Investigados doaram R$ 73 milhões a Dilma e Aécio

Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, UTC, Queiroz Galvão, Engevix e Galvão Engenharia contribuíram para os caixas de campanha da petista e do tucano. Elas são investigadas pelo esquema de lavagem de dinheiro e propinas na Petrobras

Sete das nove empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato foram responsáveis pela doação de R$ 73,5 milhões para as campanhas de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) para a Presidência da República. De acordo com a prestação de contas dos candidatos entregues ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, UTC, Queiroz Galvão, Engevix e Galvão Engenharia, além de suas subsidiárias, contribuíram com a petista e com o tucano. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

 

De acordo com a Folha de S. Paulo, as empresas Iesa e Mendes Júnior, também investigadas na Lava Jato, não contribuíram com nenhum candidato. Entre os dois presidenciáveis, Dilma recebeu a maior fatia das doações: R$ 53,3 milhões, valor equivalente a 15% do total de receitas declaradas. A OAS foi a maior doadora para a campanha da petista. Já Aécio conseguiu R$ 19,2 milhões das sete empreiteiras, sendo que somente a Odebrecht foi responsável por R$ 8 milhões.

As prestações de contas dos candidatos foram entregues à Justiça Eleitoral na terça-feira (25). Aécio terminou sua campanha com uma dívida de R$ 550 mil. O tucano declarou ter arrecadado R$ 222,9 milhões e feito despesas no valor de R$ 223,4 milhões. Esse problema não terá Dilma. Segundo as declarações da campanha petista, o saldo da reeleição foi positivo também nas contas: R$ 261 mil. A equipe de Dilma declarou ter recebido R$ 350,8 milhões e ter gastado R$ 350,5 milhões.

Mais sobre eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!