Joesley rebate Temer e diz que estava na China “e não passeando na Quinta Avenida, em Nova York”

Reprodução

Joesley voltou ao Brasil e emitiu nota à imprensa afirmando que estava na China

 

Contrariando o que foi noticiado, o empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, de volta ao Brasil desde o último domingo (11), rebateu informações divulgadas pela imprensa e também ditas pelo presidente Michel Temer (PMDB) de que estaria passeando nos Estados Unidos. Em comunicado divulgado ontem (terça-feira, 13), o empresário disse que estava na “China e não passeando na Quinta Avenida, em Nova York”. “Ao contrário do que chegou a ser noticiado e caluniosamente dito até pelo presidente da República”, diz trecho do documento.

Joesley, no texto divulgado, diz ainda ter viajado com a autorização da Justiça brasileira. Além disso, ressalta ter se ausentado do Brasil “para proteger a integridade de sua família, que sofreu reiteradas ameaças desde que se dispôs a colaborar com o Ministério Público”.

Na nota, o empresário diz ter participado de reuniões nessa segunda-feira (12), em Brasília, e de encontros de trabalho na terça (13), em São Paulo. O Jornal Nacional revelou que Joesley prestou novo depoimento à Procuradoria da República em Brasília, em uma investigação sobre dinheiro depositado em contas no exterior destinado pela JBS aos ex-presidentes Lula e Dilma. O diretor da J&F Ricardo Saud, outro delator da Lava Jato, também foi ouvido.

Os depoimentos foram tomados pelo procurador da República Ivan Cláudio Marx no âmbito de um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) instaurado com objetivo de apurar repasse de recursos por parte do grupo empresarial ao Partido dos Trabalhadores, por intermédio do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Na delação, Joesley e Saud disseram ter depositado US$ 150 milhões em contas no exterior a pedido do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e que esse dinheiro seria propina relacionada a empréstimos e aportes financeiros do BNDES. O dinheiro teria financiado campanhas políticas.

Os recursos, originários de contratos com o BNDES, Funcef e Petros, teriam contas no exterior como garantia, cujos extratos seriam mostrados por Mantega aos ex-presidentes Lula e Dilma.

Leia íntegra do comunicado de Joesley Batista:

“O empresário Joesley Batista informa que está no Brasil desde domingo passado.

Ele se ausentou do Brasil nos últimos dias para proteger a integridade de sua família, que sofreu reiteradas ameaças desde que ele se dispôs a colaborar com o Ministério Público.

Joesley Batista estava na China – e não passeando na Quinta Avenida, em Nova York, ao contrário do que chegou a ser noticiado e caluniosamente dito até pelo presidente da República. Não revelou seu destino por razões de segurança. Viajou com autorização da Justiça brasileira.

O empresário esteve ontem, segunda-feira, em Brasília, em reuniões. Hoje, participou de encontros de trabalho em São Paulo.

Joesley é cidadão brasileiro, mora no Brasil, paga impostos no Brasil e cria seus filhos no Brasil. Está pessoalmente à disposição do Ministério Público e da Justiça brasileiros para colaborar de forma irrestrita no combate à corrupção.”

Leia também:

Os deputados e senadores financiados pela JBS, de acordo com a delação


Continuar lendo

Publicidade Publicidade