Ex-presidente do Paraguai é alvo de desdobramento da Lava Jato

O ex-presidente paraguaio Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão preventiva em um desdobramento da Lava Jato que acontece na manhã desta terça-feira (19) e terá seu nome inserido na difusão vermelha da Interpol. A suspeita é que ele tenha ajudado na fuga do doleiro Dario Messer, preso em julho deste ano após meses foragido.

> Sócio do “doleiro dos doleiros” é preso no Paraguai

A operação recebeu o nome de Patrón, que significa “patrão” em espanhol, e é o termo que Messer utilizava para se referir ao ex-presidente do Paraguai, que é amigo da família Messer.

Além de Cartes, a operação tem como alvo outros suspeitos de terem ajudado Messer, conhecido como doleiro dos doleiros, a fugir ou ocultar seu patrimônio. Ao todo, são 37 mandados judiciais no Rio de Janeiro, Búzios (RJ), São Paulo e Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai. As informações são do G1.

Dos mandados expedidos, 16 são de prisão preventiva, 3 de prisão temporária e 18 de busca e apreensão. Até as 7h30, uma pessoa havia sido presa: o dolerio Najun Azario Flato Turner, em São Paulo.

A ação de hoje foi autorizada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal fluminense e é um desdobramento da operação Câmbio, Desligo, que revelou investigava a movimentação de US$ 1,6 bilhões em 52 países, por doleiros.

> Tabata Amaral vê hipocrisia em ataques da esquerda contra ela

> Cid Gomes diz que PT e Bolsonaro querem se impor pela polarização

Dário MesserHoracio CartesLava-JatoMarcelo BretasOperação Câmbio DesligoParaguaiPatrón