Amazonas atrai facções que atuam em fornecimento de cocaína peruana no Norte, Nordeste e Centro-Oeste

O negócio teria lucro anual estimado em US$ 4,5 bilhões. A cocaína sai do Peru, segue para Manaus pelo Rio Solimões, e depois vai para Belém. Em seguida, a droga é separada e distribuída ao Nordeste e Centro Oeste

 

Relatório do serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas aponta ligação das facções criminosas na Amazônia com controle do fornecimento da cocaína peruana para o Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país. O negócio teria lucro anual estimado em US$ 4,5 bilhões, conforme reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta quinta-feira (12).

Com 3.209 km de fronteira com o Peru e a Colômbia, o Estado do Amazonas, de acordo com o relatório, tem a presença de três facções, sendo a Família do Norte (FDN), criada em Manaus, o Primeiro Comando da Capital (PCC), que controla principalmente a rota que usa o território paraguaio para abastecer o Centro-Sul com cocaína peruana e boliviana, e o Comando Vermelho (CV), também atua na região.

O documento, conforme afirma a reportagem, diz que o número atual de policiais militares e civis no Amazonas é insuficiente para enfrentar a intensa atividade do narcotráfico na região. O relatório foi elaborado após o massacre que deixou pouco mais de 64 presos mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim e na Unidade Prisional do Puraquequara, em Manaus.

Na última terça-feira (10), o governo federal decidiu atender pedidos de socorro de sete estados: Amazonas, Roraima, Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins. Como auxílio, os governos do Amazonas e de Roraima receberam 100 homens da Força Nacional para auxiliar no policiamento e em questões de segurança pública local. No entanto, os homens não atuarão dentro dos presídios. Os estados também solicitaram remanejamento de verba do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) para ampliação da cadeia e armamentos.

Com base em consultas aos estados, de dez, sete confirmaram presença do PCC (AC, AL, CE, MA, RO, RR e SE), seis detectaram núcleos do CV (AC, AL, CE, MA, RO e RR) e dois registram a atividade da Família do Norte (AC e RR). Foram apontados ainda a presença de facções locais em alguns estados. O Bonde dos 13 no Acre, os Anjos da Morte no Maranhão e o Comando Classe A no Pará. Apenas Goiás e Rio Grande do Norte, informaram que não há facções criminosas em seus territórios.

O documento mostra ainda que a cocaína sai do Peru, segue para Manaus pelo Rio Solimões, e depois vai para Belém. Neste último destino, o produto é separado e distribuído ao Nordeste e Centro Oeste.

 

Leia a notícia completa no site do jornal Folha de S. Paulo

Mais sobre crise nos presídios brasileiros

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!