DF raciona água por causa da falta de chuva e do aumento do uso

Ao todo, sete regiões do Distrito Federal estão com o abastecimento suspenso pela Companhia de Abastecimento de Brasília. O objetivo, segundo o governo é “preservar os níveis de reservação e evitar falta de água em maior proporção”

 

Brasília ferve. Enquanto os meteorologistas registram recordes de temperatura – 34,2ºC na quarta-feira (14) – e umidade abaixo dos 15%, os moradores sofrem com o racionamento de água. Em sete regiões do DF foi suspenso o abastecimento. Segundo a Companhia de Abastecimento do Distrito Federal (Caesb), o objetivo é “preservar os níveis de reservação e evitar falta de água em maior proporção”. Foram afetados: Jardim Botânico, São Sebastião, Brazlândia, Sobradinho, Sobradinho II e Planaltina.

Em função do longo período de seca no Distrito Federal, dos baixos níveis das captações e do aumento do consumo água, em função das altas temperaturas, a Caesb precisou fechar, como medida temporária, o abastecimento em algumas regiões para preservar os níveis das reservas e evitar falta de água em maior proporção.

Gabriel Pontes/Congresso em Foco
Segundo a Caesb, os níveis dos reservatório está "bastante baixo" e a situação é "crítica". No Distrito Federal, os principais reservatório são o do Descoberto, com cerca de 41% de sua capacidade; o de Santa Maria, com aproximadamente 52% de sua capacidade, além de outras fontes menores. A crise, como antecipou a Revista Congresso em Foco.

A situação do DF é realmente preocupante. Em março, no último registro de período chuvoso na capital, choveu 90% a menos do que o mesmo período do ano passado. De acordo com a Agência Reguladora das Águas do Distrito Federal (Adasa), "os níveis dos reservatórios estão caindo abruptamente, quase um ponto a cada dia e a população precisa, em caráter de urgência, se conscientizar e frear o uso da água potável".

Coincidentemente, Brasília sediará em março de 2018 a 8ª edição do Fórum Mundial da Água, o mais importante evento internacional sobre o tema. Holofotes do mundo inteiro estarão voltados em 2018 para a cidade, que venceu a acirrada disputa contra Copenhague, capital dinamarquesa ícone da sustentabilidade. Porém, enquanto se prepara para receber 30 mil pessoas, entre cientistas, autoridades, ativistas, empresários e pesquisadores de cerca de 70 países, o Distrito Federal luta para que a população, com cerca de três milhões de habitantes, não sofra com a falta d'água.

Segundo levantamento do Ministério das Cidades, o DF é a quinta unidade da federação em gasto médio de água por pessoa: um morador do Distrito Federal consome 189,91 litros de água por dia, quase o dobro da média recomendada pela OMS. O Rio de Janeiro encabeça a lista com 253,08 litros/dia, seguido do Maranhão (230,80 litros/dia), do Amapá (194,88 litros por dia) e do Espírito Santo (191,14 litros/dia).

Mudança de hábito

Para evitar a repetição das graves consequências políticas da crise da água em São Paulo – a maior da história do país –, o Governo do Distrito Federal (GDF) aposta em campanhas educativas e em medidas para diminuição de perdas no sistema.

Para reforçar o sistema hídrico está sendo construída, em parceria com o estado de Goiás, o reservatório de Corumbá IV, que deve começar a funcionar em 2018. Ainda complementarão a estrutura, a reserva do Paranoá (em fase de licitação) e o sistema de captação Bananal, cujas obras vão começar na semana que vem e devem ser concluídas no final de 2017.

Dicas para economizar água

- Quando for tomar banho, feche o chuveiro enquanto se ensaboa, com essa simples ação você pode diminuir o consumo de 180 para 48 litros em cada banho.

- Feche a torneira quando estiver escovando os dentes ou fazendo a barba. Só abra quando for usar. Uma torneira aberta por 5 minutos desperdiça 80 litros de água. Um copo de água é suficiente para escovar os dentes e enxaguar a boca.

- Ao lavar a louça, não deixe a torneira aberta, isso pode mandar para o ralo até 105 litros de água. Deixe pratos e talheres de molho antes de lavá-los. Já para quem tem máquina de lavar louça, use-a apenas quando estiver cheia.

- Procure não apertar a descarga mais de uma vez, além disso não jogue papel, lixo ou alimentos no vaso.

- Lembre-se que lavar seu automóvel com mangueira pode consumir até 600 litros de água: portanto, é melhor lavar utilizando balde. Outra dica para otimizar o consumo é usar a água da sobra da máquina de lavar.

- Para evitar o desperdício na hora de lavar a roupa, não deixe a torneira aberta enquanto ensaboa as peças e deixe a roupa suja de molho para a sujeira grossa sair. A máquina de lavar, por sua vez, deve ser ligada apenas quando estiver cheia. E você ainda pode utilizar as sobras para limpas o carro, quintal e /ou calçadas.

- Em vez da mangueira que causa um desperdício enorme de água, use vassoura e balde para lavar pátios e quintais. Uma mangueira aberta por 30 minutos libera cerca de 560 litros de água. Reaproveite a água da sua máquina de lavar para lavar a calçada.

- Utilize uma bacia e uma escova vegetal para remover a sujeira dos alimentos, evitando, assim, desperdiçar água na torneira.

- Cheque vazamentos em canos e não deixe torneiras pingando. Um gotejamento simples, pode gastar cerca de 105 litros de água por dia.

- Saber ler o hidrômetro é muito simples e pode ajudar a detectar problemas como vazamentos, percebidos pelo consumo fora do normal.

Mais sobre Distrito Federal

Mais sobre meio ambiente

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!