Raquel Dodge pede ao STJ acesso a inquérito do caso Marielle

Em ação cautelar, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requisitou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a íntegra do inquérito policial instaurado para apurar possíveis irregularidades na investigação dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e do motorista Anderson Gomes. As informações foram divulgadas pela assessoria do Ministério Público Federal.

O intuito do pedido, segundo Dodge, é assegurar o acesso a dados que possibilitem instruir Procedimento Preparatório de Incidente de Deslocamento de Competência (PPIDC), aberto em março do ano passado, logo após os homicídios.

> Suspeitos de matar Marielle são transferidos para presídio federal

Encaminhada ao ministro João Otávio de Noronha, presidente do STJ, a demanda tem como fundamento o fato de ter sido impedido o acesso de Dodge à íntegra ou à cópia do inquérito, embora o procedimento seja resultado de requisição apresentada pela própria procuradora-geral.

Instaurada em novembro do ano passado, a investigação teve como objeto a apuração de crimes como organização criminosa, fraude processual, exploração de prestígio, falsidade ideológica, entre outros. Na época, Dodge pediu a instauração do inquérito ao Ministério da Segurança Pública após ser informada da existência de indícios de obstrução à investigação do duplo homicídio.

Na petição, Raquel Dodge enfatiza que, por previsão constitucional, cabe exclusivamente à procuradora-geral da República verificar eventual pedido de deslocamento de competência das investigações. Segundo ela, o fundamento para este pedido “só pode ser analisado diante de evidências que foram coligidas no inquérito instaurado para verificar se havia o desvio ou deficiência na investigação”.

 

> PF descobre plano contra deputada Talíria na Deep Web

crimehomicídiomarielle francoMinistério PúblicoPGRSTJ