Colunistas

De um pai gay para a mãe que matou e queimou o filho gay

Família é para amar, proteger, cuidar, educar, dar limites. Aprendi com a minha querida e amada  mãe desde a tenra idade que o amor de mãe é o mais puro, profundo e incondicional. E durante a vida ela me provou isso. Quando aos 14 anos pedi ajuda a ela sobre minha homossexualidade, falei por ignorância “sou pecador, sou doente, sou fora da norma”, felizmente ela não me matou e nem me queimou. Ela não me julgou. Ela falou “se você acha que é isso, vamos procurar ajuda”. Já aos 27 anos, ela de forma categórica falou “filho, se é isso que você quer, se é isso que te faz feliz, vou perder minha aposentadoria e me caso com o David”. Ela se propôs a fazer isso para que o meu marido David, que é estrangeiro, pudesse permanecer no Brasil comigo. Na época, para ficar no Brasil, ele teria que casar com uma brasileira, porque ainda não se reconhecia a união estável homoafetiva para fins de concessão de visto permanente. Hoje eu e David temos três filhos, dois meninos de 16 e 11 anos e uma menina de 13. E por sermos pais, o caso do seu filho nos chocou ainda mais.

Seu filho adolescente Itaberly foi barbaramente esfaqueado e  morto  no dia 29 de dezembro de 2016, e achado com o corpo carbonizado no dia 7 de janeiro de 2017. Foi um crime bárbaro, desumano, pavoroso, monstruoso e horrendo. Eu poderia colocar muitos outros adjetivos, mas quem deve julgar é a Justiça. A verdade está nas evidências e provas. Pelas notícias lidas, a senhora assassinou o próprio filho, com a ajuda de mais três pessoas. Não quero o mesmo para a senhora, embora no momento de forte emoção, pensei… Fiquei deveras abalado. Chorei e tive momentos de indignação profunda. Agora, semanas depois, com a notícia de que você teve a prisão preventiva decretada e que foi indiciada por homicídio e ocultação de cadáver, estou conseguindo recuperar minha racionalidade.

Itaberli e a mãe, Tatiana. Adolescente já havia denunciado maus-tratos da família

A vida de um adolescente de 17 anos foi sacrificada. Vi no Facebook dele https://www.facebook.com/itaberlly.ferreira, um post do dia 23/12 dizendo “Família em primeiro lugar. É o que há”. Como toda família, pode haver divergências, discussões e até brigas, mas o que aconteceu com o adolescente é inaceitável e injustificável.

No seu Facebook https://www.facebook.com/thaty.morena.142, percebo que você é uma mãe religiosa, pois há várias citações da Bíblia, uma que você postou logo depois do assassinato “Porque Eu, o Senhor, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo; não temas, que Eu te ajudo. Is. 41:13.” . No dia do desaparecimento do seu filho, você postou a cantora gospel Aline Barros, cantando “Ressuscita-me.” E no dia 18 de dezembro, você postou “Meu advogado é o meu Senhor, Ele me defende do acusador. Minha causa entreguei em suas mãos. Posso descansar o meu coração.”

Isso prova, Taty, que você é uma pessoa religiosa, temente a Deus, e que crê na palavra. Você, como eu, cristãos, sabemos dos mandamentos da lei de Deus, em especial dois deles, “amar ao próximo como a ti mesmo”, e o quinto mandamento que diz “não matarás”. O que  aconteceu com  você? Perdeu esta página?

O que aconteceu com Itaberly? O adolescente assassinado já tinha registrado na delegacia queixa de homofobia por parte da família, inclusive com ameaças de morte. Foi assassinado a facadas, queimado e achado depois de dez dias. Quanta crueldade. Quanto desamor. Quanta desumanidade. A tua defesa foi de que ele usava drogas. Será que é isso o tratamento que ele merecia?  Pelo que consta, outros familiares pensam ao  contrário e dizem que era um menino trabalhador, dedicado, estudioso e desmentiram o uso de drogas.

Foi um crime chocante e cruel. Todo assassinato é inaceitável, mas quando a mãe é a assassina, torna-se inconcebível.  Espero que você reflita sobre o que praticou, arrependa-se e que os “religiosos” repensem sobre a doutrinação que estão fazendo em relação à comunidade LGBTI. Esses “religiosos” não mataram seu filho, mas afiaram a faca do seu raciocínio manipulável e fraco ao ponto de levar à morte dele.

Não me interessa nenhuma religião cujos princípios não melhorem a vida humana e a convivência das pessoas. Que você pague pela lei divina e pela legislação brasileira pelo crime que cometeu.

Mais sobre homofobia

Continuar lendo

Sobre o autor

Toni Reis

Toni Reis

* Professor, formado em Letras pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), é especialista em sexualidade, mestre em Filosofia e doutor em Educação. É secretário da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) e Diretor-Presidente da Aliança Nacional LGBTI.

Outros textos de Toni Reis.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade