Ajuste fiscal tem nova prova de fogo na Câmara

Deputados vão analisar aumento de tributos de importados e redução da desoneração da folha de pagamento, objeto de MP devolvida por Renan a Dilma. Na semana passada, base contrariou o Planalto com mudança no fator previdenciário

Após uma semana em que acumulou vitórias parciais na aprovação do ajuste fiscal na Câmara, o governo enfrentará outros dois novos desafios a partir desta terça-feira (19). Os deputados vão analisar a medida provisória (MP 668/15) que aumenta tributos de importação e o projeto de lei (PL 863/15) que reduz o benefício de desoneração da folha de pagamentos – estas são as duas últimas propostas do ajuste fiscal em tramitação na Casa.

 

Para abrir caminho para a votação dessas proposições, o governo prepara a retirada da urgência constitucional de dois projetos de combate à corrupção.  Nesse caso, a MP e o projeto de lei passariam a ser os dois primeiros itens da pauta, adiando, assim, a votação da proposta que tipifica o crime de enriquecimento ilícito de servidores e agentes públicos, entre eles políticos.

As votações desta semana representam uma nova prova de fogo para o Planalto. Na última quarta-feira (13), o governo sofreu a maior derrota em seu plano de reequilibrar as contas públicas. Parte da base aliada, com o apoio de nove petistas, contrariou o governo e se juntou aos oposicionistas na inclusão de uma emenda que muda o fator previdenciário. A mudança foi incluída na medida provisória (MP 664/14) que endureceu as regras para concessão de pensão por morte. A alteração, segundo o Ministério da Fazenda, compromete o ajuste fiscal.

Desoneração

Nesta semana, os ataques devem recair sobre o Projeto de Lei 863/15, que reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamentos concedido a 56 segmentos econômicos. Por contrariar interesses de diversos setores, o assunto deve ser objeto de emendas. A proposta tramita em urgência constitucional e substitui a Medida Provisória 669/15, que foi devolvida à presidenta Dilma pelo presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), no dia 3 de março.

O gesto, pouco habitual, foi interpretado como um recado de descontentamento de Renan com Dilma. A devolução ocorreu às vésperas de o Supremo Tribunal Federal (STF) abrir investigação contra o peemedebista por suspeita de envolvimento nos crimes apontados pela Operação Lava Jato. O senador, que responsabiliza o Planalto pela ligação de seu nome com as irregularidades na Petrobras, tem adotado discurso e postura de “independência” em relação ao governo desde então.

O projeto que freia a desoneração da folha de pagamento, em vigor desde 2011 e ampliada nos anos seguintes, prevê a troca da contribuição patronal para a Previdência, de 20% sobre a folha de pagamentos, por alíquotas incidentes na receita bruta. O texto aumenta as duas alíquotas atuais de 1% e 2% para, respectivamente, 2,5% e 4,5%.

A proposta também faz mudanças na legislação sobre tributação de bebidas frias (água, cerveja e refrigerantes) para adequar o texto às normas editadas com a Lei 13.097/15. Essa lei prevê a incidência das alíquotas sobre o valor de venda e não mais sobre o volume de produção ou sobre um preço médio.

Importados

Já a MP 668 aumenta as alíquotas do PIS/Pasep-Importação de 1,65% para 2,1% e a da Cofins-Importação de 7,6% para 9,65%. Dessa forma, a maioria dos importados passa a pagar 11,75% nesses dois tributos, na soma das alíquotas. O Executivo justificou o aumento das alíquotas pela necessidade de evitar que produtos fabricados no país paguem mais imposto do que os importados.

De acordo com o relatório aprovado na comissão mista que analisou a MP, determinados setores terão suas alíquotas específicas majoradas também, como o de produtos de perfumaria ou higiene pessoal, que subiu, no total, de 12,5% para 20%. A incidência das contribuições para veículos e máquinas importadas passa de 11,6% para 15,19%.

Emendas à Constituição

Se houver tempo, o Plenário poderá votar ainda duas propostas de emenda à Constituição (PECs) cuja votação foi acertada em reunião de líderes do último dia 12. A primeira delas é a PEC 10/11, que obriga o presidente da República, os governadores e prefeitos a elaborar e cumprir um plano de metas com base nas promessas de campanha.

Já a segunda é a PEC dos Recursos (209/12), que obriga o advogado a demonstrar relevância jurídica nos recursos especiais levados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que contestem decisões de outros tribunais inferiores.

Com informações da Agência Câmara

Mais sobre ajuste fiscal

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!