Deputado da Rede pede impeachment de Temer; veja a íntegra

Alessandro Molon considera a situação de Temer insustentável e pede uma decisão rápida do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Ainda não houve manifestação da presidência da Casa sobre o pedido do parlamentar

Reprodução

Molon, no momento do protocolo

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) protocolou na secretaria geral da mesa da Câmara um pedido de impeachment do presidente Michel Temer, em razão das declarações dos empresários Wesley Batista, e seu irmão Joesley, donos da Friboi, de que gravaram o presidente da República incentivando o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha em troca do silêncio do ex-parlamentar (leia a íntegra). Cunha ameaçava denunciar o envolvimento de Temer com o recebimento de propina de fornecedores da Petrobrás e de outros empresários.

 

Dono da JBS grava Michel Temer avalizando compra de silêncio de Eduardo Cunha

Aécio é gravado pedindo R$ 2 milhões ao dono da JBS

Molon considera a situação de Temer insustentável e pede uma decisão rápida do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), responsável pela análise do pedido e a abertura de processo para, se for o caso, processar o presidente. Não houve manifestação da presidência da Câmara sobre o pedido do parlamentar.

Assim que a notícia foi divulgada no começo da noite pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, os plenários da Câmara e do Senado foram esvaziados. Assim que a notícia ganhou as redes sociais, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deixou o plenário da Casa às pressas e foi ao seu gabinete. Em seguida, Maia deixou seu gabinete seguido por vários jornalistas e cercado de seguranças, mas não deu qualquer declaração. Falando todo o tempo ao telefone, foi para um encontro às pressas no Palácio do Planalto.  “A situação do presidente ficou insustentável”, disse o senador Álvaro Dias (PV-PR).

Com a divulgação da gravação do presidente incentivando o pagamento da propina a Eduardo Cunha, o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) subiu à tribuna e leu a notícia nos instantes finais da sessão da Câmara e provocou um susto nos colegas. “Fica mais que demonstrado que esse governo não tem legitimidade para continuar à frente do Brasil e não há outra alternativa além da saída de Temer e de seus ministros”, disse o parlamentar. Ele pediu a convocação de eleições diretas. Em seguida, vários deputados começaram a gritar “Fora Temer”.

Em outra gravação dos irmãos Batista, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), indica o primo Frederico Pacheco para receber propina de R$ 2 milhões. A entrega do dinheiro foi filmada pela Polícia Federal. O PSDB não se manifestou sobre a notícia. As gravações dos irmãos Batista envolvem o deputado Rodrigo Roch Loures (PMDB-PR), assessor de Temer e hoje de volta à Câmara, e o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), intermediários da propina do senador tucano.

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo
Publicidade Publicidade