresentada à Assembleia-Geral. A votação pode ser ainda neste ano. A decisão alemã de unir esforços com o Brasil foi revelada ontem pela revista americana Foreign Policy. Representantes dos dois países se reuniram com diplomatas de nações europeias e latino-americanas e decidiram dar força à proposta feita pela presidente Dilma Rousseff em setembro. Nos últimos dias, descobriu-se que pelo menos 35 países foram monitorados.

UE cobra os EUA

A União Europeia decidiu propor aos EUA adoção de “códigos de boa conduta" na espionagem. Bases serão estabelecidas nos próximos meses.

Protesto e depredação

Marcha do Movimento Passe Livre terminou no Parque D. Pedro em confronto com a polícia e ao menos 10 ônibus atacados por integrantes do grupo Black Bloc. Orelhões foram danificados e 17 caixas eletrônicos, depredados.

Dilma é criticada em debate de candidatos do PT

Críticas ao governo Dilma, à aliança com o PMDB e inconformismo com o leilão de Libra marcaram o último debate entre os seis candidatos à presidência do PT. O vice-presidente Michel Temer (PMDB) foi chamado de “sabotador”.

Lucro da Petrobrás cai 39% no 3º trimestre

A Petrobrás encerrou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 3,39 bilhões, em meio à forte pressão do descompasso entre os preços da gasolina e do diesel vendidos no País e os internacionais. A queda em relação ao mesmo período do ano passado foi de 39%. Em relação ao segundo trimestre, a redução foi de 45,3%. O resultado frustrou analistas, que previam lucro líquido de R$ 5,7 bilhões. Graça Foster destacou o impacto do aumento da defasagem em meio à grande demanda interna por combustíveis.

MEC monitorará Enem na internet

O MEC vai monitorar as redes sociais. Estudantes que postarem imagens dos locais de provas do Enem serão desclassificados. Exame começa hoje.

Governo desapropria 8 fazendas em 6 Estados

 

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

As palavras mágicas dos presidenciáveis

Candidatos ao Planalto afinam o discurso que será apresentado ao eleitorado. Principal debate tratará do gargalo nos serviços públicos

As manifestações de junho — que completaram quatro meses na semana que passou — forçaram os pré-candidatos ao Planalto a mudar a estratégia política e o discurso para se mostrar antenados com a realidade das ruas. No caso da presidente Dilma Rousseff, de acordo com interlocutores que atuam diretamente no QG da pré-campanha, as passeatas que reuniram 1,5 milhão fizeram com que a presidente mudasse o foco do eleitorado e, a partir daí, fosse delineado o que tende a ser o discurso de campanha pela reeleição. “Quem resolveu o problema do emprego e da renda vai solucionar os gargalos nos serviços públicos”, disse um aliado da presidente.

Na visão desse aliado, o governo do PT, ao longo dos últimos 10 anos, reduziu o desemprego no Brasil — a taxa atual é de 5,4% — e proporcionou reajustes salariais acima da inflação. “Há uma década, o emprego e a renda eram as grandes cobranças da população. Isso foi superado. Os desafios agora são outros”, ponderou.

Troca de recados no mesmo palanque

Durante anúncio de obras no transporte público de São Paulo, Dilma e Alckmin aproveitaram para se provocar. Ela criticou o passado. Ele, a falta de investimentos federais

Em clima de campanha, a presidente Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, trocaram farpas durante o anúncio de R$ 5,4 bilhões de investimentos do PAC Mobilidade Urbana no estado. Durante o evento, que ocorreu ontem na capital paulista, Dilma criticou o “deficit histórico” de investimentos federais no setor, em referência indireta aos oito anos de governo tucano (1995-2002) que antecederam o período petista à frente do Palácio do Planalto. A presidente comentou que, durante as décadas de 1980 e 1990, investir em obras de metrô era algo “considerado inadequado”, pelo alto custo.

Em seguida, alfinetou, de uma só vez, a condução da economia das gestões do PSDB e o Fundo Monetário Internacional (FMI) — que na quarta-feira divulgou relatório criticando a política fiscal do país e o excesso de gastos públicos. “A gente tinha de pedir autorização ao FMI (para investir). Por isso, foi tão bom, governador, pagar a dívida com o FMI, que não supervisiona mais as nossas contas”. Em 1998, Fernando Henrique Cardoso assinou empréstimo com o fundo que exigia rigorosos compromissos fiscais, monetários e cambiais, limitação para investimentos. Em dezembro de 2005, durante o primeiro governo Lula, o país quitou a dívida mediante pagamento de US$ 15,5 bilhões.

Alckmin rebateu os comentários da presidente cobrando mais verbas federais para o aumento da malha metroferroviária de São Paulo. “Todos os grandes metrôs do mundo tiveram recursos do governo federal”. O governador ressaltou ainda a intenção de levar o metrô até a região do ABC, na Grande São Paulo, cujos municípios são reconhecidos redutos petistas. “Pela primeira vez, o metrô será expandido ao ABC, saindo do Tamanduateí e passando por São Caetano, Santo André e São Bernardo do Campo. Pretendemos iniciar uma parceria público-privada o quanto antes”, prometeu.

Embate com o Planalto

Aécio acusa o governo federal de administrar a economia de forma temerária, com o recrudescimento da inflação

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), possível candidato do partido à Presidência da República em 2014, criticou ontem a condução da economia brasileira pela presidente Dilma Rousseff. O parlamentar esteve em Olímpia, no noroeste de São Paulo, para participar do encerramento de congresso de prefeitos da região. “O Brasil apostou única e exclusivamente no crescimento apenas pelo consumo, a partir da oferta de crédito extremamente ampla, e não se preocupou em dar garantias à atração de investimentos, a estabelecer regras claras, a fortalecer as agências reguladoras. Ao contrário, hoje, nós somos o patinho feio. Estamos no fim da fila”, disse o senador, se referindo aos países vizinhos.

Em outra investida contra a área econômica do governo, Aécio condenou o leilão do pré-sal, feito pelo governo. “O PT executa um software pirata porque hoje só se aproxima das teses do PSDB. É muito curioso um partido que tanto demonizou as privatizações estar fazendo, em alta escala agora, a maior privatização do Brasil com o pré-sal, com os aeroportos e ferrovias”, afirmou.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!