Cachoeira declina convite para depor no Conselho de Ética

Colegiado deverá ouvir Demóstenes Torres na semana que vem. Para advogado, ausências não prejudicam o senador

Sem ter tido nenhuma testemunha que ajudasse em sua defesa, o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), irá depor ao Conselho de Ética na próxima terça-feira (29). Último depoente arrolado pela defesa do parlamentar, o contraventor Carlinhos Cachoeira não compareceu à reunião do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, realizada nesta quarta-feira (23).

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Ao contrário da CPI mista que tem poder coercitivo para convocar, o conselho pode apenas convidar algum indicado pela acusação ou pela defesa. Além de Cachoeira, o advogado Ruy Cruvinel também rejeitou o convite, por questões de privacidade. Ele deveria ter sido ouvido ontem, mas não compareceu.

O presidente do colegiado, Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), deu início à reunião e leu o ofício enviado pela defesa do contraventor declinando o convite. “Como não há uma forma de se obrigar uma testemunha a vir depor, iremos prosseguir nos nossos trabalhos e na semana que vem ouviremos o Demóstenes”, disse Valadares pouco antes de encerrar a reunião.

O advogado de Demóstenes, Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, acompanhou a sessão e garantiu que o senador estará presente na semana que vem. Para ele, as ausências das testemunhas não chegam a atrapalhar a defesa do senador. “Espero que os questionamentos sejam feitos em cima da representação [apresentada pelo Psol e que deu início ao processo de investigação no conselho]. O senador quer vir falar ao Conselho. Ele vem com certeza”, disse. O advogado ressaltou que a presença do senador no conselho se dá no âmbito de um julgamento político, e por isso ele não produziria provas contra si, o que poderia prejudicá-lo em um julgamento penal.

Para o relator do processo no conselho, senador Humberto Costa (PT-PE), as declarações de Demóstenes Torres serão as mais importantes para a conclusão de seu relatório. “Existe exatamente o espaço para o depoimento para que ele possa esclarecer fatos, defender-se de acusações e, como tal, eu estou inteiramente aberto para confrontar as denúncias com a defesa dele e elaborar um relatório levando em consideração tudo isso”, disse.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!