Quarta, 1 de Outubro de 2014

Onda de protestos contra Renan ganha as ruas

Mais de 300 pessoas pediram, em São Paulo e Brasília, a saída do presidente do Senado. Também houve manifestações em outras cidades. Movimento deve se repetir neste domingo no embalo do abaixo-assinado virtual

Marcello Casal Jr./ABr

Em Brasília, manifestação deste sábado reuniu cerca de 60 pessoas

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), enfrentou hoje (23) protestos em algumas das principais cidades do país. Em São Paulo, cerca de 250 pessoas percorreram a Avenida Paulista pedindo a saída do senador da presidência da Casa por causa das denúncias que há contra ele. A manifestação chegou a causar quase 2 km de congestionamento.

As denúncias contra Renan

A defesa do presidente do Senado

Editorial: a rendição do Congresso ao chiqueiro da política

Em Brasília, aproximadamente 60 manifestantes foram do Museu da República até o Congresso Nacional com cartazes e faixas pedindo o afastamento do peemedebista. Também houve protesto contra Renan em outras cidades, como Rio de Janeiro, Curitiba, Recife, Fortaleza, Goiânia, Lins (SP) e Ribeirão Preto (SP). A mobilização foi convocada pelas redes sociais e deve se repetir amanhã em mais de 30 cidades brasileiras e até no exterior. Há convocação para protestos de brasileiros que moram em Lisboa e Dublin, na Irlanda.

Da internet para as ruas

As manifestações nas ruas são desdobramentos da articulação que resultou na coleta de 1,6 milhão de assinaturas por meio de um abaixo-assinado virtual, entregue esta semana a um grupo de senadores que têm posição crítica em relação ao peemedebista. O texto pede a afastamento de Renan e a eleição de um presidente do Senado sem problemas na Justiça.

Senadores querem definição do STF contra Renan
Manifesto pró-renúncia de Renan chega ao Senado
Petição contra Renan alcança meta de assinaturas

Um dos organizadores da manifestação em Brasília, Rogério Salvia, do Movimento contra a Corrupção do Distrito Federal, disse à Agência Brasil que as pessoas estão começando a sair do conforto de suas casas para as ruas protestar, abandonando o chamado “ativismo de sofá”. “Nós nos conhecemos pelas redes sociais e tudo é articulado pela internet. Na nossa última manifestação, em 9 de fevereiro, reunimos só 25 pessoas. Hoje deu muito mais gente”, comemorou.

Segundo ele, o protesto não é contra a “pessoa” de Renan nem tem motivação político-partidária. “O que a gente quer é que a Presidência do Senado seja ocupada por alguém que tenha a ficha limpa. Não ele, que inclusive responde a processo por peculato”, afirma.

Como revelou o Congresso em Foco, Renan foi denunciado às vésperas de ser eleito presidente do Senado pelo procurador-geral da República por uso de notas frias para justificar a venda de bois em Alagoas. O senador é acusado de desvio de dinheiro, falsidade ideológica e uso de documento falso. Renan ainda responde a dois inquéritos no Supremo, um por crime ambiental e outro por tráfico de influência.

Veja ainda:

Gurgel denuncia Renan no caso dos bois de Alagoas

Atualizada em: 17/08/2013 ás 2:27

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

Deixe um comentário

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade