Jornais: 82% dos paulistanos são contra ‘rolezinho’

Para 80% dos entrevistados, os lojistas agem corretamente ao buscar a Justiça para proibir os encontros. Outros 73% consideram que a Polícia Militar deve ser acionada para impedi-los, mostra pesquisa realizada pelo Datafolha

FOLHA DE S. PAULO

82% dos paulistanos são contra 'rolezinho'

Se os rolezinhos forem mesmo um movimento de protesto contra o apartheid social, como querem alguns setores progressistas, a pesquisa Datafolha sobre o fenômeno do verão vem confirmar que a população da cidade é bem conservadora: 82% dos paulistanos se dizem contra os encontros de jovens da periferia em shopping centers.

A condenação da atividade é geral, sob qualquer recorte que se faça da pesquisa com 799 moradores da capital maiores de 16 anos. A média dos que apoiam as reuniões é de meros 11% e aumenta muito pouco - considerada a margem de erro da pesquisa, de quatro pontos percentuais, para baixo ou para cima - mesmo entre aqueles dos quais seria de esperar certa aprovação.

Moradores da zona leste, o maior bolsão de exclusão social da cidade? Apenas 8% de aprovação, a menor de todas. Jovens? Só 18% dos que têm até 24 anos se declaram favoráveis aos rolezinhos.

Para 80% dos entrevistados, os lojistas agem corretamente ao buscar a Justiça para proibir os encontros. Outros 73% consideram que a Polícia Militar deve ser acionada para impedi-los. E 72% acham que não há preconceito de cor na reação dos shoppings, em aberta contradição com a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros (PT), para a qual há "discriminação racial explícita".

Arrecadação federal sobe, mas fica aquém da meta oficial

A arrecadação do governo atingiu um novo recorde no ano passado, mas não foi o bastante para cumprir as metas e as projeções oficiais.

Ao todo, impostos, taxas e contribuições renderam R$ 1,14 trilhão aos cofres federais, ou R$ 1,17 trilhão em valores corrigidos pela inflação.

Desse total, os tributos sob responsabilidade direta da Receita (exclui royalties, por exemplo) somaram R$ 1,1 trilhão, com alta de 2,35% em relação a 2012 --abaixo dos 2,5% esperados até novembro e, mais ainda, dos até 3,5% anunciados de início.

Para Carlos Alberto Barreto, secretário da Receita, o resultado ficou muito próximo das estimativas. A taxa de expansão, disse, deve se manter neste primeiro trimestre.

Os números da arrecadação acabaram inflados pelas receitas extraordinárias obtidas no fim de 2013 graças à reabertura, em versão ampliada, do programa de incentivos ao pagamento de tributos em atraso.

Alckmin se reúne com sem-teto após manifestação

Marcha com 8.000 pessoas, segundo a PM. Encontro negociado durante o protesto visava evitar desgaste semelhante ao ocorrido com a prefeitura

Dom Odilo minimiza sua saída de banco do Vaticano

Na primeira entrevista desde que foi afastado da comissão que supervisiona o banco do Vaticano, o cardeal dom Odilo Scherer afirmou ontem à Folha que não tinha conhecimento de fraudes ou desvios de dinheiro da Santa Sé.

O arcebispo de São Paulo se disse injustiçado pela associação entre os escândalos financeiros na igreja e as mudanças no IOR (Instituto para as Obras da Religião, nome oficial do banco), determinadas na semana passada pelo papa Francisco.

Segundo dom Odilo, as trocas são "normais" e eram esperadas com a posse de um novo pontífice. Em fevereiro de 2013, ele e outros quatro cardeais haviam sido nomeados pelo papa Bento 16 para novo mandato de cinco anos.

Futuro ministro da Saúde promete deixar consultoria

Arthur Chioro, atual secretário da área em São Bernardo do Campo, avisou a presidente Dilma de que deixará a empresa de consultoria da qual é sócio

Quatro morrem em confrontos com a polícia na Ucrânia

São as primeiras mortes desde novembro, quando começaram os protestos. Os atos    ganharam força após aprovação de lei que prevê multa e prisão para manifestantes

Barbosa critica colegas por não prenderem petista

Em Paris, o presidente do STF criticou seus colegas de corte por não terem mandado prender João Paulo Cunha, condenado no mensalão

Discutir diárias é 'uma tremenda bobagem', diz presidente do STF

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, afirmou ontem em Paris que considera "uma tremenda bobagem" as críticas que sofreu por ter recebido R$ 14,1 mil em diárias para proferir palestras na Europa durante suas férias.

"Eu acho isso uma tremenda bobagem. Nós temos coisas muito mais importantes a tratar. É uma coisa muito pequena. Veja bem, você viaja para representar o seu país, para falar sobre as instituições do Brasil e vocês estão discutindo diárias?", disse, ao sair de uma universidade.

Danos morais:  TJ-RJ mantém condenação de jornalista

A 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio manteve a condenação do jornalista Luiz Carlos Azenha por danos morais ao diretor-geral de Jornalismo e Esporte da Rede Globo, Ali Kamel. A indenização que o jornalista deverá pagar foi, porém, reduzida de R$ 30 mil para R$ 20 mil. Kamel acusa Azenha de "perseguição pessoal" em seu blog. O advogado de Azenha afirmou que vai recorrer ao STF e ao STJ.

