Todas as postagens de Marcus Pestana

ProMunicípio: parceria para o desenvolvimento

“A margem de manobra e o grau de autonomia dos prefeitos são próximos de zero. Muitas vezes, todos os recursos são comprometidos com o custeio da máquina administrativa e dívidas”

Continue lendo...

Alguma coisa está fora da ordem

Recentes intervenções do STF no Congresso e vice-versa mostraram algo “fora da ordem” em nosso quadro constitucional, diz Pestana, festejando retomada do diálogo entre poderes

O “pacote de abril” de Dilma

Marcus Pestana compara projeto que dificulta a criação de partidos políticos ao fechamento do Congresso Nacional decretado por Ernesto Geisel em abril de 1977

O ano de 2014 e a sucessão em Minas Gerais

Antecipação da corrida presidencial contaminou as disputas regionais, diz Marcus Pestana. Para ele, apesar da profusão de nomes, nada se decidirá em Minas antes da consolidação da candidatura de Aécio ao Planalto e da definição do futuro de Anastasia

A reforma política pela bola sete

“A fórmula proposta é absolutamente inviável e contraditória: campanhas caras e dinheiro escasso. Resultado provável: mais caixa dois, judicialização e criminalização da atividade política”

Envelhecimento da população e políticas públicas

“É preciso tomar consciência, para que, em seguida, tenham lugar o debate e a reflexão e, principalmente, a ação transformadora que preparará o terreno para esse novo mundo”

Comprometendo o futuro: o caso da Petrobras

“O governo do PT conseguiu produzir a pior gestão de toda a história da empresa. Nos últimos dois anos, o valor da Petrobras caiu 47,7%”

Minas à margem das decisões do governo Dilma

“São 11 ministros paulistas, oito gaúchos e apenas dois mineiros, sendo um assim mesmo de sua cota pessoal, e o outro, empossado tardiamente, por razões meramente eleitorais. Nunca, na história republicana, a participação de Minas foi tão pequena”

O voo de galinha: o PIB de 2012

“É preciso desvendar os mistérios dessa armadilha do baixo crescimento e mudar o rumo. Não creio que o governo Dilma, por suas convicções e estilo, seja capaz de patrocinar uma guinada na dimensão necessária”

Aquecimento do debate e antecipação da sucessão

“Ao partidarizar a discussão do novo marco do setor elétrico, aparelhar a cadeia de rádio e TV com discurso que desrespeitou a liturgia do cargo e radicalizar a polarização em comemorações petistas, Dilma e o PT tiraram as oposições para dançar num outro ritmo”

Autonomia da sociedade e emancipação do cidadão

Colunista aponta que miséria e pobreza não serão superadas com manipulações estatísticas ou voluntarismos governamentais. “Não há saídas fáceis para problemas complexos”, diz Marcus Pestana

A gangorra e as contradições da economia brasileira

“Economia indo bem, governo bem avaliado. Fragilidade econômica, governo mal avaliado”. Se a renda, o emprego e o investimento direto foram bem, outros indicadores sinalizam uma inflexão na trajetória da economia que pode comprometar o futuro da presidenta, diz Marcus Pestana

A face impopular e necessária do poder público

“Determinadas políticas públicas criam atritos, parecem antipáticas. São as ações de fiscalização, cuja necessidade só brota, muitas vezes, após tragédias que poderiam ser evitadas”

O presidencialismo imperial de cooptação

“A estabilidade do projeto conjunturalmente hegemônico é garantida no varejo das transações políticas. Isso resulta em loteamento político e do aparelhamento da máquina pública”

Adrielly dos Santos Vieira: uma tragédia brasileira

“A pediatra fez o que pôde. O chefe do plantão não conseguiu a transferência. O sistema de regulação falhou. O SUS não agiu em rede. O cirurgião substituto chegou tarde demais. O Congresso não aprovou o aumento das verbas da saúde que o governo ameaçou vetar”

A questão internacional: mais uma diferença

“O PT optou por uma reedição reciclada do terceiro-mundismo calibrada com uma aspiração de liderança mundial que nos levaram a um alinhamento problemático com governos autoritários no Irã, na Líbia, em Cuba e na América Latina”

Que venha 2013!

“2012 não terminou bem. O Brasil está perdendo oportunidades, sacrificando o horizonte de médio e longo prazo. Escândalos se sucedem a cada semana. O PIB de apenas 1% e a queda dos investimentos sinalizam tempos difíceis”

Curto-circuito político

“Não esclarecer que o contribuinte vai subsidiar o consumidor de energia, ou tentar partidarizar a questão, não é boa prática”

Estado e economia: a marcha forçada para o atraso

“A questão mais importante para a avaliação de um governo é a condução da economia. É o desenvolvimento econômico que gera renda e emprego, sendo o principal instrumento de promoção da cidadania. E aí, PT e PSDB têm visões bastante diferenciadas”

O modelo de intervenção do Estado: outra diferença

“O PSDB sempre teve clareza absoluta, dentro de uma leitura contemporânea dos princípios social-democratas, da necessidade de um Estado forte, mas não inchado, onipresente e agigantado”

A questão democrática, uma diferença essencial

“A trajetória do PT é um verdadeiro zigue-zague, incoerente e pragmático, envelopado em enxurrada verborrágica torrencial”

O futuro e a reinvenção do PSDB

“A renovação do PSDB não é uma questão etária. A mudança necessária é de métodos, ideias, atitudes, caras, nomes, cultura, estética, estratégias, formas de comunicação e mobilização”

Desenvolvimento, infraestrutura e modelo institucional

“O PT privatiza pouco, mal e com complexo de culpa”

A Usiminas e os riscos da siderurgia brasileira

“Da substituição das importações ao mundo globalizado”

Publicidade Publicidade