Todas as postagens de Nicolas Behr

Brasília de A a Z: o que diz o L

A cidade de Léo e Bia, do Lago Paranoá, de lendas urbanas e das vias L… O poeta mais famoso da capital convida você a conhecer Brasília por mais um verbete. Vamos nessa viagem?

Continue lendo...
Vai um Kibeirute aí? Iguaria é o carro-chefe de um dos bares mais tradicionais da capital

Brasília de A a Z: o que dizem o J e o K

Do “J”, do jeitinho, do João-de-barro e dos ratinhos Juscelinomys candango, ao “K”, do delicioso Kibeirute, prato dos mais famosos da capital, Nicolas Behr desvenda a capital brasileira pelas inciais do fundador da cidade

Igrejinha da Asa Sul

Brasília de A a Z: o que diz o I

A Igrejinha Nossa Senhora de Fátima fazia parte de um conceito que Lucio Costa idealizou para a capital, mas que não prosperou. O poeta mais conhecido da cidade mostra essa e outras preciosidades iniciadas pela nona letra do alfabeto

Sinal de vida: respeito à faixa de pedestre é um dos orgulhos do brasiliense há quase 20 anos

Brasília de A a Z: o que diz o F

Faixa de pedestre, festas juninas, Feira da Torre, filmes, fotografia e até forca. Por meio de histórias curiosas e divertidas, o principal poeta do Distrito Federal mostra os encantos da capital de todos os brasileiros. Desta vez, por meio de verbetes iniciados com a sexta letra do alfabeto

Eixão

Brasília de A a Z: o que diz o E

Em mais um verbete de seu livro BRASILIA-Z, Cidade-palavra, o poeta mais conhecido do Distrito Federal mostra por que “Eduardo e Mônica” e o “Eixão do lazer” estão entre as expressões que ajudam a compreender a capital do país

Cine Drive-in: o último do país ainda resiste em Brasília

Brasília de A a Z: o que diz o D

Despedida, Dom Bosco, dupla, drive-in… Em novo capítulo do seu livro BRASILIA-Z, Cidade-palavra, Nicolas Behr decifra a capital federal pelo verbete D

Catedral de Brasília

Brasília de A a Z: o que diz o C

“Antes do fechamento da barragem do Paranoá, diziam que o lago nunca se formaria. Ou não havia água suficiente para tanto ou o terreno era poroso demais. JK, um homem de boa lábia, reagiu: ‘Enche sim, nem que seja no cuspe!’”

Brasília de A a Z: o que diz o B

“Extinta terceira capital do segundo Quinto Império Cerratense, localizada no centro do grande deserto sul-americano. Escavações arqueológicas realizadas no final do século XXIII revelaram as ruínas grandiosas da primeira cidade modernista da história”

CeuBrasilia

Brasília de A a Z: o que diz o A

Nicolas Behr, o poeta mais conhecido da capital federal, brinda o leitor do Congresso em Foco com a reprodução dos 250 verbetes de seu livro BRASÍLIA-Z – Cidade-palavra, obra fundamental para quem ama e para quem ainda não entendeu a cidade

Feliz na Flip

“Ir pra Flip é correr pro abraço”, escreve Nicolas Behr sobre a sua experiência na cidade que “respira maresia e poesia”. O poeta aproveitou para fazer coro à onda de protestos

A coruja-buraqueira é notícia!

“A crendice popular diz que a coruja é sinal de mau agouro. Que nada. Coisa boa é ter a coruja-buraqueria por perto, pois o local fica limpo de ratos e cobras”

O poeta vai às escolas

“Aconselho sempre os escritores a colocar nos seus livros uma forma de contato para que as escolas os procurem. Se os poetas soubessem como é bom esse contato com o publico, fariam fila na frente das escolas”

Abaixo a ditadura… do automóvel

“O automóvel é a ponta do iceberg do fracasso de Brasília, enquanto cidade planejada. Como Brasília, de apenas 53 anos, já pode ter problemas de trânsito similares a Roma?”

A caminho da Esplanada, carros passam pela rodoviária, o lugar onde Brasília mais se parece uma cidade qualquer

Brasília passa pela rodoviária?

A rodoviária por onde passam 700 mil pessoas por dia é o tema de estreia da coluna de Nicolas Behr. Ela é o “cruzamento que vale por todas as esquinas que Brasília não tem, nossa rua 24 horas”

Publicidade Publicidade