Internautas tentam ganhar as ruas contra corrupção

Mais de 300 manifestações marcadas pela internet estão previstas para este 7 de setembro em todo o país. Descontentamento com absolvição de Jaqueline Roriz incentiva marcha em Brasília

Fraudes, desvios de verbas públicas, uso de laranjas para destinar dinheiro de emendas parlamentares. O brasileiro já está acostumado a ver diariamente escândalos nos jornais e a reclamar deles também. As redes sociais se tornaram o principal fórum de debate e discussão informal, em que cidadãos indignados despejam suas críticas e trocam informações. Apesar da agitação que certos temas geram nas redes, a mobilização nas ruas ainda não reflete o entusiasmo demonstrado no mundo virtual.

No entanto, a recente absolvição da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) por colegas na Câmara, deu novo impulso às marchas e aos manifestos contra a corrupção marcados para hoje (7), dia em que se comemora a Independência do Brasil. Flagrada em vídeo recebendo dinheiro do delator do escândalo que ficou conhecido como Caixa de Pandora, no ano passado, a parlamentar se livrou da cassação com o aval de 265 deputados, que votaram por sua permanência na Casa. Porém, como o voto foi secreto, não é possível saber quem a defendeu no plenário.

Até o final da tarde de ontem (6), mais de 300 eventos haviam sido convocados em todo o país com o mesmo objetivo: protestar contra a corrupção. Alguns deles contavam com milhares de confirmações. Não há uma pauta definida em comum, mas todos pedem o fim do voto secreto e criticam a absolvição de Jaqueline Roriz. Uma parte apoia a “faxina” que a presidenta Dilma Rousseff começou a fazer nos ministérios e defende a criação da CPI da Corrupção, preterida até o momento pelo governo.

A maioria das manifestações é chamada pelo Facebook. Mas também é possível acompanhar a preparação pelo Orkut e pelo Twitter. Na rede de microblogs, os chamados são feitos por meio de expressões como #todoscontraacorrupcao, #lutopeloBrasil e #setembronegro.

Veja o roteiro das manifestações em Brasília

Cansaço e insatisfação

“Estamos cansados de ver tantos casos e nada acontecer. Se todo mundo se encontra para tomar uma cerveja ou ver os amigos, por que não nos encontrarmos para reivindicar nossos direitos?”, questiona Lucianna Kalil, uma das organizadoras da “Marcha contra a corrupção”, evento divulgado pelo Facebook que já conta com mais de 24 mil confirmações de presença, até o fim da tarde desta terça-feira (6).

A ideia de organizar a marcha surgiu da insatisfação com a proliferação de denúncias contra políticos dos mais diversos partidos. “Antes do acontecimento da Jaqueline Roriz, nós não tínhamos muitas adesões. A gente estava com cerca de 5 mil apoiadores, mas depois da absolvição dela é que deu uma disparada geral mesmo. Ninguém gostou da decisão da Câmara”, conta Lucianna. Apesar do grande número de adeptos na rede social, Lucianna espera que cerca de 10 mil pessoas compareçam ao evento. “Muita gente diz que vai, mas, no fundo, é só para mostrar para os outros. Espero que desta vez as pessoas tenham disposição e participem mesmo”, afirma.

Sem bandeiras partidárias

Sem lideranças pré-estabelecidas, o movimento criado há dois meses define-se como totalmente apartidário e pede que ninguém estampe em bandeiras ou camisetas símbolos de partidos ou políticos. “Nossa ajuda de custo veio apenas de colaboradores. Fizemos tudo no esquema de vaquinha mesmo. Muita gente abraçou a causa e nos ajudou doando materiais e mão-de-obra para confeccionar os cartazes”, afirmou Lucianna.

O intuito dos manifestantes é pedir o fim do voto secreto no Congresso e mais transparência nas ações governamentais. “Só assim para podermos exercer o nosso direito de cidadania que é cobrar dos nossos políticos o que eles prometem. Como a gente vai cobrar se a gente não sabe quem votou a favor ou contra. Então é complicado de exercer a cidadania por debaixo do pano”, ressalta Lucianna.

O publicitário Rafael Vale se inclui entre os que cansaram de ficar parados. Estreante em manifestações políticas, ele conta que decidiu participar por não aguentar mais ver o marasmo das pessoas diante das denúncias. “Eu já questionava se só eu estava indignado com a situação. Como não via muita mobilização, não tinha me interessado ainda em participar. Mas esse convite que recebi no Facebook me chamou muito a atenção e decidi participar. Os caras pintadas conseguiram o impeachment. Nós também podemos conseguir alguma coisa”, afirmou.

Mobilização virtual

Apesar do entusiasmo com as mobilizações marcadas para este feriado, o funcionário público e bacharel em Relações Internacionais André Dutra ainda é cético em relação à disposição dos cidadãos em mudar algo na política. “A internet é a melhor ferramenta de mobilização que existe, mas ainda é preciso ter um propósito final de conscientização”, afirma.

Para André, a reivindicação dos direitos sociais e o combate à corrupção devem ser feitos diariamente. “Tem que ser algo constante, para pressionar os governantes. Temos que aprender com os outros países. O Chile, por exemplo, está parado há quase dois meses”, disse André, que organizou o protesto intitulado “A corrupção nas prioridades”, que critica o montante investido em estádios e viadutos enquanto a saúde no Distrito Federal está com problemas. O protesto que aconteceu anteontem à tarde contava com 76 adesões em sua página no Facebook, porém apenas uma pessoa compareceu. “Sei que é difícil comparecer durante a semana ou às vezes até nos finais de semana, mas acho que é um esforço válido. Mas as pessoas são muito cômodas, esperam que os outros façam alguma coisa por elas”, afirmou.

Ficha Limpa

Também nesta quarta-feira, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) pretende intensificar a coleta virtual de assinaturas para pedir à presidenta Dilma Rousseff que indique ao Supremo Tribunal Federal (STF) um ministro favorável à aplicação da Lei da Ficha Limpa a partir das eleições de 2012. O movimento é responsável pela coleta de assinaturas que permitiu a apresentação do projeto de lei de iniciativa popular que resultou na norma que proíbe a candidatura de políticos com condenações em órgãos colegiados ou que renunciaram ao mandato para escapar da cassação.

"A presidente Dilma se comprometeu em lutar contra a corrupção. Vamos fazer deste dia 7 de setembro o Dia da Independência da Corrupção", defende a carta. Em apenas dez horas, mais de 50 mil pessoas assinaram a petição nesta quarta-feira. Quem quiser apoiar a iniciativa, pode assinar virtualmente AQUI.

Excluídos

Sem o apelo da internet, outra manifestação ganhará as ruas de Brasília. É a nova edição do chamado Grito dos Excluídos, promovido há 17 anos em todo o país, sempre no Dia da Independência. Organizado pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em parceria com movimentos sociais, tem como lema este ano “Pela vida, grita a terra... Por direitos, todos nós”.

De acordo com os organizadores, são três os objetivos da mobilização nacional: "Denunciar o modelo político e econômico que concentra riquezas e condena milhões de pessoas à exclusão social; tornar público, nas ruas e praças, o rosto desfigurado dos grupos excluídos, vítimas do desemprego, da miséria e da fome; e por último, propor caminhos alternativos ao modelo econômico neoliberal, de forma a desenvolver uma política de inclusão social".

Câmara absolve Jaqueline Roriz

Movimento faz abaixo-assinado por Ficha Limpa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!