CPI do Cachoeira consegue apoio para ser criada

A CPMI do Cachoeira investigará o senador Demóstenes Torres e outros políticos, entre parlamentares e governadores, denunciados como envolvidos com o esquema de exploração ilegal de jogo do bicheiro Carlinhos Cachoeira

Líderes partidários da base aliada e da oposição protocolaram na noite desta terça-feira (17) o requerimento de criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Foram obtidas mais de 400 assinaturas na Câmara e do Senado. As manifestações de apoio ainda serão checadas pela Secretaria Geral das Mesas Diretoras das duas Casas legislativas. Assim, há a possibilidade de que a comissão seja instalada ainda nesta semana.

Outros temas de destaque hoje no Congresso em Foco

A CPMI vai investigar a relação de Carlinhos Cachoeira com políticos como o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) e deputados de partidos diversos, além de membros do Judiciário e do Ministério Público goianos. Também está prevista a investigação de agentes privados. Em especial, a construtora Delta, uma das maiores do país, e que teria relações com o bicheiro. Outro alvo da CPMI será a "grampolândia"  articulada por Cachoeira, uma ampla rede de espionagem especialmente de políticos em Brasília e outras cidades.

Leia mais:
Os 44 ex-defensores de Demóstenes no Senado
Em vídeo, Demóstenes e seus 44 ex-defensores
O outrora implacável senador Demóstenes

Na Câmara, os líderes contabilizaram 340 assinaturas. O número, que não é o oficial, tem no PT o partido com o maior número de apoios: 78. Depois vêm PSDB (50), PMDB (46), DEM (27), PSB (25), PSD (24), PDT (23), PR (16), PP (13), PCdoB (11), PPS (10), PV (6), Psol (3) e PMN (2). Até o momento, não entregaram as listas o PSC e o PTB. No entanto, o líder petebista na Câmara, Jovair Arantes (GO), acusado de envolvimento com o bicheiro Cachoeira, assinou um dos requerimentos.

Participaram da entrega das listas da Câmara deputados da base e da oposição. Os líderes do PT, Jilmar Tatto (SP), do PSDB, Bruno Araújo (PE), do DEM, ACM Neto (BA), do PDT, André Figueiredo (CE), do PR, Lincoln Portela (MG), e do Psol, Chico Alencar (RJ). Eles se encontraram na Secretaria Geral da Mesa para reunir os requerimentos. De lá, foram para a Mesa Diretora do Senado.

O número mínimo exigido para a instalação de uma CPI é de um terço dos membros de cada Casa legislativa (27 senadores e 171 deputados). No início da noite, o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), reuniu 67 assinaturas de apoio à CPMI – dos quais 25 dos membros do bloco de apoio ao governo (PT, PCdoB, PSB, PDT e PRB), sete do bloco da maioria (PMDB, PP e PV), 13 do bloco “União e Força” (PTB, PR e PSC) e 14 do bloco da minoria (PSDB e DEM). Randolfe Rodrigues (Psol-AP) também assegurou vaga, uma vez que não compõe bloco partidário e, por isso, fica fora do critério de proporcionalidade válido para divisão de cargos.

Trâmite

Depois de o requerimento ser protocolado, a Secretaria Geral da Mesa de cada Casa vai conferir as assinaturas. O passo seguinte, em caso de regularidade das adesões, é a leitura do requerimento em uma sessão do Congresso. Quando isso acontecer, a CPMI será criada. De acordo com a secretária-geral do Senado, Cláudia Lyra, deputados e senadores têm até a meia-noite do dia em que o requerimento for lido para retirar ou apresentar apoio à investigação.

Para a leitura ocorrer, uma sessão do Congresso deve ser marcada. Existe a expectativa de que uma sessão extraordinária seja realizada na quinta-feira (20). Como o presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AP), anunciou hoje uma licença médica de 15 dias após ser submetido a uma angioplastia e colocação de um stent, a deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), vice-presidente da Câmara e do Congresso, terá a missão de abrir e conduzir a sessão plenária. A partir desse momento, a CPI é criada e tem início seu rito de instalação.

Depois, os partidos indicam os membros do colegiado. São 30 de cada Casa, sendo 15 titulares e 15 suplentes. Após presidente e relator serem eleitos, a CPMI é considerada formalmente instalada, com o transcurso da primeira sessão. A expectativa é que o PT da Câmara fique com a relatoria e o PMDB do Senado com a presidência. São cotados para os cargos, respectivamente, os deputados Cândido Vaccarezza (PT-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP) e o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

Resposta

Antes da entrega das assinaturas, o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), rebateu os rumores de que o governo está articulando um movimento para esvaziar a CPMI. "A melhor resposta para isso são as assinaturas", replicou o petista, negando que a comissão será uma batalha de partidos. "Não tem batalha. Temos de esperar inclusive esse colegiado ser montado. Ele montará seu plano de trabalho e se debruçará a partir dele", acrescentou.

Walter também minimizou a tese de que José Sarney, de licença médica, possa representar o atraso na instalação dos trabalhos do colegiado. "Não há problema. Todos nós torcemos pela sua volta, queremos ele aqui inteiro. Mas, enquanto ele descansa, a gente continua tocando os trabalhos aqui", arrematou o petista.

Leia também:
Câmara estabelece limite para assinaturas da CPI do Cachoeira
CPMI do Cachoeira deve ser criada nesta semana
Após acordo, começa coleta de assinaturas para CPI do Cachoeira
Líderes tentam fechar requerimento da CPI do Cachoeira

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo