Ação quer que TV Cultura se desculpe por “machismo” contra Manuela D’Ávila

 

Uma petição online cobra retratação da TV Cultura por causa das sucessivas interrupções dos entrevistadores à pré-candidata à Presidência Manuela D’Ávila (PCdoB) no programa Roda Viva da última segunda-feira (25). Até as 9h desta quarta-feira (27), mais de 28 mil pessoas haviam assinado o pedido. Os organizadores querem pressionar a emissora com a apresentação de uma lista com 30 mil assinaturas.

As interrupções às respostas de Manuela desencadearam debate na internet sobre machismo e misoginia e resultaram em críticas ao programa e seus debatedores.

Segundo a Folha de S.Paulo, a pré-candidata do PCdoB foi interrompida ao menos 40 vezes. Número muito superior ao registrado nas entrevistas do mesmo programa com Ciro Gomes (PDT), oito vezes, Marina Silva (Rede), três, e Guilherme Boulos (Psol), nove vezes.

“Repudiamos a postura desrespeitosa e machista com que a pré-candidata Manuela D'Ávila foi tratada no programa Roda Viva na TV Cultura. Exigimos que a emissora cumpra seu papel de veículo público de comunicação dando espaço para que a pré-candidata exponha de fato suas propostas, marcando uma nova data para um debate real e qualificado, já que ficou impossível no programa exibido na segunda-feira 25, dado o número de interrupções feitas pelos entrevistadores convidados pelo canal e pelo mediador”, cobra o abaixo-assinado.

A petição também reivindica uma retratação por parte da TV Cultura: “A emissora deve também se retratar, pois a reprodução do machismo e do desrespeito à mulher foi propagada em rede nacional pública em uma sociedade com altíssimos índices de violência contra a mulher".

Em nota, o PT classificou as sucessivas interrupções a Manuela como "um festival de horrores". "A pré-candidata do PCdoB foi atacada de forma virulenta durante todo debate. Um desfile de machismo e misoginia da pior espécie, de causar repulsa em qualquer brasileira e brasileiro que esperava assistir a uma entrevista que discutisse os rumos do país", diz o partido.

A ex-presidente Dilma Rousseff também divulgou nota de repúdio ao Roda Viva e de apoio a Manuela. "As grosserias do 'Roda Viva' demonstram que a imprensa brasileira se tornou uma facção política e partidária. Manifesto minha integral solidariedade à deputada Manuela D'Ávila, alvo de ataques machistas e misóginos no 'Roda Viva'. Convidada para falar sobre sua candidatura, Manuela foi hostilizada pelo âncora e pelos entrevistadores", escreveu a petista.

No debate sobre o assunto, os apoiadores de Manuela utilizaram o termo em inglês “manterrupting”, flexão de “man” (homem) e “interrupting” (interrompendo”) para se referir à prática de cortes feitos por um homem enquanto uma mulher fala.

O apresentador do Roda Viva, Ricardo Lessa, rechaçou qualquer acusação de preconceito. “Ela teve mais de 50% de cada bloco de fala sem interrupção. Ao todo, isso deve dar mais de 40 minutos de falas limpas [de total de 80 minutos]. É normal que um debate fique mais acalorado. Não é questão de gênero, mas de jornalismo”, disse à Folha de S.Paulo.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!