Em grampo, Perillo marca jantar com Cachoeira

Depois do encontro, a quadrilha tentou entregar uma caixa de dinheiro no palácio de governo de Goiás, diz PF. Segundo os investigadores, o governador tucano mandava recados para o bicheiro por meio de Demóstenes. A assessoria de Marconi nega

Desde que viu seu nome envolvido nas investigações da Polícia Federal sobre o esquema de Carlinhos Cachoeira, o governador de Goiás, Marconi Perillo, nega ter relações com o bicheiro. Não é, porém, o que constatou a Operação Monte Carlo, da PF. Um diálogo detectado pela PF revela que o próprio Marconi tomou a iniciativa de ligar para o contraventor, com o objetivo de parabenizá-lo pela passagem de seu aniversário. Na conversa, os dois marcam um encontro, mais especificamente um jantar. De acordo com a PF, na reunião, eles “teriam tratado de assuntos de interesses do grupo político de Cachoeira”. Um mês depois dessa reunião, apontam as investigações, a quadrilha tentou entregar uma caixa de dinheiro no Palácio das Esmeraldas, a sede do governo goiano.

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco
Tudo sobre o caso Cachoeira

A conversa entre Marconi e Cachoeira aconteceu às 20h48 da terça-feira, 3 de maio de 2011. Era aniversário de Cachoeira, que fazia 48 anos. Perillo liga para o bicheiro para parabenizá-lo, chamando-o primeiramente de “Liderança”. E ainda reclama por não ter sido convidado para a festa de aniversário: “Rapaz, faz festa e não chama os amigos?”, pergunta o governador.

Segundo a Polícia Federal, um dos intermediários entre Perillo e Cachoeira era o então presidente do Detran de Goiás, Edivaldo Cardoso. O inquérito acrescenta que o Detran, inclusive, estaria na "cota política" de Cachoeira dentro do governo de Goiás. Na sequência da conversa, então, Perillo diz que vai conversar com Edival para marcar um encontro com Cachoeira. “Eu vou falar com o Edival pra gente marcar uma conversa, tá?”, diz o tucano. Carlinhos afirma estar esperando e, de pronto, o governador define a data, que coincide com um jantar na casa do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO).

CARLINHOS: Exatamente. Tô esperando, viu?
PERILLO: Já tá marcado. Quinta-feira, não tem?
CARLINHOS: É, quinta-feira. O SENADOR me ligou, tá? Obrigado pela lembrança.
PERILLO: Tá bom. Um abraço, tchau.

Na quinta-feira seguinte, dia 5, houve de fato o encontro entre Perillo, Cachoeira e Cardoso na casa de Demóstenes, segundo a PF. A assessoria do governador confirmou ao Congresso em Foco que houve um jantar na casa do senador, mas que Perillo não se recorda a data. Ainda que possa parecer um comportamento estranho entre dois pessoas que não teriam intimidade, conforme a versão de Perillo, os auxiliares do tucano disseram que o governador falava em tom de brincadeira com o bicheiro quando cobrou não ser convidado para a festa de aniversário, e que é normal Perillo telefonar para "pessoas do Brasil inteiro" desejando feliz aniversário, prática que ele faz 40 vezes por dia.

Caixa de dinheiro

Mais grave, segundo a investigação da PF, é a sequência após o jantar. Segundo a investigação, um mês depois, a organização criminosa de Cachoeira tentou enviar uma pacote de dinheiro para dentro do Palácio das Esmeraldas, sede do governo de Goiás. Entretanto, o receptor do dinheiro não estava presente para receber a encomenda.

“Há a indicação de que teria havido uma tentativa de entrega de uma quantia substancial de valores (acondicionado em uma caixa de computador) a uma pessoa chamada LÚCIO, que trabalharia no PALÃCIO DAS ESMERALDAS, sede do GOVERNO DE GOIÃS, no dia 10/06/2011, o que não se concretizou pelo fato de LÚCIO não estar presente.”

Recados

No inquérito 3430, que se encontra no Supremo Tribunal Federal, a PF relata diversos diálogos citando Perillo. Por eles, interpreta que o governador e o bicheiro têm “intimidade”. “Há diversos áudios que indicam o envio de recados, tanto da parte do GOVERNADOR para CARLINHOS, quanto o inverso”, afirmam os investigadores.

Os emissários dos recados eram Demóstenes, Cardoso e o ex-vereador Wladimir Garcez. A assessoria de Perillo afirmou ao site que ele nunca mandou ou recebeu recados do bicheiro, com qualquer intermediário que seja.

A postura do governador de Goiás é criticada pela PF, mas os investigadores não enxergam, pelos dados levantados, a certeza de que Perillo esteja envolvido com práticas criminosas, mas acham que os elementos já revelam a existência de uma convivência pouco ética entre ele e Cachoeira. “(...) considerando critérios éticos, o GOVERNADOR é passível de censura especialmente por manter amizade com pessoa que já foi alvo de escândalo de âmbito nacional e cuja atuação no ramo de exploração ilegal de jogos de azar não é nenhum segredo no Estado de Goiás”, afirma a PF.

A íntegra do diálogo

03/05/201120:48:12
RESUMO
MARCONI parabeniza CARLINHOS por seu aniversário e confirma jantar entre eles.

DIÁLOGO
CARLINHOS: oi.

HNI: CARLOS?

CARLINHOS: é.

HNI: um momento. por favor, que o GOVERNADOR MARCONI vai falar.

MARCONI: liderança .

CARLINHOS: fala amigo, tudo bem?

MARCONI: rapaz, faz festa e não chama os amigos?

CARLINHOS: o que é que isso.

MARCONI: parabéns.

CARLINHOS: tudo bem? Obrigado pela lembrança, viu, GOVERNADOR.

MARCONI: ... que Deus continue te abençoando aí, te dando saúde, sorte.

CARLINHOS: amém, muito obrigado, viu?

MARCONI: um grande abraço pra você, viu?

CARLlNHOS; obrigado. aí, viu?

MARCONI: eu vou falar com o EDIVALDO pra gente marcar uma conversa, tá?

CARLINHOS: exatamente. Tô esperando, viu?

MARCONI: já tá marcado. quinta-feira, não tem?

CARLINHOS: é, quinta-feira. O SENADOR me ligou, tá? Obrigado pela lernbrança.

MARCONI: tá bom. Um abraço, tchau.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo