Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Câmara inicia análise de pacote de projetos sobre segurança pública

 

Deputados começaram as discussões das matérias que tratam sobre segurança pública na tarde desta terça-feira (7). O pacote inclui três projetos sobre o tema que foram propostos entre 2001 e 2006 e que começam a ser debatidos hoje. O primeiro a ser analisado prevê a extinção da regra que prevê a redução da pena pela metade se o réu cometeu o crime antes dos 21 anos ou tiver mais de 70 quando for condenado.

<< Maia quer que ministro prove cumplicidade de autoridades do Rio com o crime organizado

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) começou a semana de votações com foco nas matérias sobre o tema. Os deputados debaterão os projetos durante a semana, conforme pauta organizada pelo deputado fluminense. O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP) anunciou que o partido iria obstruir a pauta, afirmando que os projetos escolhidos apenas colaborarão para o aumento da população carcerária no Brasil sem dar solução aos problemas da segurança no país.

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB) esteve em reunião com governadores na tarde de hoje em Brasília e elogiou a pauta montada por Maia, que inclui ainda o fim da saída temporária de presos, penas mais rígidas para assassinos de policiais, o fim do auto de resistência para obrigar investigação de mortes em confrontos com policiais, tornar crime o uso de pessoas como escudo humano e bloqueio de telefonia celular nos presídios.

Hoje, a pauta inclui a análise dos Projetos de Lei 4500/2001 e 3019/2015. O primeiro é de autoria de Romeu Tuma e aumenta o tempo exigido para aplicação da progressão de pena de prisão para sentenças superiores a oito anos só poderá ocorrer depois que o preso tiver cumprido ao menos dois quintos da pena e , para casos de presos reincidentes, a exigência sobre para três quintos. Já o 3019, proposto por Baleia Rossi (PMDB-SP) em 2015 determina a instalação de bloqueadores de sinal de celulares em presídios. A matéria foi apensada ao projeto de Cabo Sabino (PR-CE), que prevê que a ausência dos bloqueadores se torne infração gravíssima.

<< Esforço concentrado na Câmara mira em medidas provisórias e tira de cena reforma da Previdência

Continuar lendo