Deputadas e senadoras protestam contra cultura do estupro

Parlamentares fizeram caminhada da Câmara para o Senado entoando palavras de ordem e pedindo o fim da cultura do estupro. Senadores devem votar hoje aumento de pena para estupro coletivo

Um grupo de deputadas e senadoras da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher fez uma manifestação pelo fim da cultura do estupro no Congresso Nacional na tarde desta terça-feira (31). As parlamentares foram acompanhadas de representantes de entidades de mulheres empresárias e trabalhadoras do campo.

Entoando palavras de ordem e placas com os dizeres "mexeu com uma, mexeu com todas" e "a culpa nunca é da vítima", as mulheres foram do Salão Verde da Câmara para o Salão Azul do Senado. O protesto lembrava também o caso do estupro coletivo de uma menina de 16 anos no Rio de Janeiro, na semana passada.

Leia mais:
“Gritos” contra estupro coletivo se multiplicam na rede e nas ruas

Na Câmara, o grupo foi ao plenário e ouviu o discurso da deputada Luiza Erundina (Psol-SP). Já no Senado, foram impedidas de entrar no plenário por ordem do presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL). Mesmo com o pedido das senadoras presentes, Renan avaliou que não seria adequado a entrada do grupo no plenário.

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) destacou que a intenção era fazer o Senado “abraçar” a causa das mulheres e que o Senado Federal perdeu a oportunidade de se comprometer com o apoio a luta de combate à violência contra a mulher ao impedir a entrada das mulheres para se manifestarem diante dos senadores.

Já o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) ressaltou que o posicionamento do Senado deveria ser com relação à aprovação de matérias que dizem respeito à luta das mulheres e criticou o uso de megafones por parte das parlamentares.

Está na pauta do Senado desta terça-feira um projeto que aumenta a pena para estupro coletivo. Segundo Renan, a proposta seria uma “reposta” dos parlamentares ao crime ocorrido no Rio de Janeiro. O projeto é de autoria da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e aumenta a pena em um terço se o estupro for cometido por duas ou mais pessoas. A matéria estava na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas foi adiantada para votação direta em Plenário.

Mais sobre Direitos Humanos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!