Dirceu diz que agora “não é mais Lula livre”, agora é “retomar o governo”

Em liberdade, o ex-ministro da Casa Civil (governo Lula), José Dirceu, gravou um vídeo ao lado do vice-presidente do PT e deputado estadual Emídio de Souza (SP). O petista, que estava em uma festa de comemoração pela libertação dele e de Lula, no bairro Batel em Curitiba, disse que neste momento não é mais a bandeira "Lula Livre" que deve ser levantada pelos petistas, mas a retomada do governo. "Somos petistas, de esquerda e socialistas. Nós somos tudo o contrário do que esse governo está fazendo", disse o ex-ministro.

> Lula deixa a prisão, ataca Moro e Bolsonaro e diz só ter amor no coração

José Dirceu, assim como o ex-presidente Lula, foi solto na última sexta-feira (8) após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou inconstitucional a prisão em segunda instância.

"Eu estava na trincheira da prisão. Agora estou aqui de novo na trincheira da luta. Agora não é [a hora do] Lula livre. Agora é para nós voltarmos e retomarmos o governo do Brasil", declarou Dirceu em vídeo divulgado pela Folha de S. Paulo. "E para isso nós precisamos deixar claro que nós somos petistas, de esquerda e socialistas. Nós somos tudo o contrário do que esse governo está fazendo. Uma boa noite para vocês, viu", encerrou o ex-ministro.

Ao sair da prisão na superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, o ex-presidente Lula fez um discurso emocionado. Agradeceu aos militantes que ficaram no acampamento por quase dois anos pedindo sua saída e fez ataques a Bolsonaro e a operação Lava Jato. "Trabalharam para criminalizar a esquerda, criminalizar o PT, criminalizar o Lula", disse.

Lula falou em seu discurso que o um lado do ministério público, polícia federal e da justiça trabalhou para criminalizar a esquerda. O petista afirmou que estes agentes tentaram prender uma ideia. "Eles não prenderam o Lula, eles tentaram matar uma ideia e uma ideia não se mata. Uma ideia não desaparece", disse.

O ex-presidente não deixou de atacar o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol. "Se pegar o Dallagnol, se pegar o Moro, se pegar uns delegados que fizeram o inquérito e bater num liquidificador, o que sobrar não é nem 10% da honestidade e dignidade que eu tenho neste país", falou Lula.

Após atacar o presidente Jair Bolsonaro e ministros, Lula disse que só tem espaço para o amor em seu coração. "Eu saio daqui aos 74 anos e o meu coração só tem espaço para o amor, porque o amor vai vencer neste país", declarou.

> Estudo dos tuítes de Bolsonaro revela o que o presidente mais ama e mais odeia

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!