Sábado, 25 de Março de 2017

A esquerda chora por um Fidel que morreu em vida

“O homem que libertou seu povo da espoliação adventícia é o mesmo que o reprimiu, cerceando o direito à liberdade. Fidel Castro sagrou-se revolucionário, mas morreu ditador”, destaca Itamar Garcez

Itamar Garcez *

As lágrimas que a esquerda derrama pela morte do maior líder revolucionário da América Latina, e um dos maiores da história mundial, carregam duas emoções – uma explícita, outra oculta. A primeira, consternada, lamenta a morte de um de seus símbolos máximos.

Fidel Castro foi um revolucionário pop, com fartura imagética de sua trajetória como comandante de Cuba. Contraditoriamente, enquanto sua estampa icônica corria livre ao redor do mundo, os cubanos tinham as notícias censuradas pelo Estado onipotente.

 

Ismael Francisco/Cubadebate

Fidel morreu em 25 de novembro, em Havana, aos 90 anos

 

Num aparente paradoxo, a mídia capitalista fartava-se em espargir o perfil do comandante que amedrontou os EUA, a Nação mais poderosa do planeta. Com muito menos amarras, a imprensa dos países livres difundiu Fidel e seu escudeiro, Che Guevara, como mitos revolucionários.

Com isto, motivaram gerações de jovens que acreditaram na esquerda revolucionária como expiação dos pecados da direita “opressora”. Quem já nutriu esperanças juvenis, emociona-se ao rever as imagens de Fidel e seus companheiros na guerrilha em Sierra Maestra e, em 1959, na chegada a Havana para tomar o poder cubano.

O pranto recai sobre o sonho universal do povo livre, sem tiranias, com liberdade para decidir seu destino. Esta é a primeira emoção, sem camuflagem.

A outra, recôndita e envergonhada, é por um Fidel que morreu em vida. O homem que libertou seu povo da espoliação adventícia é o mesmo que o reprimiu, cerceando o direito à liberdade.

Fidel Castro sagrou-se revolucionário, mas morreu ditador. Deu ao povo saúde e educação, mas suprimiu os direitos sagrados de ir e vir, de divergir e de não ser punido por dizer o que pensa. Negou-lhe a democracia que prometera.

Itamar Garcez é jornalista

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade