Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

Odebrecht delata caixa 2 de R$ 30 milhões para chapa Dilma-Temer, mostra jornal

Os depoimentos foram realizados ao Ministério Público Federal na semana passada e, conforme cita o jornal O Estado de S. Paulo, já estão documentados por escrito e gravados em vídeo. O valor representa cerca de 10% do total arrecadado oficialmente pela campanha

Lula Marques/AGPT[/fotografo]

Odebrecht relatou ter repassado R$ 30 milhões à campanha presidencial dos dois em 2014

Segundo relatos de executivos da empreiteira Odebrecht, a chapa da ex-presidente Dilma Rousseff e do presidente Michel Temer teria recebido dinheiro de caixa 2 na campanha de 2014. As declarações foram feitas em delações premiadas  à força tarefa que acompanha as investigações da Lava Jato. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, em pelo menos um depoimento a Odebrecht descreve doação ilegal de R$ 30 milhões paga no Brasil para a coligação “Com a Força do Povo”, formada principalmente pelo PT e o PMDB.

Os depoimentos foram dados ao Ministério Público Federal na semana passada e, conforme cita o jornal, já estão documentados por escrito e gravados em vídeo. O valor representa cerca de 10% do total arrecadado oficialmente pela campanha. Durante os depoimentos de delação premiada, os procuradores se consultavam por meio de um grupo de WhatsApp para trocar informações, conforme apurou o Estado.

Prevista para ir a julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no início de 2017, a ação que investiga irregularidades na campanha presidencial de 2014 da chapa Dilma Rousseff – Michel Temer pode ser impactada pelas declarações. A previsão é que o ministro Herman Benjamin, relator da ação, apresente seu parecer sobre o caso no início de fevereiro.  Relatórios da Polícia Federal e do Ministério Público divulgados na última semana já apontavam fortes traços de fraude e desvios de recursos em contratos firmados pela chapa.

Qualquer uma das partes ou o próprio Ministério Público ainda podem fazer o pedido de compartilhamento das delações realizadas na Lava Jato, após a homologação do ministro Teori Zavascki, relator do caso no Supremo Tribunal Federal. O TSE ouviu ex-executivos de outras empreiteiras que contaram como foram feitas as doações para a chapa presidencial, mas, até o momento, não houve nenhum relato de pagamento de caixa 2 diretamente para a campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Confira a notícia do Estado de S. Paulo na íntegra

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade