Família de Geddel representa prédio em ação contra Iphan, mostra a Folha

De acordo com reportagem, um primo e um sobrinho do ministro da Secretaria de Governo atuam como representantes do empreendimento La Vue junto ao Iphan. O prédio é pivô da mais recente crise política do governo

Um primo e um sobrinho do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), atuam como representantes do empreendimento La Vue junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A informação é da Folha de S.Paulo.  O prédio está no centro da crise instalada no governo no último fim de semana, quando o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero denunciou ter sofrido pressão de Geddel para que o Iphan liberasse a construção do edifício em uma área nobre de Salvador, próxima a edificações tombadas. Geddel é proprietário de um imóvel no 23º andar.

A reportagem mostra que as relações do ministro com o empreendimento são maiores. Em um documento anexado no processo administrativo que tramitou junto ao Iphan, a Porto Ladeira da Barra Empreendimento, empresa responsável pelo La Vue, nomeou como procuradores os advogados Igor Andrade Costa, Jayme Vieira Lima Filho e o estagiário Afrísio Vieira Lima Neto.

Jayme é primo de Geddel e sócio dele no restaurante Al Mare, em Salvador. Afrísio é filho do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel. Igor é sócio de Jayme num escritório de advocacia. A procuração foi assinada cinco dias após a posse do articulador político do presidente Michel Temer. Semanas antes, ainda no governo Dilma, o Iphan havia embargado a obra por considerar que ela afetaria monumentos históricos como o Forte de São Diogo e a Igreja de Santo Antônio da Barra.

A construção do La Vue foi autorizada em 2014 depois de um parecer do então coordenador-técnico do Iphan na Bahia, Bruno Tavares. A decisão dele, no entanto, foi considerada apenas um estudo interno sem valor legal. Em junho deste ano, já na gestão de Temer, Tavares foi conduzido à direção regional do Iphan na Bahia.

Igor Andrade Costa afirmou à Folha que foi o único advogado da Vieira Lima Filho Associados a atuar no processo junto ao Iphan. Segundo ele, os nomes do primo e do sobrinho de Geddel constam na procuração porque, "segundo o Código de Processo Civil, todos precisam ser listados no processo". O advogado nega interferência do ministro no caso e diz que sequer o conhece pessoalmente nem sabia que ele tinha comprado um imóvel no prédio. De acordo com ele, o processo agora está aos cuidados de um escritório de Brasília. "Não tenho nada a ver com isso. Isso é um assunto do Jayme Vieira Lima, que é um profissional liberal", afirmou Geddel.

Ontem lideranças da base aliada fizeram um ato de desagravo ao ministro, que é investigado na Comissão de Ética. Lideranças da oposição pedem a demissão de Geddel por tráfico de influência e advocacia administrativa. Mas o presidente Michel Temer já avisou que não pretende demiti-lo. Geddel alega que não fez pressão, apenas pediu cuidado a Calero com o prédio – não por interesse pessoal, mas por estar preocupado com a geração de empregos na cidade.

Leia a íntegra da reportagem da Folha de S.Paulo

Mais sobre Geddel Vieira Lima

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!