Quinta, 19 de Janeiro de 2017

Deputados querem derrubar aumento de tarifa de ônibus e metrô em Brasília

Governador cancela férias, retorna à capital para negociar com a oposição e tenta manter o decreto que reajustou as passagens de ônibus em até 25% na virada do ano

Wilson Dias/ABr

Ameaça de derrubada de decreto obrigou governador a suspender férias de final de ano e retornar a Brasília

O governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), teve de suspender as férias de final de ano em Aracaju para retornar a Brasília e tentar debelar uma crise política que se instalou entre o seu governo e a Câmara Legislativa. O motivo é o aumento de até 25% para as passagens de ônibus em Brasília anunciados na sexta-feira e já em vigor.

Durante a posse do novo presidente do Legislativo local, deputado Joe Valle (PDT), e da Mesa Diretora da Casa, nesse domingo (1º), os parlamentares ameaçaram votar o cancelamento do decreto que reajustou as tarifas. Eles exigem do governo um percentual menor. Desafeto do governador, com quem rompeu em meados do ano passado, o vice-governador Renato Santana (PSD) fez duras críticas a Rollemberg. Irônico, disse que ainda não sabia se poderia andar de ônibus nesta segunda-feira. “Gestor que sugere aumento deve ser demitido”, defendeu.

Esta é a primeira crise política entre o governo e os deputados distritais após a escolha de Joe Valle, em dezembro, para presidir o Legislativo. Em uma acirrada disputa interna pelo comando da Câmara Distrital, Valle empatou em 12 votos com o candidato do governo, Agaciel Maia (PR). Mas ganhou a disputa por ter sido mais votado pelos eleitores em 2014.

Na primeira ação política logo depois de sua posse como presidente, o deputado ameaça suspender o reajuste de ônibus, com o apoio de todos os componentes da Mesa Diretora. Embora esteja em recesso, a Câmara Legislativa vive um começo de ano agitado.

Os parlamentares exigem o cancelamento do decreto com o reajuste da tarifa e a negociação dos novos valores das passagens com a Câmara Distrital. Se Rollemberg não anular o decreto, os distritais ameaçam se auto convocar e cancelar o reajuste. Para isso, precisam de 13 assinaturas de colegas, o que não é difícil para Joe Valle. “Esperamos que o governador atenda nosso pedido para discussão. Caso isso não aconteça, nós o faremos”, ameaçou .

Pelo decreto do governador, assinado no último dia útil de 2016, os valores das tarifas passaram ontem de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares e alimentadoras do BRT (11%); R$ 3 para R$ 3,50 (16%) nas linhas metropolitanas “curtas”; e de R$ 4 para R$ 5 (25%) no restante dos trajetos e do metrô.

Rollemberg e a Mesa Diretora da Câmara Distrital se reúnem ainda hoje para tratar do assunto. Parlamentares federais também se mostraram contrários ao reajuste. O senador Cristovam Buarque (PPS) pediu a suspensão do decreto.

Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade