Colunistas

Flip & FHC

"A Flip não festeja a Literatura, nem os escritores e muito menos o autor brasileiro, mas o mercado editorial, a literatura mercantilizada. E apátrida. Ou seja, a barbárie"

Os organizadores da Flip foram extremamente coerentes ao escolher FHC para abrir a versão 2010 da Festa Literária Internacional de Paraty, até porque tal escolha é a cara desse, digamos, evento, reunido em torno duma espécie de gueto ( literalmente) elitista, alienado. Globalizado? Não propriamente globalizado, mas apátrida, já que o dinheiro não tem mãe, muito menos língua mãe, tampouco pátria mãe.

A Flip não festeja absolutamente a Literatura nem os escritores e muito menos o autor brasileiro, mas exclusivamente o mercado editorial, a literatura mercantilizada. E apátrida. Ou seja, a barbárie.

Ou, na famosa equação de Cortázar: Literatura = Informação de Luxo. Enfeite. Perfumaria. Ornamento crítico = FHC!!! C.Q.D.

Deu no UOL: Meia hora antes da inauguração da Festa Literária de Paraty, um pequeno grupo de moradores da cidade chamou a atenção diante do Kibu, digo,Tenda dos Autores, onde se realizam os principais debates. Eles portavam cartazes e camisetas com frases de protesto à presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: “Viva Saramago. FHC não!”, gritava a organizadora do protesto. “O que você acha de FHC abrir uma festa literária em pleno ano eleitoral? Ele podia vir em qualquer ano, menos neste. Ele é porta-voz de um partido político. A simples presença dele já é uma opção política da Flip”.

Pois é. Em 2010, a organização da Flip abre o jogo e confessa logo de que lado está. Mas a Flip se esquece da própria Flip (esquecendo sobretudo, que cultura é um processo cumulativo/ mas quem falou em cultura?/claro,claro). Quando lá estive, em 2005, eu vi: Arnaldo Jabor não pode concluir sua palestra devido ao fato de elogiar em público este mesmo FHC. A vaia do público – os intelectuais e convidados presentes sob o Kibu, digo, Tenda – foi tão estrondosa que o sujeito teve simplesmente que se mandar e pano rápido.

Aliás, este enclave que privilegia poucos, raros e extremamente discutíveis (senão irrelevantes) elementos ligados ao livro (vamos excluir de uma vez por todas a palavrinha Literatura, sim? vamos deixá-la fora DISTO, ok?), notadamente judeus, deveria armar seu luxuoso pavi,digo, kibutz à beira do Mar Morto, quiçá Tel-Aviv. Senão vejamos: entre os convidados, resplandecem nomes como Abraham B Yohoshua, Benjamin Moses, Arnaldo Bloch, Moacyr Scliar (querido amigo), um brasileiro chamado mui apropriadamente Eucanaã Ferraz (?), o editor Luiz Schwarcz, o livreiro Pedro Hertz.

Contudo, estou sendo injusta até porque o elemento anglo-saxão e multiculturalista (outra palavrinha encantadora!) não só prolifera como abunda: Crumb, Lionel Shriver, Terry Eagleton, John Makinson, o CEO da Penguin Books (não é uma gracinha?), William Kennedy, a dupla William Boyd e Pauline Melville, escritores “pós-coloniais” (cruzes!).Acrescente-se alguns globais, poetas e celebridades arroz-de-festa tipo Silio Boccanera, o indiano Salmon Rushdie, Ferreira Gullar, amos, atos, obros. Ah, sim, e criaturas diversas desfiando pautas tipo “o futuro do livro”, “a ditadura cubana” , “a cidade criativa”.

Me poupem.Eventos como esse des-historizam, des-politizam, são uma merda.

Então, a respeito de “povos sem história” vou citar Otto Bauer (citado por Hannah Arendt): “A consciência histórica tem papel importante na formação da consciência nacional. A emancipação das nações do domínio colonial nasce da emancipação da literatura nacional da língua internacional erudita, do colonizador. A função política desta ascensão do idioma consiste em provar que só o povo que possui uma literatura e uma história próprias tem o direito à soberania nacional.”

Literatura e História, Yes, nós temos, resta a Geografia. Ou seja, a Flip estaria melhor instalada, em seu elemento mesmo, se armasse seu adorável kibutz à beira do Mar Morto. Quiçá Tel-Aviv.

Quanto à FHC, sugere-se que, na próxima, vá ornamentar criticamente o gueto de Varsóvia.

 

Mais sobre literatura

Continuar lendo

Sobre o autor

Márcia Denser

Márcia Denser

* A escritora paulistana Márcia Denser publicou, entre outros, Tango fantasma (1977), O animal dos motéis (1981), Exercícios para o pecado (1984), Diana caçadora/Tango Fantasma (Global,1986, Ateliê, 2003,2010, 2a.edição), A ponte das estrelas (Best-Seller,1990), Caim (Record, 2006), Toda prosa II - obra escolhida (Record, 2008). É traduzida em nove países e em dez línguas: Alemanha, Argentina, Angola, Bulgária, Estados Unidos, Espanha (catalão e galaico-português),Holanda, Hungria e Suíça. Dois de seus contos - "O vampiro da Alameda Casabranca" e "Hell's Angel" - foram incluídos nos Cem melhores contos brasileiros do século, organizado por Ítalo Moriconi, sendo que "Hell's Angel" está também entre os Cem melhores contos eróticos universais. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, é pesquisadora de literatura e jornalista. Foi curadora de literatura da Biblioteca Sérgio Milliet em São Paulo.

Outros textos de Márcia Denser.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade