Em carta, lobista diz ter ligação com Lula para facilitar negócio

No documento apreendido pela PF na Operação Zelotes, Mauro Marcondes diz que pode ajudar empresa devido à sua "ligação" com o ex-presidente da República e vários ministros

O lobista Mauro Marcondes Machado, preso em Brasília desde outubro do ano passado, teria usado sua suposta proximidade com o ex-presidente Lula para fazer negócios. É o que aponta uma carta apreendida pela Polícia Federal na Operação Zelotes, obtida pelo jornal O Estado de S. Paulo.

No documento enviado em 2008 ao ex-presidente da Scania para a América Latira, Sven Harald Antonsson, Marcondes diz que pode colaborar com a empresa, dada a sua “ligação com o presidente da República, vários ministros de Estado e instituições ligadas à indústria”. A carta foi encaminhada quando Sven assumiu a presidência da companhia, e tinha como objetivo manifestar o interesse de Marcondes – então representante da empresa em entidades do segmento veicular – em permanecer na mesma função ou assumir cargos de direção.

“Com a sua vinda para o Brasil, assumindo a presidência da Scania, com a atual situação de crise que estamos vivendo, não me sinto bem em deixar a cia. (companhia). Principalmente neste momento em que tenho convicção que posso ajudar muito a empresa e o setor, em função da minha ligação com o presidente da República, vários ministros de Estado e as instituições ligadas à indústria”

Mauro Marcondes atuava como lobista de montadoras e responde a uma ação penal por participação em esquema de lobby e corrupção. Seu objetivo era viabilizar a edição, pelo governo, e a aprovação, pelo Congresso, de medidas provisórias de interesse do setor automotivo.

Leia a reportagem completa em O Estado de S. Paulo

Mais sobre Operação Zelotes

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!