A íntegra das notas de José Sarney e Sarney Filho sobre o caso Cachoeira

Veja as respostas enviadas ao Congresso em Foco pelo presidente do Senado e pelo deputado Sarney Filho

A nota de José Sarney:

1. Ferreirinha já trabalhava no Palácio do Planalto - funcionário cedido pela Infraero - quando o senador José Sarney lá chegou para exercer a presidência. Hoje Ferreirinha atua no aeroporto - em cargo de 4º ou 5º escalão - e pediu a interferência do senador Sarney para uma promoção. É esse o assunto do dialogo em questão. O pedido não foi atendido.
2. A família Sarney não tem negócios com lixo, nem com empresa citada. O senador Sarney não conhece nenhuma das pessoas relacionadas no diálogo em questão.

As respostas de Sarney Filho:

1- A família Sarney tem negócios com a Delta, Carlinhos Cachoeira ou com o lobista Dagmar Alves? Qual?
Não

2- Qual era a "parte no negócio" que a família gostaria de comprar?
A pergunta fica prejudicada pela anterior

3- A família Sarney cuida de empreendimentos na área de resíduos sólidos (lixo)?
Não

4- Algum desses projetos usa tecnologia de incineração de lixo da Alemanha? Algum usa tecnogia de incineração por plasma?
A pergunta fica prejudicada pela anterior

5- Quem da família toca esses eventuais negócios?
Também prejudicada pelas duas anteriores

6- Qual a relação do deputado e de Adriano com Gleyb e Carlinhos Cachoeira?
Nenhuma

7- O deputado ou o Adriano ajudaram em algum tipo de pendência no Ibram? Fizeram alguma intermediação entre eles e a direção do Ibram?
Não

8- Quem é Eduardo, assessor citado nas conversas obtidas pela PF? Qual a relação dele com Gleyb e Carlinhos Cachoeira?
Desconheço

9- Que negócios são esses referidos na gravação da PF?"
Desconheço

Em grampo, Sarney tenta promover aliado de Cachoeira
Tudo sobre caso Cachoeira

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!