Brasileiros, e agora?

Ato Institucional nº 5Castello BrancoConstituição de 1988corrida presidencialcorrupçãodemocraciaDilma Rousseffditadura militareleiçõeseleições 2018fernando henrique cardosoFHCHumberto Castello BrancoJuscelino KubitschekLulaMuro de BerlinPSLPTsocial-democraciaTancredo Neves
Comentários (1)
Comentar
  • Fábio

    Paulo Castelo Branco é de longe o melhor colunista da casa e acerta muito mais do que erra. É o único aqui que ainda parece ter coragem e independência para criticar o PT, algo que deveria ser obrigação moral de qualquer jornalista. Muitas vezes ele apenas acerta e me limito a elogiar, mas aqui ele deu algumas derrapadas que merecem reparo:
    1) Primeiro, o texto começa em tom exagerado e equivocado, comparando a situação atual com os regimes ditatoriais do passado;
    2) Quem estuda o marxismo e a história do PT, jamais se deixou ludibriar por Lula e sabia que ele era um risco enorme à nossa democracia. Jamais votei neste farsante, digo com orgulho;
    3) Aqui a maior falha: Haddad tem currículo profissional e intelectual de bom conceito? É sério isso? Intelectualmente o Haddad defende em todas as suas teses acadêmicas o genocídio marxista. Elogia Stálin e outros facínoras.
    E profissionalmente o desastre é ainda maior, pois tudo o que ele fez deu errado. Foi Ministro da Educação e temos um dos piores sistemas educacionais do mundo. Como prefeito foi tão mal a ponto de perder a disputa da reeleição no primeiro turno com recorde de rejeição. Para não mencionar os 32 processos que tem nas costas, de improbidade a corrupção, passando por lavagem de capitais.
    Não compre ele como moderado e de boa história. Ele passa essa impressão por não ser virulento, mas é um embuste e ainda mais radical que Lula, afinal estudou a distopia marxista a fundo e se viciou nela. É um militante ideológico dos mais perigosos, assumidamente socialista.
    4) A afirmação de que Bolsonaro quer implantar um faroeste é outro tremendo exagero. Não acho que o Paulo seja mal intencionado, mas ele engole alguns clichês como esse sem refletir muito.
    Ora, o Brasil até o Estatuto do Desarmamento por acaso era um faroeste? Estamos muito mais próximos disso hoje, com 60 mil homicídios por ano. Aliás, já li que a taxa de homicídios hoje no Brasil é estimadamente maior do que no Velho Oeste Americano (então até um faroeste seria um avanço). O que Bolsonaro defende é que, como antigamente (quando os índices criminais eram muito menores), e em respeito ao referendo popular de 2005, as pessoas que queiram ter armas em casa (posse, não porte), tenham regras mais facilitadas, de modo a se defenderem melhor. Apenas isso.