ICMS é arcaico e atrapalha setor produtivo, diz Mantega

Em audiência no Senado, ministro da Fazenda afirma que unificação da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços representa "70% da reforma tributária"

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quinta-feira (21) no Senado que o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) está entre os tributos “arcaicos” praticados no país, e é um dos motivos da chamada “guerra dos portos”, consequência da disputa comercial entre estados. A declaração do ministro é dada justamente no momento em que o Parlamento discute uma das principais questões do pacto federativo: a revisão da alíquota de ICMS, unificando-a em 4% – a taxa varia atualmente entre 7% e 12% de estado para estado, conforme suas peculiaridades econômicas.

Segundo o ministro, o setor produtivo avalia que o ICMS é o tributo “que mais atrapalha a produção”. “Temos tributos arcaicos, que já cumpriram seu papel. Que eram adequados no passado, mas não são mais. O ICMS é hoje o tributo que mais atrapalha, dificulta a produção. É complicado. É chegado o momento de substituir a guerra fiscal por outro instrumento mais eficiente, para garantir o crescimento dos estados”, disse Mantega, em audiência pública conjunta das comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Serviços de Infraestrutura (CI), em curso no Senado. “Além disso, é um imposto de muita heterogeneidade, já que existem 27 regimes [estados e Distritos Federais] de ICMS.”

A despeito da crítica ao tributo, Mantega disse que ele é uma solução inicial para acabar com a guerra fiscal, provocada por estados que enfrentam perdas de receita decorrentes de empreendimentos e movimentações financeiras. Nesse sentido, senadores analisam e buscam entendimentos sobre os termos da Medida Provisória 599/2012, que cria dois fundos para repor perdas, e o Projeto de Resolução 1/2013, que define a alíquota do ICMS em 4%. Um relatório final sobre esta proposição, sob responsabilidade do senador Delcídio Amaral (PT-MS), deve ser apresentado na CAE em 16 de abril.

Ao citar as 27 incidências de ICMS, Mantega faz menção à disputa judicial, no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF), entre os estados mais ricos contra aqueles que oferecem condições tributárias mais favoráveis para atrair investidores. O entes federados têm feito críticas à incapacidade do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários de Fazenda, em mediar tais situações.

“Vivemos incerteza jurídica por causa da guerra fiscal no Supremo. Se teve utilidade algum dia, hoje a guerra fiscal deixa de ter utilidade para os estados que a praticam, porque leva a um grande conflito no Judiciário. E as perspectivas não são boas – deixar isso ser resolvido no STF não é uma boa coisa, porque o Supremo tende a invalidar tudo o que foi feito, o que traria sérios prejuízos”, acrescentou o ministro, para quem a unificação do ICMS em 4% é “70%” da reforma tributária adequada para a economia brasileira.

Veja ainda:

Governadores criticam União e cobram mais recursos
Sem consenso, unificação do ICMS vai a voto no dia 26
Governadores definem quatro propostas de pacto federativo
Sem acordo, Senado busca novo rateio para estados
FPE mantém disputa entre estados no Senado
Walter Pinheiro: habemus FPE

Tudo sobre pacto federativo

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!