Marcelo D2 é proibido de vincular Doria a mortes de Paraisópolis

O desembargador Luiz Antônio de Godoy, da 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou que o cantor e compositor Marcelo D2 terá que apagar três tuítes críticos ao governador João Doria (PSDB). Segundo o entendimento de Godoy, D2 cometeu “possível abuso do direito de liberdade de expressão”. A informação foi publicada no Blog Do Fausto, do Globo.

> Grupo de Doria usa assinatura de deputada sem permissão para validar líder

O desembargador definiu ainda, que o cantor fica proibido de titular o governador como mandante da ação policial que terminou com a morte de nove pessoas em Paraisópolis, no dia 1 de dezembro.

As publicações de Marcelo D2, relembrava que Doria disse à Rádio Bandeirantes em 2018, que em sua gestão a “polícia ia atirar para matar”.

 No dia 1 de dezembro, após a tragédia, João Doria foi para o Twitter e disse que lamenta “profundamente as mortes ocorridas no baile funk em Paraisópolis”. D2 foi ao Twitter do governador e publicou: “Lamenta nada, assassino”, e anexou uma matéria da Folha de S. Paulo, em que mostra a declaração de Dória

“Se fizer o enfrentamento com a polícia e atirar, a polícia atira. E atira para matar”, disse Doria, em vídeo publicado em seu próprio perfil em 2018.
1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São PauloJoão DoriaLuiz Antônio de GodoyMarcelo D2Paraisópolis