Onyx Lorenzoni admite ter recebido dinheiro de caixa dois da JBS

Deputado diz que não declarou os R$ 100 mil que recebeu da empresa para pagar despesas de campanha. Em entrevista a rádio gaúcha, ele afirma que não houve corrupção e que vai procurar a Justiça e o Ministério Público para contar o que fez

Antônio Cruz/Ag. Brasil

“Quero pedir desculpas ao eleitor que confia em mim pelo erro cometido. Mas vou assumir lá na frente do Ministério Público e do juiz do caso"

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) é o primeiro político a assumir ter recebido recursos de caixa dois da JBS. Em entrevista ao jornalista André Machado, da Rádio Bandeirantes de Porto Alegre, ele disse que o dinheiro foi doado por uma subsidiária da empresa no Rio Grande do Sul por meio de uma pessoa da confiança dele. O parlamentar gaúcho foi citado, na delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, como beneficiário de R$ 100 mil repassados pelo grupo.

 

“Final da campanha, reta final, a gente cheio de dívidas com fornecedores, pessoas, eu usei o dinheiro. E a legislação brasileira não permite fazer a internalização desse recurso”, afirmou o gaúcho, que foi relator do projeto das Dez Medidas de Contra a Corrupção, idealizado pelo Ministério Público Federal. “Tive o cuidado de perguntar se o dinheiro era lícito, de origem limpa”, emendou.

O deputado pediu desculpas ao eleitorado gaúcho e disse que vai procurar o Ministério Público, na próxima semana, para relatar tudo o que ocorreu. “Quero pedir desculpas ao eleitor que confia em mim pelo erro cometido. Mas vou assumir lá na frente do Ministério Público e do juiz do caso. Vou reafirmar o que disse na entrevista à rádio porque, ao longo de 24 anos de vida pública, nunca mentir. Vou falar a verdade, mesmo que essa seja verdade seja dura contra mim”, afirmou. “Estou assumindo aqui como um homem tem de fazer, sem a declaração na prestação de contas. Todos os demais recursos foram 100% contabilizados. Foi apenas esse recurso”, acrescentou. Veja a entrevista à Gaúcha em vídeo:

Odebrecht, não

Onyx disse que resolveu falar por se sentir muito incomodado com a situação, mas ressaltou que jamais recebeu recursos da Odebrecht. O deputado é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) em inquérito (4.400) que apura a suspeita de repasse de R$ 175 mil para a campanha dele. “Não recebi dinheiro da Odebrecht. Aquele dinheiro é uma tentativa de armação e intimidação. Aquele dinheiro não recebi e vou provar que não recebi”, declarou.

O parlamentar, que ganhou projeção na CPI dos Correios, em 2005, como um dos sub-relatores da comissão, disse que não há qualquer indício de corrupção contra ele. “No meu caso, quero reafirmar, nem a quadrilha do Lula nem a quadrilha da Odebrecht nem a da JBS fizeram qualquer correlação com a corrupção. Inclusive o próprio relator disse isso: não houve nenhuma contrapartida, foi só para a eleição.”

Onyx afirma ainda que será candidato à reeleição na Câmara em 2014. “Vou me submeter ao julgamento dos gaúchos e das gauchas. Na minha trajetória de 24 anos nunca tive processo nunca tive nada relacionado a essa bandalheira que exite no Brasil”, disse. (Eduardo Amaral, de Porto Alegre, especial para o Congresso em Foco)

Saiba tudo que a JBS revelou sobre pagamentos indevidos a políticos e servidores públicos

Continuar lendo
Publicidade Publicidade