Sem representantes na CPI, senadoras fazem escala para acompanhar trabalhos

Após sofrer revés pelo que consideraram uma "artimanha" do governo Bolsonaro ao devolver à Câmara o PL 130/20211, que prevê multa a empresas que pagarem salários diferentes a homens e mulheres na mesma função, a bancada feminina no Senado resolveu se revezar no acompanhamento da CPI da Covid.

Sem nenhuma representante entre os 11 membros da comissão, as mulheres da Casa organizaram uma escala para participar presencialmente de todas as sessões com ao menos uma senadora. Na reunião de hoje foi a vez de Leila Barros (PSDB-DF) acompanhada de Zenaide Maia (Pros-RN), que marcou presença de forma virtual.

Durante a eleição de presidente e vice do colegiado na terça-feira (27), a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) respondeu à fala de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), ao afirmar que "as mulheres já foram mais respeitadas e mais indignadas" ao comentar a falta de representação feminina no colegiado.

Flávio disse ainda que as mulheres "estão fora da CPI e não fazem nem questão de estar nela, se conformam em acompanhar os trabalhos a distância".

"Não vamos admitir ironia machista contra as mulheres. [...] Não usamos o argumento da autoridade. Usamos a autoridade do argumento. E é isso que vamos fazer aqui nessa CPI. Nenhum homem nem aqui e nem em lugar nenhum, enquanto houver mulheres presentes, a maioria da população brasileira, vai tentar cala a voz de uma mulher. Eu não admito isso, senador Flávio, questionar nossa indignação. Nós nos indignamos diante de todos os fatos que estão postos", disse Eliziane.

Hoje, a líder da bancada feminina na Casa, Simone Tebet (MDB-MS), disse que a provocação serviu como estímulo para o acompanhamento próximo dos trabalhos da comissão. "Na minha terra tem um ditado que diz: 'Não cutuque onça com vara curta'. Já íamos participar da CPI diuturnamente, porque nada é mais importante para a bancada feminina que entender os erros mortais que mataram centenas de milhares de brasileiros, e continuam matando. Agora, provocadas, estaremos de plantão 24 horas".

Na próxima terça-feira (4), quando a comissão deve receber os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, Simone Tebet estará na reunião. A urgência para apreciação do novo texto do PL 130/20211 pode ser votado nesta quinta-feira (29) na Câmara.

> Senadoras cobram solução “imediata” para PL sobre igualdade salarial

Continuar lendo