 

O ESTADO DE S. PAULO

Barbosa ataca colegas que não decretaram prisão de João Paulo

Sem citar nomes, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, criticou, em Paris, os ministros Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski, que o sucederam no comando interino do Supremo, por não terem assinado o mandado de prisão do deputado e ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP), condenado no processo do mensalão. Barbosa está em férias desde o dia 7. “Se eu estivesse como substituto jamais hesitaria em tomar essa decisão”, disse. Sobre Cármen Lúcia, ele afirmou: “Não sei qual foi a motivação. Ela não me telefonou, não falou comigo”. Para Barbosa, a decisão de prender o deputado poderia ter sido tomada por quem o substituísse: “O que está havendo é uma tremenda personalização de decisões que são coletivas, mas que querem transformar em decisões de Joaquim Barbosa”. Até 21h30, Cármen Lúcia e Lewandowski não haviam comentado as declarações.

60% dos novos médicos de SP são reprovados em exame

Quase 60% dos recém-formados em escolas de Medicina de ão Paulo não atingiram o critério mínimo no exame do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), realizado em novembro. Dos 2.843 participantes que fizeram a prova, 1.684 acertaram menos de 72 das 120 questões. O resultado foi considerado “ridículo” pelo coordenador do exame, Bráulio Luna Filho.

Minha Casa entregou menos para pobres

Programa vitrine do governo PT, o Minha Casa Minha Vida, em sua segunda fase, vem entregando em ritmo mais lento as moradias destinadas à população de baixa renda, onde se concentra o déficit habitacional. O programa conseguiu entregar, até o fim de 2013, 75% das moradias contratadas às famílias de classe média e 15% às com renda de até R$ 1,6 mil.

Protesto por moradias

Manifestantes, liderados pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, reúnem-se ao lado do Estádio do Morumbi para pedir mais moradias. O governo prometeu fazer análise topográfica, necessária para a construção de casas, na ocupação Nova Palestina.

Venezuela muda política cambial

A Venezuela anunciou ontem uma nova política cambial, que representa, na verdade, uma desvalorização disfarçada do bolívar, segundo economistas.

Trens param e Rio vive caos no transporte

Receita arrecada R$ 1,14 trilhão

Com recursos extraordinários, a Receita Federal atingiu o recorde de R$ 1,14 trilhão em arrecadação de tributos. A desoneração custou aos cofres do governo R$ 77 bilhões.

Eugenio Bucci: rolezinho e roleta-russa

Os rolezinhos serão instrumentalizados. Vem complicação por aí, sobretudo porque teremos uma recidiva das manifestações de junho.

Thomas L. Friedman: Wikileaks, seca e Síria

Telegrama do WikiLeaks antecipou brilhantemente como as tensões ambientais, como a estiagem, alimentariam a insurgência na Síria.

 

CORREIO BRAZILIENSE

O milagre

As cenas do atropelamento chocaram o Brasil. Mas João Pedro, 5 anos, e a avó, Vilma, 56, saíram debaixo do carro com ferimentos leves. “Foi Deus que colocou a mão", diz Vilma. O menino, atingido duas vezes pelo veículo, já até brincou de bola. A polícia de Anápolis investiga se o motorista estava em alta velocidade.

O descaso

Depois de duas tragédias em três meses, o governo interditou o viaduto da QNN 5/7, em Ceilândia. O alagamento causou a morte de Manoel Júnior, 20 anos, na terça-feira. Mas o problema era conhecido desde outubro, quando Geovana Oliveira, 3, faleceu no local. GDF reconhece que houve demora nas obras.

O abuso

Crime de trânsito, dano ao patrimônio público e corrupção de menores. Na cadeia, sem direito à fiança, Jonathan Saboia pode pegar até 11 anos de prisão pela noite de irresponsabilidades. Bêbado, ele capotou o carro na Esplanada e quebrou uma vidraça do Congresso. Ainda levava um rapaz de 17 anos no veículo.

Dilma lança manual de repressão padrão Fifa

O governo federal elaborou uma cartilha para controlar protestos e manifestações nos próximos meses. O documento, ainda a ser publicado, autoriza o uso de armas não letais e cria Centros de Comando longe das áreas de conflito. Especialistas veem medidas com ressalvas. Em outra frente, Planalto designou ministros para atuar no imbróglio dos rolezinhos.

Óleo no Paranoá provoca cizânia

O GDF responsabiliza as caldeiras do Palácio do Planalto pelo vazamento de 3,2 mil litros de substância poluente no lago. Após a Secretaria da Presidência responder que a afirmação é precipitada, autoridades locais vão aguardar resultados definitivos. Multa pode chegar a R$ 50 mil.

Ministério vale o adeus à consultoria

Investigado por ser sócio de uma empresa que teve contrato com prefeituras petistas, conforme antecipou o Correio na terça-feira, Artur Chioro deixará os negócios para assumir a Saúde.

Mal-estar à francesa no Supremo

De Paris, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, criticou os colegas por não assinarem o mandado de prisão do deputado João Paulo Cunha (PT-SP). As declarações foram mal recebidas por integrantes do Supremo e pela defesa do petista.

Continuar lendo