Estadão: Pacto livra Lula, filho e aliados de convocação em CPIs

De acordo com reportagem do jornal, blindagem a ex-presidente petista e aliados é resultado de um acordo de não agressão entre petistas e peemedebistas

Aliados do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atuaram em conjunto para rejeitar requerimento de convocação do ex-presidente Lula, de seu filho e ex-ministros de seu governo, de acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. A publicação também informa que a ação coordenada ocorreu uma semana após o ex-presidente pedir para o PT poupar críticas em relação a Cunha, o que ocorreu em reunião do Diretório Nacional do partido, em Brasília.

Fontes ouvidas pelo jornal disseram que a blindagem a Lula foi combinada em reuniões conduzidas por ele e por petistas de confiança com aliados dos presidentes das Casas legislativas ao longo das últimas três semanas. Os grupos de peemedebistas e petistas firmaram um acordo de não agressão mútua. Dessa forma, um ficaria na retaguarda do outro no que diz respeito aos interesses dos partidos e de políticos investigados na Operação Lava Jato.

A reportagem ainda afirma que, em razão de ataques do PT ao presidente da Câmara, Lula tem temido que o peemedebista revide e atinja as votações de interesse do governo nos plenários das Casas. O ex-presidente também defendeu que os ataques podem resultar em abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma. Com isso, Cunha tentaria obter apoio de petistas no Conselho de Ética, onde tramita processo de cassação do peemedebista fluminense.

Nesta quinta-feira (5), a base governista que compõe a CPI do Carf conseguiu rejeitar a convocação do filho caçula do ex-presidente, Luís Cláudio Lula da Silva. Ele é proprietário de empresa que aparece nas investigações da Operação Zelotes, que apura esquema de venda de sentenças no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) – órgão subordinado ao Ministério da Fazenda que tem o papel de julgar, administrativamente, multas aplicadas pela Receita Federal.

Também foram recusados os requerimentos que convocariam a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, e o ex-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência, Gilberto Carvalho. Além deles, a convocação do ex-ministro Antonio Palocci também foi rejeitada na CPI do BNDES. O último é suspeito de ter movimentado R$ 216 milhões após atuar como consultor de empresas que celebraram contratos com a instituição financeira.

Confira íntegra da reportagem

Mais sobre Lula

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!