CPMI reconvoca Carlinhos Cachoeira para 22 de maio

A Comissão também resolveu liberar os documentos das operações da PF aos advogados do bicheiro. Eles, porém, terão de se submeter às mesmas limitações de acesso impostas aos deputados e senadores

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira aprovou nesta terça-feira (15) uma nova convocação do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para prestar depoimento. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) liberando o contraventor de comparecer à comissão, os integrantes estipularam a nova data para daqui uma semana, em 22 de maio.

 

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

O depoimento de Cachoeira estava marcado para hoje. No entanto, o advogado do bicheiro, o ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos, entrou com um pedido de habeas corpus no STF na sexta-feira (11). Ele argumentava que Cachoeira não poderia comparecer à CPMI enquanto a defesa não tivesse acesso a todos os documentos sigilosos das operações Vegas e Monte Carlo. O ministro Celso de Mello aceitou os argumentos de Thomaz Bastos.

Durante a sessão de hoje da CPMI, ainda em andamento, os integrantes tomaram duas decisões para reagir à decisão do ministro Celso de Mello. Primeiro, decidiram entrar com um agravo regimental no STF contestando a decisão. Além disso, os advogados de Cachoeira terão acesso à secretaria da comissão "nos mesmos moldes ao franqueado aos parlamentares". Ou seja, somente dentro da sala apelidada de "bat-caverna", onde os documentos estão guardados, e por tempo limitado. Da mesma forma, não poderão fotografar ou copiar a documentação.

As propostas foram aprovadas quase por unanimidade. Apenas o deputado Silvio Costa (PTB-PE) se colocou contrário ao acesso dos advogados às informações em posse da CPMI. Para o petebista, a defesa de Cachoeira não teve tempo para analisar o conteúdo dos inquéritos e adotou uma tática para postergar o depoimento. "É a primeira vitória de Cachoeira nesta CPI", disparou.

Leia também:

Temos de investigar deputados, diz senador da CPI
Com ausência de Cachoeira, procuradores poderão depor

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!