Escolha dentro do Planalto revoltou deputados e impôs derrota ao governo

Reuniões do líder do PMDB na Câmara com a cúpula do governo irritou parlamentares insatisfeitos da base aliada. Composição da comissão que vai processar Dilma é majoritariamente de oposição, mas está suspensa pelo STF

A excessiva interferência do Planalto na escolha dos integrantes da comissão que vai analisar o pedido de impeachment da presidente Dilma foi a principal razão alegada por congressistas que se rebelaram nessa terça-feira (8) e escolheram nomes alternativos para a formação do grupo que vai dar o primeiro parecer sobre a acusação de que a petista cometeu crime de responsabilidade. A eleição de uma chapa comandada pela oposição foi orquestrada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os vários encontros do líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), com o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, para a escolha dos nomes do partido para a comissão especial gerou revolta na bancada. Na segunda-feira (7), Picciani tinha recebido sugestões para indicar proporcionalmente os oito representantes da bancada entre governistas e oposicionistas. Mas o líder optou pela prerrogativa do cargo e escolheu deputados de sua preferência. "Picciani terceirizou para o Planalto a indicação dos nomes do PMDB. Isso não admitimos", disse o vice-líder do PMDB na Câmara Lúcio Vieira Lima (BA).

Com a comissão excessivamente governista – inclusive com as indicações do PP e do PR –, Cunha sugeriu à oposição formar uma chapa alternativa a ser escolhida em votação secreta no plenário. A manobra deu certo, mas gerou confusão, urnas quebradas e recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF), que se posicionou por meio do ministro Edson Fachin e acabou por suspender, provisoriamente, o andamento do processo de impeachment. O governo amargou sua primeira derrota na disputa pela manutenção do mandato de Dilma com a escolha de um grupo que já tem maioria entre os titulares da comissão e é a favor da saída da presidente. "O Congresso não suporta mais a interferência do Planalto nas suas decisões. Isso nunca deu certo", comentou o deputado Danilo Forte (PSB-CE), um dos principais aliados de Cunha.

O vazamento da carta do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, à presidente Dilma Rousseff foi outra senha que liberou a bancada do PMDB, a maior da Câmara, para votar contra a presidente. Agora, cabe ao STF decidir, em sessão plenária prevista para a próxima quarta-feira (16), se a eleição da chapa alternativa foi válida. Caso venha a ser avalizada a atual composição preliminar do colegiado, com 39 parlamentares de oposição entre os 65 titulares, dificilmente o pedido de impeachment será rejeitado nessa fase do processo de afastamento.

Mais sobre o impeachment

Mais sobre crise na base

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!