PF indicia assessores do ministro do Turismo

A Polícia Federal indiciou nesta segunda-feira (1º) os assessores do ministro do Turismo, Álvaro Antônio, e as candidatas suspeitas de terem sido usadas como laranjas pelo PSL em Minas Gerais nas últimas eleições. O inquérito será enviado ao Ministério Público.

> Ministro do Turismo nega suspeitas de laranjas no PSL em audiência no Senado

Ao todo, foram sete indiciados: o assessor especial, Mateus Von Rondon, e mais dois auxiliares do ministro Álvaro Antônio durante a campanha do Aço de Minas, Roberto Soares e Haissander de Paula; além das quatro candidatas suspeitas. 

Eles estão sendo indiciadas por falsidade ideológica, aplicação irregular de verba e associação criminosa.  As penas máximas para os três crimes são de 9 anos e três meses de prisão.

Prisão

Os assessores do ministro chegaram a ter a prisão temporária decretada na última quinta-feira (27) por conta do caso, que teria desviado R$ 279 mil em verbas públicas fundo partidário do PSL para quatro candidatas do partido em Minas Gerais. Nesta segunda, porém, o juiz Renan Chaves Machado, da 26ª Zona Eleitoral de Minas Gerais, determinou a soltura dos três.

> Deputada que acusa ministro de ameaçá-la relata ataques virtuais e isolamento dentro do PSL

assessorescandidaturas laranjasindiciadosMinas Geraisministro do turismoPolícia Federal