Cunha nomeia aliados para manipular CCJ

Presidente afastado manda líder do PR trocar deputados para tentar alterar regra que pode livrá-lo da cassação. Substituído na Comissão de Constituição e Justiça, deputado promete exigir retorno ao colegiado. Assista ao vídeo

Lula Marques/Agência PT
O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), continua manipulando seus aliados na Casa para tentar escapar da cassação. A manobra desta quarta-feira (8) envolveu a substituição de dois deputados do PR na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para garantir votos que permitam a aprovação de uma alteração regimental. A mudança prevê proibir o plenário de aprovar uma punição mais dura que a proposta no relatório alternativo apresentado no Conselho de Ética e que pede apenas a suspensão de três meses para Cunha.

O líder do Partido da República, Aelton Freitas (MG), atendeu a uma ordem de Cunha e substituiu dois titulares da Comissão de Constituição e Justiça que tinham revelado voto contra a aprovação da mudança no regimento que favorece Cunha. Sem qualquer aviso prévio, na manhã desta quarta-feira o líder do PR substituiu os deputados Jorginho Mello (SC) e Paulo Feijó (RJ) na CCJ. Os dois foram trocados, respectivamente, por Laerte Bessa (PR-DF) e Wellington Roberto (PR-PB), dois conhecidos defensores de Cunha.

Bessa e Wellington, suplentes na CCJ, recebem ordens de Cunha. E já declararam apoio à mudança no regimento que favorece o presidente afastado. A dupla de parlamentares também faz parte do Conselho de Ética, onde frequentemente se envolvem com bate boca, xingamentos e ameaças nas discussões no colegiado para defender o peemedebista.

No Conselho de ética, Cunha determinou a substituição de 14 deputados para tentar se beneficiar. Cunha também encontrou até um dos seus liderados, João Carlos Bacelar (PSD-BA), que apresentou relatório alternativo que substitui o pedido de cassação feito pelo relator do caso no Conselho de Ética por suspensão do mandato por três meses.

Protestos

Os deputados Jorginho Mello e Feijó denunciaram a manobra. Mas nada podem fazer porque o regimento da Câmara prevê que o líder pode substituir os membros da bancada em qualquer comissão permanente a qualquer tempo. Mesmo sem combinar com os colegas. “A minha substituição foi uma vergonha. Serve apenas para tentar beneficiar o deputado Eduardo Cunha e livrá-lo de punição”, disse Mello (veja o depoimento feito em vídeo para o Congresso em Foco). O deputado Paulo Feijó também denunciou a manobra.

Veja o vídeo abaixo:

 

Deputados de outros partidos também estranharam a troca de membros da CCJ. “Nunca vi uma situação como essa. Há algo lá e nós sabemos o que é e cheira mal”, disse o deputado Experidião Amin (PP-SC). O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) também protestou. “O plenário tem que decidir de forma soberana”, disse. Em discurso no plenário, o deputado Julio Delgado (PSB-MG) previu a desmoralização da Câmara se esta manobra for feita.

A consulta à CCJ sobre a mudança o regimento foi feita pelo presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), e o relator escolhido foi Arthur Lyra (PSC-AL). Os dois são aliados de Cunha e seguem suas ordens. O presidente da comissão, Osmar Serraglio (PMDB-PR), também aliado de Cunha e indicado por ele para o cargo, facilitou a apresentação da consulta e nomeou Lyra, escolhido pelo presidente suspenso, como relator.

A elaboração do parecer prevendo a mudança no regimento da Câmara e apresentado por Lyra foi elaborado no gabinete da liderança do Solidariedade, partido dirigido por Paulo Pereira da Silva (SDD-SP), e um dos generais de Cunha na Casa. A reunião da CCJ foi suspensa e não há outra reunião prevista. A cassação ou não de Eduardo Cunha passou a ser, cinco meses depois, em dois colegiados da Câmara. No conselho de ética, Cunha determinou a substituição de 14 deputados para tentar se beneficiar.

Nesta terça-feira (07) Cunha determinou que a deputada Tia Eron (PR-BA), se ausentasse do Conselho de Ética para que o depurado Carlos Marun (PMDB-ES) a substituísse e tentasse aprovar punição mais branda a Cunha no colegiado. Além de Cunha, a deputada foi orientada a desaparecer do conselho pelo presidente do PR, Marcos Pereira, que também é ministro do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior.

 

Mais sobre Conselho de Ética

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!