Fachin acata alegação de “risco de morte” e autoriza transferência de Rocha Loures à carceragem da PF

Agência Câmara

O parlamentar foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil

 

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no âmbito do Supremo Tribunal Federa (STF), autorizou que o ex-deputado Rocha Loures (PMDB-PR), conhecido como “o homem da mala”, seja transferido para a carceragem da Polícia Federal em Brasília. No pedido feito ao Supremo, a defesa de Loures alega que após sua prisão, “surgiu uma série de especulações na mídia, especialmente acerca possível delação premiada que ele poderá fazer” e que tais notícias configuram de “ameaças diretas e indiretas à vida de Rodrigo”.

Além disso, conta que no dia 8 de junho, o pai de Rocha Loures teria “recebido uma ligação telefônica de um conhecido da família que lhe avisou estar o requerente correndo risco de vida caso não concordasse com a delação premiada”. Os advogados pediram a concessão de prisão domiciliar e uma escolta de agentes da PF para garantir a segurança de Loures e de sua família.

Apesar de determinar a transferência, Fachin negou os dois pedidos dos advogados até que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apure o caso. “Os fatos narrados, ainda que não estejam desde logo embasados em elementos probatórios que lhes deem suporte, são graves o suficiente para que se dê ao menos notícia ao Ministério Público a quem incumbe, no âmbito de suas atribuições, deflagrar instrumentos voltados à respectiva apuração”, ressaltou o ministro na decisão.

O magistrado também disse que a PF deverá cuidar a integridade física de Loures. “Até ulterior deliberação, determino a remoção do custodiado Rodrigo dos Santos da Rocha Loures para a carceragem da Polícia Federal, a quem incumbo as cautelas necessárias à preservação da integridade física do requerente”.

Rocha Loures, apontado como homem de confiança de Michel Temer, é investigado ao lado presidente por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça. Loures perdeu o foro privilegiado após o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio recusar convite de Temer para assumir o Ministério da Transparência. Ao perder o foro, o ex-parlamentar, que é primeiro suplente de Serraglio, teve prisão decretada.

Loures foi preso no  sábado (3) por determinação do ministro Fachin. Em abril, o parlamentar foi filmado pela PF saindo apressado de uma pizzaria com uma mala contendo R$ 500 mil. Ele também foi apontado a Joesley, pelo próprio presidente Temer, como homem de sua confiança. Após as revelações, Loures ficou conhecido pelos próprios parlamentares como “homem da mala”.

Em maio, após revelação dos fatos, Loures entregou à PF, em São Paulo, a mala com a qual foi flagrado na filmagem. No entanto, faltavam R$ 35 mil. Nos dias seguintes, o restante do dinheiro foi depositado por Rocha Loures em uma conta judicial. Ainda não se sabe se são os mesmos R$ 35 mil ou uma espécie de “ressarcimento”.

Leia também:
Serraglio recusa Ministério da Transparência e agrava situação de Rocha Loures, que perde foro privilegiado

Continuar lendo

Publicidade Publicidade