Fachin diz que PF não está autorizada a tomar depoimento de Temer

De acordo com os advogados, uma escrivã da PF entrou em contato com a banca de advogados nesta manhã para saber quando Temer poderia depor

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, responsável pela Operação Lava Jato na Corte, afirmou nesta quarta-feira (22) que a única diligência autorizada no inquérito sobre o presidente Michel Temer (PMDB) foi a perícia no áudio entregue pelo empresário Joesley Batista à Procuradoria-Geral da República (PGR). Na prática, a decisão impede a Polícia Federal (PF) de tomar imediatamente o depoimento do presidente até que o ministro decida sobre a oitiva.

A decisão de Fachin foi motivada por uma petição protocolada pela defesa de Temer. Nesta tarde, a defesa do presidente recorreu para suspender a tentativa da Polícia Federal (PF) de tomar o depoimento de Temer. De acordo com os advogados, uma escrivã da PF entrou em contato com a banca de advogados nesta manhã para saber quando Temer poderia depor.

Os advogados sustentam que Temer não poderia prestar depoimento porque ainda não estava pronta a perícia que está sendo realizada pela própria PF no áudio no qual o empresário Joesley Batista, dono da JBS, gravou uma conversa com o presidente e pediram que, se o presidente for interrogado, o ato deverá ser presidido pelo ministro. O presidente Michel Temer é investigado em inquérito aberto pelo tribunal por corrupção, obstrução da Justiça e organização criminosa.

“Pede-se vênia, ainda, para reiterar que, se o presidente da República for ouvido, deverá sê-lo em ato presidido por Vossa Excelência ou responder por escrito quesitos adredemente [previamente] elaborados”, argumentam os advogados.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Os áudios em que Temer avaliza compra do silêncio de Cunha e procurador infiltrado na Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!