Íntegra da nota de Renan sobre a denúncia da PGR

“A denúncia do Procurador-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (...) padece de suspeição e possui natureza nitidamente política”

Veja a nota da assessoria de Renan Calheiros (PMDB-AL) sobre a denúncia da Procuradoria Geral da República no caso dos bois de Alagoas. No início do texto, o senador também rebateu conversas envolvendo um servidor nos autos da Operação Navalha, caso relembrado pela revista Época neste fim de semana.

A íntegra da nota

Maceió (AL), 26 de janeiro de 2013.

NOTA À IMPRENSA

A matéria divulgada na edição da revista Época desta semana deforma a verdade, repetindo vazias e antigas denúncias.  É, no jargão jornalístico, matéria requentada. O teor da conversa envolvendo o servidor Everaldo França Ferro, já divulgado em 2007, não contém indicação de práticas impróprias e nem sequer foi valorizado pelo Ministério Público no inquérito da chamada Operação Navalha. O senhor Adeilson Bezerra não é nem foi assessor do Senador Renan Calheiros ou foi por ele indicado a qualquer cargo no governo de Alagoas.

O Senador Renan Calheiros jamais foi investigado na Operação Navalha, conforme declarações, em 2007, da relatora do processo no Superior Tribunal de Justiça, Ministra Eliana Calmon, e do então Procurador-Geral da República, Doutor Antônio Fernando.

Sobre a denúncia do Procurador-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal, noticiada hoje, é preciso observar que ela padece de suspeição e possui natureza nitidamente política. O inquérito é de agosto de 2007 e, apesar de se encontrar parado na Procuradoria da República desde fevereiro de 2011, a denúncia foi protocolada exatamente na sexta-feira anterior à eleição para a Presidência do Senado Federal. Trata-se de atitude totalmente incompatível com o habitual cuidado do Ministério Público no exercício de suas nobres funções.

É importante reiterar que foi o próprio Senador Renan Calheiros que solicitou as investigações ao Ministério Público e à Receita Federal. Ele mesmo forneceu espontaneamente os documentos - todos verdadeiros – além dos sigilos bancário, fiscal e telefônico. É o maior interessado nessa questão. O Senador Renan Calheiros lamenta a injustificável demora e agora a acusação, já julgada pelo Senado Federal, também será apreciada pelo Supremo Tribunal Federal, num ambiente de imparcialidade.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Gurgel denuncia Renan no caso dos bois de Alagoas

Em nota, Renan admite oficialmente que é candidato pela primeira vez

Tudo sobre eleição da Mesa

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!