Gilmar diz ter alertado sobre efeitos de proibir doação eleitoral por empresas

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), comentou há pouco, por meio das redes sociais, a aprovação nesta quinta-feira (15) pelo Congresso de fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões para 2022. O valor aprovado pelos parlamentares durante a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) é quase três vezes maior do que o previsto para 2021.

“Em 2015, quando o STF proibiu a doação de PJs [pessoas jurídicas] nas eleições, alertei para o risco de inflação exorbitante do fundão. Ao invés, deveríamos fortalecer a fiscalização dos gastos de campanha (historicamente frágil). Em um sistema complexo, não há fórmulas prontas e nem almoço grátis”, afirmou o ministro.

Na época do julgamento no Supremo, Gilmar e os então ministros Teori Zavaski e Celso de Mello votaram pela manutenção do financiamento privado de campanhas. O placar final foi de oito votos a três, pela proibição. A regra começou a valer nas eleições de 2016.

O “fundão” aprovado ontem está sendo alvo de duras críticas. O Partido Novo apresentou destaque pela redução do valor do fundo eleitoral para R$ 2 bilhões, porém, foi rejeitado. Além disso, a votação do destaque não foi nominal, o que, na prática, impede a identificação de quem foi favorável à aprovação do valor bilionário.

>  Veja quem votou a favor da LDO com fundo eleitoral de R$ 5,7 bi

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo